O fu­tu­ro de Áfri­ca

Africa21 - - Aos Leitores -

«O fu­tu­ro de Áfri­ca es­tá nas nos­sas mãos. Po­de­mos mol­dá-lo e ori­en­tá-lo no sen­ti­do que de­se­ja­mos», diz Achil­le Mbem­be. Fi­ló­so­fo, es­cri­tor e in­ves­ti­ga­dor es­pe­ci­a­li­za­do no es­tu­do da Áfri­ca pós-co­lo­ni­al, Mbem­be or­ga­ni­zou re­cen­te­men­te em Da­kar, em con­jun­to com Felwi­ne Sarr, os «Ate­li­ers de la Pen­sée» (Ate­li­ês do Pen­sa­men­to), um con­vi­te à re­fle­xão so­bre Áfri­ca.

Que sig­ni­fi­ca ho­je «li­ber­tar Áfri­ca»?

Num tem­po não mui­to lon­gín­quo, que­ria di­zer li­ber­tar-se da lei da ra­ça e do far­do co­lo­ni­al, te­cer no­vos la­ços com es­tes pe­da­ços de nós que ti­nham si­do dis­per­sos aos qua­tro can­tos do mun­do, des­co­lo­ni­zar os sa­be­res e re­en­con­trar a nos­sa me­mó­ria, ter no­me e na­ci­o­na­li­da­de pró­pria, sair da po­si­ção su­bal­ter­na e fa­zer de Áfri­ca uma po­tên­cia em si. No tem­po pre­sen­te, quan­do afri­ca­ni­da­de ri­ma com mun­di­a­li­da­de, li­ber­tar Áfri­ca im­pli­ca for­jar no­vas ar­mas pa­ra acom­pa­nhar o con­ti­nen­te nos seus es­for­ços pa­ra se afir­mar no mun­do. Há uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma e de­ve­mos ex­plo­rar pa­ci­en­te­men­te to­das as su­as con­sequên­ci­as. Felwi­ne Sarr pen­sa co­mo eu que não se po­de pen­sar Áfri­ca se­pa­ra­da do res­to da hu­ma­ni­da­de, do pla­ne­ta, da vi­da. Es­te pen­sa­men­to opõe-se no pla­no his­tó­ri­co e fi­lo­só­fi­co ao me­do da ex­tin­ção e do fim do mun­do em ple­no au­ge no Oci­den­te. A Eu­ro­pa dei­xou de ser o cen­tro de gra­vi­da­de do mun­do e pen­sa er­ra­da­men­te que o seu co­lap­so ar­ras­ta­rá o mun­do in­tei­ro.

Qu­ais são as prin­ci­pais idei­as a re­ter dos «Ate­li­ers de la Pen­sée» (Ate­li­ês do Pen­sa­men­to) que aca­ba de or­ga­ni­zar em Da­kar com Felwi­ne Sarr?

São es­sen­ci­al­men­te três. A pri­mei­ra é a ori­en­ta­ção to­tal­men­te fu­tu­ris­ta des­de no­vo de­ba­te so­bre Áfri­ca no mun­do que, se for con­so­li­da­da e le­va­da ao ex­tre­mo, cons­ti­tui­rá uma mu­dan­ça cul­tu­ral da mai­or im­por­tân­cia. Pa­ra re­cons­truir o que Felwi­ne cha­ma as «in­fra­es­tru­tu­ras psí­qui­cas» afri­ca­nas é pre­ci­so sair­mos da vi­ti­mi­za­ção, da ver­go­nha e do der­ro­tis­mo que sa­tu­ra­ram a úl­ti­ma par­te do sé­cu­lo XX em Áfri­ca. De­ve­mos dei­xar de pro­cu­rar bo­des ex­pi­a­tó­ri­os e de lu­tar con­tra os moi­nhos de ven­to, o que não quer di­zer pôr de la­do a his­tó­ria ou a cons­ci­ên­cia das re­la­ções de for­ças exis­ten­tes no mun­do. A se­gun­da é a cons­ci­ên­cia da mi­gra­ção do pen­sa­men­to crí­ti­co e da pro­du­ção li­te­rá­ria e cri­a­ti­va de ex­pres­são fran­ce­sa do Nor­te pa­ra o Sul. É no Sul que se si­tua do­ra­van­te o me­lhor pon­to de ob­ser­va­ção pa­ra en­ten­der a mar­cha do mun­do. É en­tre nós e as nos­sas diás­po­ras que nas­cem os con­cei­tos, as ar­tes e as idei­as mais es­ti­mu­lan­tes, a te­o­ria crí­ti­ca de ama­nhã. A fran­co­fo­nia co­mo apartheid cul­tu­ral aca­bou. So­mos o fu­tu­ro da lín­gua fran­ce­sa e es­ta é já uma lín­gua afri­ca­na de ple­no di­rei­to. Em ter­cei­ro lu­gar, a ne­ces­si­da­de de uma no­va «in­te­li­gên­cia social» pa­re­ce-me mais for­te e ur­gen­te do que nun­ca. O di­rei­to dos afri­ca­nos ao pen­sa­men­to é in­con­di­ci­o­nal. Pa­ra uma par­te im­por­tan­te da nos­sa ju­ven­tu­de pen­sar é fi­xe! Os gran­des

É pre­ci­so sair­mos da vi­ti­mi­za­ção, da ver­go­nha e do der­ro­tis­mo que sa­tu­ra­ram a úl­ti­ma par­te do sé­cu­lo XX em Áfri­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.