EUA

As me­di­das de Do­nald Trump

Africa21 - - Aos Leitores - Paul Co­o­per

Em­pos­sa­do a 20 de ja­nei­ro des­te ano, Do­nald Trump impôs um rit­mo fre­né­ti­co nos seus pri­mei­ros 10 di­as de man­da­to, to­man­do uma sé­rie de me­di­das em di­ver­sas áre­as, das quais um dos pro­pó­si­tos as­su­mi­dos é des­fa­zer o le­ga­do do seu an­te­ces­sor, Ba­rack Oba­ma. Da no­me­a­ção dos mem­bros do seu ga­bi­ne­te ao can­ce­la­men­to de acor­dos eco­nó­mi­cos, à ten­ta­ti­va de des­man­te­lar o Oba­ma­ca­re (pro­gra­ma de se­gu­ro de saú­de cri­a­do pe­lo ex-Pre­si­den­te), à or­dem pa­ra co­me­çar a cons­truir o mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co e à proi­bi­ção de en­tra­da no país de ci­da­dãos de se­te paí­ses mu­çul­ma­nos, por exem­plo, Trump pa­re­ce re­sol­vi­do a de­mons­trar que é pi­or do que os seus ad­ver­sá­ri­os te­mi­am. Al­gu­mas des­sas me­di­das mis­tu­ram cla­ra­men­te os ale­ga­dos in­te­res­ses do Es­ta­do, co­mo a se­gu­ran­ça, com os in­te­res­ses pes­so­ais do atu­al Pre­si­den­te. É o ca­so da proi­bi­ção de en­tra­da no país de ci­da­dãos oriun­dos de na­ções mu­çul­ma­nas, que não con­tem­pla os paí­ses on­de Do­nald Trump tem ne­gó­ci­os. Além dis­so, es­te úl­ti­mo con­ti­nua a fa­zer as su­as afir­ma­ções po­lé­mi­cas, co­mo a de­fen­der a tor­tu­ra ou a elo­gi­ar o lí­der rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, o que es­tá a pôr os ca­be­los em pé não ape­nas aos li­be­rais ame­ri­ca­nos, mas tam­bém a se­to­res do pró­prio Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no.

Diz-me quem no­mei­as, dir-te-ei quem és

As ca­ras es­co­lhi­das pa­ra com­por o ga­bi­ne­te de Do­nald Trump dei­xam pou­cas ou ne­nhu­mas dú­vi­das so­bre qual se­rá a na­tu­re­za da sua go­ver­na­ção. De­ci­di­das, na sua mai­o­ria, em lon­gas reu­niões re­a­li­za­das nas pro­pri­e­da­des do no­vo Pre­si-

den­te em No­va Ior­que, No­va Jér­sei e na Fló­ri­da, on­de ele cos­tu­ma igual­men­te fe­char os seus ne­gó­ci­os, em es­pe­ci­al de ca­riz in­ter­na­ci­o­nal, co­me­ça­ram ime­di­a­ta­men­te por ali­men­tar as dú­vi­das acer­ca da ca­pa­ci­da­de de Trump de se­pa­rar as res­pon­sa­bi­li­da­des do seu car­go dos seus in­te­res­ses pes­so­ais. O nú­cleo do go­ver­no é for­ma­do ex­clu­si­va­men­te por con­ser­va­do­res de li­nha-du­ra. O pri­mei­ro de­les é o che­fe da Ca­sa Ci­vil, ha­bi­tu­al­men­te con­si­de­ra­do o es­tra­te­ga prin­ci­pal. O es­co­lhi­do foi um dos cé­re­bros da cam­pa­nha vi­to­ri­o­sa de Trump, Ste­ve Ban­non. Um dos gu­rus da im­pren­sa de ex­tre­ma-di­rei­ta, ele é co­nhe­ci­do pe­la sua pro­xi­mi­da­de a gru­pos ul­tra­na­ci­o­na­lis­tas e de su­pre­ma­cia bran­ca. O se­gun­do é o se­na­dor Jeff Ses­si­ons, do Ala­ba­ma, um dos con­gres­sis­tas mais crí­ti­cos da imi­gra­ção ile­gal nos EUA, que foi no­me­a­do pa­ra mi­nis­tro da Jus­ti­ça. Em 1980, a sua in­di­ca­ção pa­ra juiz fe­de­ral foi ne­ga­da em vir­tu­de de comentários e ações con­si­de­ra­das ra­cis­tas. Pa­ra o co­man­do da CIA, o es­co­lhi­do foi o de­pu­ta­do Mi­ke Pom­peo, do Kan­sas, ou­tro ul­tra­di­rei­tis­ta, fa­vo­rá­vel à re­to­ma­da da prá­ti­ca da tor­tu­ra co­mo mé­to­do de in­ter­ro­ga­ção de pri­si­o­nei­ros. Pa­ra a Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, o Ge­ne­ral Mi­cha­el T. Flynn, que apos­ta nu­ma par­ce­ria com Mos­co­vo pa­ra der­ro­tar o is­la­mis­mo ra­di­cal na Eu­rá­sia, foi o in­di­ca­do. Cons­ti­tuí­da ba­si­ca­men­te por ho­mens bran­cos e ul­tra­con­ser­va­do­res, a ad­mi­nis­tra­ção Trump tem al­gu­mas ex­ce­ções. Um de­les é o neu­ro­ci­rur­gião ne­gro Ben Car­son, que dis­pu­tou as pri­má­ri­as re­pu­bli­ca­nas e que foi anun­ci­a­do co­mo se­cre­tá­rio de De­sen­vol­vi­men­to Ur­ba­no, com fo­co na re­vi­ta­li­za­ção de bair­ros mai­o­ri­ta­ri­a­men­te ha­bi­ta­dos por mi­no­ri­as ét­ni­cas. Ou­tras são a go­ver­na­do­ra da Ca­ro­li­na do Sul, Nik­ki Ha­ley, cu­ja fa­mí­lia tem ori­gem na Ín­dia, es­co­lhi­da pa­ra ser a

