APOIO AO DE­SEN­VOL­VI­MEN­TO

Par­ce­ri­as da Fun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an

Africa21 - - Aos Leitores - João Car­los

AFun­da­ção Ca­lous­te Gul­ben­ki­an (FCG) con­ti­nu­a­rá a aco­lher pro­je­tos que con­tri­bu­am pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to. A ins­ti­tui­ção tem si­do «um re­le­van­te ator na­ci­o­nal da co­o­pe­ra­ção nes­te do­mí­nio», nas pa­la­vras de Gui­lher­me d’Oli­vei­ra Mar­tins, du­ran­te a en­tre­ga, em Lis­boa, de pré­mi­os a du­as or­ga­ni­za­ções não go­ver­na­men­tais por­tu­gue­sas ven­ce­do­ras da se­gun­da edi­ção do con­cur­so «In­ves­ti­ga­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to». A sua ati­vi­da­de «é fei­ta qua­se ex­clu­si­va­men­te em par­ce­ria com ou­tros ato­res: es­ta­tais e da so­ci­e­da­de ci­vil», dis­se o exe­cu­ti­vo do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da FCG, pa­ra quem «a Fun­da­ção tem cres­cen­te­men­te pri­vi­le­gi­a­do a in­ter­ven­ção atra­vés de par­ce­ri­as», jus­ti­fi­ca­da «pe­la di­men­são e com­ple­xi­da­de dos de­sa­fi­os do de­sen­vol­vi­men­to», mas tam­bém «pe­la ne­ces­si­da­de de ra­ci­o­na­li­za­ção de re­cur­sos e do uso das me­lho­res prá­ti­cas, nu­ma ló­gi­ca de sub­si­di­a­ri­e­da­de, com­ple­men­ta­ri­da­de e es­pe­ci­a­li­za­ção dos ato­res». Nos úl­ti­mos anos, a Gul­ben­ki­an tem vin­do a pro­mo­ver um con­jun­to de ini­ci­a­ti­vas vi­san­do a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra o re­for­ço das Or­ga­ni­za­ções Não Go­ver­na­men­tais de De­sen­vol­vi­men­to (ONGD) na­ci­o­nais. As par­ce­ri­as en­vol­vem ho­je as agências bi­la­te­rais de co­o­pe­ra­ção e ins­ti­tui­ções co­mo o Ca­mões – Ins­ti­tu­to da Co­o­pe­ra­ção e da Lín­gua (IP). Nes­te âm­bi­to, a FCG apa­re­ce com­pro­me­ti­da com pro­je­tos co­mo os que fo­ram realizados pe­la Fun­da­ção Fé e Co­o­pe­ra­ção e a Fun­da­ção Gonçalo da Sil­vei­ra. As du­as ins­ti­tui­ções fo­ram pre­mi­a­das em de­zem­bro de 2016, res­pe­ti­va­men­te, pe­lo pro­je­to «Bam­ba­ran di Mi­ni­nu: Ob­ser­va­tó­rio Na­ci­o­nal dos Di­rei­tos das Cri­an­ças na Gui­né-Bis­sau – Fa­se I» e pe­lo pro­je­to «Si­ner­gi­as ED – Co­nhe­cer pa­ra Me­lhor Agir – Pro­mo­ção da In­ves­ti­ga­ção so­bre a Ação na Edu­ca­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to em Por­tu­gal». A pri­mei­ra con­tou com a co­la­bo­ra­ção do Cen­tro de In­ves­ti­ga­ção em Es­tu­dos da Cri­an­ça da Uni­ver­si­da­de do Mi­nho, que aju­dou a cri­ar um no­vo ins­tru­men­to pa­ra a me­lho­ria do bem-es­tar de cri­an­ças em ris­co na Gui­né-Bis­sau. Por sua vez, a Fun­da­ção Gonçalo da Sil­vei­ra, que te­ve a par­ce­ria do Cen­tro de Es­tu­dos Afri­ca­nos da Uni­ver­si­da­de do Por­to, pro­põe-se con­ti­nu­ar a pro­mo­ver a in­ves­ti­ga­ção em pro­je­tos de Edu­ca­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to nas su­as múl­ti­plas abor­da­gens. O con­cur­so em cau­sa «cons­ti­tui um mag­ní­fi­co exem­plo de uma par­ce­ria en­tre o Ca­mões e uma or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de ci­vil», pe­lo seu con­tri­bu­to «pa­ra o re­for­ço da ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de co­nhe­ci­men­to e in­fluên­cia de po­lí­ti­cas pú­bli­cas, apro­xi­man­do-as das ins­ti­tui­ções ci­en­tí­fi­cas e de en­si­no su­pe­ri­or», co­mo re­fe­riu Gonçalo Te­les Go­mes, vi­ce-pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Ca­mões, du­ran­te a ce­ri­mó­nia de en­tre­ga dos pré­mi­os na Fun­da­ção C. Gul­ben­ki­an, lo­cal on­de tam­bém foi apre­sen­ta­do o li­vro O Ano Eu­ro­peu

pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to em Por­tu­gal, a car­go de Cláudia Se­me­do. A Em­bai­xa­do­ra do Ano Eu­ro­peu pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to, em 2015, dis­se à Áfri­ca21 que «é fun­da­men­tal con­ti­nu­ar a apoi­ar os pro­je­tos» e de­fen­deu «po­lí­ti­cas mais ar­ti­cu­la­das com os di­rei­tos hu­ma­nos» e na lu­ta con­tra a po­bre­za, que não se cir­cuns­cre­va ape­nas a de­cla­ra­ções «mui­to bo­ni­tas» e a acor­dos sem «for­ça vin­cu­la­ti­va em re­la­ção aos paí­ses que os as­si­na­ram». «Es­tes pro­je­tos são úteis» pa­ra paí­ses co­mo a Gui­né-Bis­sau. Cláudia Se­me­do ex­pres­sou as­sim a sua sa­tis­fa­ção pe­lo apoio que é da­do à ter­ra de seu pai, a pre­ci­sar «tan­to de uma es­ta­bi­li­da­de que ain­da não en­con­trou».

Agen­da 2030 ape­la ao es­for­ço de to­dos

A im­ple­men­ta­ção do Pro­gra­ma de Tra­ba­lho Na­ci­o­nal do Ano Eu­ro­peu mo­bi­li­zou di­re­ta­men­te cer­ca de 180 or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil e ins­ti­tui­ções pú­bli­cas, que agi­ram sob o le­ma «O Nos­so Mun­do, a Nos­sa Dig­ni­da­de, o Nos­so Fu­tu­ro». In­for­ma­ram, sen­si­bi­li­za­ram e de­ba­te­ram so­bre as te­má­ti­cas do de­sen­vol­vi­men­to, abar­can­do te­mas tão dis­tin­tos co­mo a água, a saú­de ou a se­gu­ran­ça ali­men­tar. Ou ain­da so­bre a edu­ca­ção, a igual­da­de de gé­ne­ro e as li­ber­da­des po­lí­ti­cas, bem co­mo so­bre o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co, o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e as mi­gra­ções. «E o fu­tu­ro se­rá ain­da mais exi­gen­te», co­mo avi­sou Te­les Go­mes, ao lem­brar que a im­ple­men­ta­ção dos Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel re­quer con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar em con­jun­to no sen­ti­do de uma me­lhor in­for­ma­ção e pro­mo­ção do pen­sa­men­to crí­ti­co so­bre os de­sa­fi­os que se avi­zi­nham. «Os de­sa­fi­os as­so­ci­a­dos à Agen­da 2030, à co­o­pe­ra­ção e à edu­ca­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to (…) ape­lam a um es­for­ço co­le­ti­vo de to­dos nós», pre­ci­sou. Aplau­din­do o li­vro e o pré­mio en­tre­gue a du­as as­so­ci­a­das, Pe­dro Kru­pens­ki, pre­si­den­te da Pla­ta­for­ma Por­tu­gue­sa das ONGD, quer que as si­ner­gi­as en­tre as ins­ti­tui­ções vo­ca­ci­o­na­das pa­ra o apoio à co­o­pe­ra­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to cons­ti­tu­am um ga­nho com efei­to mul­ti­pli­ca­dor pa­ra as po­pu­la­ções dos paí­ses be­ne­fi­ciá­ri­os. O li­vro reú­ne em 188 pá­gi­nas vá­ri­as te­má­ti­cas e abor­da­gens, en­tre ar­ti­gos de opi­nião e his­tó­ri­as na pri­mei­ra pes­soa, fa­zen­do re­gis­to de re­a­li­za­ções ocor­ri­das em 2015. Pa­ra Pe­dro Kru­pens­ki, a obra plas­ma a união de es­for­ços mul­ti­la­te­rais tão ne­ces­sá­ria en­tre en­ti­da­des pú­bli­cas, pri­va­das e or­ga­ni­za­ções não lu­cra­ti­vas. «Tra­ta-se de uma va­li­o­sa fer­ra­men­ta de tra­ba­lho qua­se que en­ci­clo­pé­di­co so­bre o de­sen­vol­vi­men­to», con­tex­tu­a­li­zou Cláudia Se­me­do. «É pre­ci­so con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar pa­ra que as se­men­tes que fo­mos plan­tan­do em 2015 pos­sam cres­cer e dar mui­tos fru­tos», exor­tou a em­bai­xa­do­ra de ori­gem gui­ne­en­se, a pen­sar na ge­ra­ção jo­vem tam­bém res­pon­sá­vel pe­la cons­tru­ção de um mun­do me­lhor.

“É fun­da­men­tal con­ti­nu­ar a apoi­ar os pro­je­tos e po­lí­ti­cas mais ar­ti­cu­la­das com os di­rei­tos hu­ma­nos”

As­si­na­tu­ra de pro­to­co­lo en­tre as ins­ti­tui­ções par­cei­ras da Gul­ben­ki­an

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.