Áfri­ca do Sul e Bu­run­di aban­do­nam

Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal

Africa21 - - Aos Leitores -

O Pre­si­den­te Pierre Nku­run­zi­za pro­mul­gou a 19 de ou­tu­bro a lei que re­vo­ga a ade­são do Bu­run­di ao Tra­ta­do de Ro­ma que ins­ti­tuiu o Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal (TPI), ha­bi­li­ta­do pa­ra jul­gar os au­to­res de cri­mes de guer­ra, cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de e ge­no­cí­dio. O Bu­run­di, que ti­nha as­si­na­do o Tra­ta­do em ja­nei­ro de 1999 e ade­ri­do ao TPI em 2004, é as­sim o pri­mei­ro país a re­jei­tá-lo, mas não se­rá pro­va­vel­men­te o pri­mei­ro a dei­xá-lo efe­ti­va­men­te. Com efei­to, me­nos de 24 ho­ras após a de­ci­são de Nku­run­zi­za, a Áfri­ca do Sul en­vi­ou uma car­ta às Na­ções Uni­das pa­ra in­di­car a sua re­ti­ra­da do TPI «no pra­zo de um ano após a re­ce­ção da no­ti­fi­ca­ção», co­mo man­da o Tra­ta­do de Ro­ma. Se­gun­do o Par­la­men­to de Bu­jum­bu­ra, que apro­vou a 12 de ou­tu­bro a re­vo­ga­ção da ade­são ao Tra­ta­do, o TPI trans­for­mou-se num «ins­tru­men­to po­lí­ti­co» uti­li­za­do pa­ra «opri­mir os paí­ses afri­ca­nos». Até à da­ta, to­dos os réus pro­ces­sa­dos, jul­ga­dos e/ou con­de­na­dos pe­lo tri­bu­nal de Haia são afri­ca­nos. As in­ves­ti­ga­ções pre­li­mi­na­res aber­tas em paí­ses não afri­ca­nos não de­ram lu­gar a aber­tu­ra de pro­ces­sos, por­que não fo­ram con­cluí­das ou fo­ram aban­do­na­das (Pa­les­ti­na, Sí­ria) de­vi­do ao ve­to de al­guns mem­bros per­ma­nen­tes do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça da ONU. Os pro­ces­sos aber­tos con­tra che­fes de Es­ta­do afri­ca­nos em exer­cí­cio, co­mo o su­da­nês Omar al-Bashir ou o que­ni­a­no Uhu­ru Kenyat­ta (en­tre­tan­to en­cer­ra­do) e as pri­sões dos ex-Pre­si­den­tes li­be­ri­a­no Char­les Tay­lor (con­de­na­do), mar­fi­nen­se Lau­rent Gbag­bo ou o ex-vi­ce-pre­si­den­te con­go­lês Je­an Pierre Bem­ba, têm pro­vo­ca­do ten­sões en­tre o TPI e a União Afri­ca­na, que já dis­cu­tiu a even­tu­a­li­da­de de uma re­ti­ra­da co­le­ti­va dos 34 paí­ses afri­ca­nos que ade­ri­ram ao me­ca­nis­mo. A de­ci­são do Bu­run­di sur­ge na sequên­cia da aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção so­bre a vi­o­lên­cia ocor­ri­da nes­te país dos Gran­des Lagos durante a cri­se que se se­guiu à re­e­lei­ção de Nku­run­zi­za em ju­lho de 2015 pa­ra um ter­cei­ro man­da­to con­si­de­ra­do in­cons­ti­tu­ci­o­nal pe­la opo­si­ção bu­run­di­en­se apoi­a­da pe­lo Oci­den­te, vi­o­lên­cia que cau­sou mais de 500 mor­tos e 270.000 re­fu­gi­a­dos. Na sua no­ta ofi­ci­al, a Áfri­ca do Sul es­ti­ma que «as su­as obri­ga­ções em re­la­ção à re­so­lu­ção pa­cí­fi­ca dos con­fli­tos eram por ve­zes in­com­pa­tí­veis com a in­ter­pre­ta­ção dos mes­mos» pe­lo TPI. O Tra­ta­do de Ro­ma ti­nha si­do as­si­na­do por 124 dos 193 es­ta­dos mem­bros das Na­ções Uni­das. En­tre os não sig­na­tá­ri­os fi­gu­ram a Chi­na e a Ín­dia. En­tre os sig­na­tá­ri­os, 33 paí­ses não ra­ti­fi­ca­ram o Tra­ta­do, en­tre os qu­ais Es­ta­dos Uni­dos, Is­ra­el e Rús­sia. Os EUA as­si­na­ram acor­dos bi­la­te­rais com paí­ses ali­a­dos pa­ra im­pe­dir que os seus na­ci­o­nais – ci­vis ou mi­li­ta­res – pos­sam ser pro­ces­sa­dos pe­ran­te o TPI.

ANDREW MARR, jor­na­lis­ta e es­cri­tor bri­tâ­ni­co, au­tor do «His­tó­ria do Mun­do»

“Olha­mos pa­ra a Eu­ro­pa co­mo se fos­se o Cen­tro do Uni­ver­so, mas a His­tó­ria da hu­ma­ni­da­de ex­tra­va­sa em mui­to as fron­tei­ras do Ve­lho Con­ti­nen­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.