Pre­si­den­te da Gâm­bia

Sol­da­dos se­ne­ga­le­ses que lu­ta­ram pe­la Fran­ça exi­gem a ci­da­da­nia fran­ce­sa de­ve ser elei­to pa­ra 5.º man­da­to

Africa21 - - Aos Leitores -

Cer­ca de mil an­ti­gos sol­da­dos se­ne­ga­le­ses do exér­ci­to fran­cês du­ran­te o pe­río­do co­lo­ni­al – os «cães ne­gros do Im­pé­rio», co­mo lhes gos­ta­va de cha­mar o ex-Pre­si­den­te Le­o­pold Se­dar Senghor – con­ti­nu­am à es­pe­ra da ci­da­da­nia fran­ce­sa. Al­guns de­les são con­de­co­ra­dos e to­dos os anos par­ti­ci­pam nas ce­ri­mó­ni­as de ho­me­na­gem aos an­ti­gos com­ba­ten­tes fran­ce­ses. Des­de 2007, to­dos eles re­ce­bem uma re­for­ma. Con­tu­do, os seus pe­di­dos de na­tu­ra­li­za­ção têm si­do sis­te­ma­ti­ca­men­te re­jei­ta­dos. A mai­o­ria tem ho­je por vol­ta de 80 anos ou mais. Mas, com o apoio de Ais­sa­ta Seck, uma fran­co-se­ne­ga­le­sa que é ad­mi­nis­tra­do­ra-ad­jun­ta da co­mu­na de Bondy, tra­vam aque­le que é tal­vez o seu úl­ti­mo com­ba­te pe­la na­tu­ra­li­za­ção fran­ce­sa. Com efei­to, Ais­sa­ta, ela pró­pria fi­lha de um an­ti­go ati­ra­dor, sub­me­teu às au­to­ri­da­des cen­trais uma pe­ti­ção co­le­ti­va em no­me de trin­ta ex-sol­da­dos se­ne­ga­le­ses do exér­ci­to fran­cês que mo­ram na res­pe­ti­va co­mu­na re­cla­man­do o di­rei­to à ci­da­da­nia fran­ce­sa. A pe­ti­ção, já as­si­na­da por 2500 pes­so­as, te­ve uma gran­de re­per­cus­são. Vá­ri­as per­so­na­li­da­des ade­ri­ram à ini­ci­a­ti­va, pro­me­ten­do apoio pa­ra que a mes­ma te­nha su­ces­so, a co­me­çar pe­lo pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal fran­ce­sa, Clau­de Bar­to­lo­ne, que re­ce­beu os ex-sol­da­dos no pa­lá­cio de Bour­bon. Os ato­res Ja­mel De­bou­ze, per­so­na­gem do fil­me In­dí­ge­nas, e Omar Sy, cu­jo pai é se­ne­ga­lês, o jor­na­lis­ta e co­fun­da­dor do si­te Rue89, Ar­naud Au­bron, o di­re­tor do Ins­ti­tu­to Mon­taig­ne, Lau­rent Bi­gor­ne, e os de­pu­ta­dos Cé­ci­le Du­flot, Ale­xis Ba­che­lay e Oli­vi­er Vé­ran con­tam-se igual­men­te en­tre as per­so­na­li­da­des que já de­ram o seu apoio ao do­cu­men­to. En­tre­tan­to, em vi­si­ta ao Se­ne­gal, o mi­nis­tro fran­cês dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Je­an-Marc Ay­rault, ad­mi­tiu o «de­ver de re­co­nhe­ci­men­to» das au­to­ri­da­des fran­ce­sas em re­la­ção aos an­ti­gos sol­da­dos afri­ca­nos que com­ba­te­ram pe­la Fran­ça. De­pois de cri­ti­car a len­ti­dão em re­sol­ver o as­sun­to, ape­lou à «jus­ti­ça, sim­ples­men­te». Se­gun­do a im­pren­sa fran­ce­sa, o dos­siê es­tá na me­sa do Pre­si­den­te François Hollande. «Se hou­ver von­ta­de po­lí­ti­ca, o as­sun­to é fá­cil de re­sol­ver», acre­di­ta a ad­mi­nis­tra­do­ra-ad­jun­ta da co­mu­na de Bondy. Pa­ra o co­ro­nel Ndon­go Di­eng, um dos ex-mi­li­ta­res se­ne­ga­le­ses que re­cla­ma pe­la ci­da­da­nia fran­ce­sa, «o nos­so pro­ble­ma não é a na­tu­ra­li­za­ção, mas a rein­te­gra­ção: nós fo­mos fran­ce­ses du­ran­te mais de 300 anos». Yahya Jam­meh, Pre­si­den­te da Gâm­bia des­de 1994, quan­do to­mou o po­der atra­vés de um gol­pe de Es­ta­do mi­li­tar, e que já cum­priu qua­tro man­da­tos, é o mais pro­vá­vel ven­ce­dor das elei­ções pre­si­den­ci­ais do dia 1 des­te mês de de­zem­bro na­que­le país. Es­te de­ve­rá ser o seu quin­to man­da­to. Os prin­ci­pais pon­tos cons­tan­tes da sua pla­ta­for­ma elei­to­ral são a im­plan­ta­ção da educação gra­tui­ta e da co­ber­tu­ra sa­ni­tá­ria pa­ra to­dos os gam­bi­a­nos. O Pre­si­den­te dis­se igual­men­te que é ne­ces­sá­rio atri­buir mais res­pon­sa­bi­li­da­des às mu­lhe­res. A Gâm­bia é um pe­que­no país an­gló­fo­no en­cra­va­do no ter­ri­tó­rio do Se­ne­gal e cu­ja po­pu­la­ção é di­mi­nu­ta: ape­nas 1,890 mi­lhões de pes­so­as (2013). O re­gi­me de Yahya Jam­meh é acu­sa­do pe­lo de­par­ta­men­to de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no e vá­ri­as ONG de li­mi­tar as li­ber­da­des dos ci­da­dãos e de pro­vo­car o de­sa­pa­re­ci­men­to for­ça­do dos de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos e da li­ber­da­de de im­pren­sa. Jam­meh diz que tais crí­ti­cas não o afe­tam. «Pou­co im­por­ta o que as pes­so­as di­zem de mim, is­so não me atin­ge», cos­tu­ma ele re­tor­quir. «Eu não oi­ço con­se­lhos de nin­guém», acres­cen­ta. «Eu sei o que é im­por­tan­te. É en­tre mim e Deus». Yahya Jam­meh, que con­cor­reu em re­pre­sen­ta­ção da Ali­an­ça pa­ra a Re­o­ri­en­ta­ção e Re­cons­tru­ção Pa­trió­ti­ca (APRC), de­fron­tou dois ou­tros can­di­da­tos: Ada­ma Bar­row, apoi­a­do por uma co­li­ga­ção da opo­si­ção, e Ma­ma Kan­deh, ex-mem­bro da APRC, que cri­ou re­cen­te­men­te o Con­gres­so De­mo­crá­ti­co da Gâm­bia (GDC).

Yahya Jam­meh, Pre­si­den­te da Gâm­bia

FEDERICA MOGHERINI,

As re­la­ções UE-EUA são mais pro­fun­das que qual­quer mu­dan­ça po­lí­ti­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.