Mai­o­ria da ad­mi­nis­tra­ção Trump é com­pos­ta por su­pre­ma­cis­tas bran­cos

no­va em­bai­xa­do­ra dos EUA na ONU, e a mi­li­o­ná­ria Betsy DeVos, uma das prin­ci­pais do­a­do­ras pa­ra cam­pa­nhas re­pu­bli­ca­nas. Es­ta úl­ti­ma é ir­mã de um dos do­nos da Blackwa­ter, em­pre­sa de se­gu­ran­ça pri­va­da acusada de gra­ves ir­re­gu­la­ri­da­des du­ran­te a ocu­pa­ção ame­ri­ca­na do Ira­que. A Blackwa­ter de­fen­de tam­bém o bom­bar­de­a­men­to das cos­tas da Lí­bia, co­mo for­ma de im­pe­dir a emi­gra­ção de re­fu­gi­a­dos afri­ca­nos e ára­bes pa­ra a Eu­ro­pa.

Agen­da do can­di­da­to, agen­da do Pre­si­den­te

Uma das mai­o­res e mais di­vul­ga­das pla­ta­for­mas da cam­pa­nha de Trump era a de re­pe­lir com­ple­ta­men­te as re­for­mas de saú­de pú­bli­ca fei­tas por Oba­ma. As mes­mas au­men­ta­ram a abran­gên­cia de pla­nos de saú­de no país, am­pli­an­do a co­ber­tu­ra pa­ra 10 mi­lhões de ame­ri­ca­nos. Trump usou os seus pri­mei­ros di­as na Sa­la Oval pa­ra emi­tir uma or­dem exe­cu­ti­va con­tra o pro­gra­ma. Na or­dem exe­cu­ti­va, Trump ins­trui que as agências fe­de­rais de­vem des­man­te­lar o ser­vi­ço, o que dá li­ber­da­de aos ór­gãos pa­ra mu­dar, atra­sar ou re­vo­gar as­pe­tos da lei que eles con­si­de­ram pre­ju­di­ci­ais às se­gu­ra­do­ras, mé­di­cos, es­ta­dos e pa­ci­en­tes. Trump tam­bém re­co­men­dou a cri­a­ção de um sis­te­ma de ven­da de se­gu­ro de saú­de en­tre es­ta­dos, a so­lu­ção pre­fe­ri­da dos re­pu­bli­ca­nos pa­ra subs­ti­tuir o Oba­ma­ca­re. Do­nald Trump tam­bém já cum­priu a pri­mei­ra das su­as pro­mes­sas elei­to­rais: re­ti­rou os EUA do Tra­ta­do de As­so­ci­a­ção Trans­pa­cí­fi­co (TPP, na si­gla em in­glês). A par­ce­ria ide­a­li­za­da por Ba­rack Oba­ma, que le­vou se­te anos pa­ra ser con­cre­ti­za­da, ti­nha 12 sig­na­tá­ri­os, en­tre eles paí­ses co­mo Ja­pão, Mé­xi­co, Ca­na­dá, Chi­le, Aus­trá­lia e Sin­ga­pu­ra. Era con­si­de­ra­do o mai­or acor­do co­mer­ci­al da His­tó­ria, mo­vi­men­tan­do eco­no­mi­as que so­ma­das re­pre­sen­tam 40% do PIB mun­di­al. O TPP tam­bém era vis­to co­mo uma ação por par­te dos EUA pa­ra en­fra­que­cer a eco­no­mia chi­ne­sa. For­ta­le­cen­do os

la­ços com ou­tros paí­ses do Pa­cí­fi­co – mui­tos de­les vi­zi­nhos da pró­pria Chi­na – o tra­ta­do tor­na­ria o co­mér­cio en­tre eles mais atra­ti­vo e com­pe­ti­ti­vo em re­la­ção a Pe­quim. Con­tu­do, a me­di­da já ge­ra­va crí­ti­cas du­ran­te o Go­ver­no de Oba­ma, com de­tra­to­res tan­to no Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no co­mo no De­mo­cra­ta. Ou­tra me­di­da ado­ta­da por Trump que te­ve uma gran­de re­per­cus­são me­diá­ti­ca foi a reins­tau­ra­ção de uma lei cri­a­da no go­ver­no de Ro­nald Re­a­gan e re­jei­ta­da du­ran­te o man­da­to de Oba­ma. Tra­ta­am­bi­en­te -se da proi­bi­ção de fi­nan­ci­a­men­to di­re­to por par­te do Go­ver­no ame­ri­ca­no da Or­ga­ni­za­ções Não Go­ver­na­men­tais (ONG) que re­a­li­zem abor­tos em paí­ses es­tran­gei­ros. Co­nhe­ci­da co­mo «Po­lí­ti­ca da Ci­da­de do Mé­xi­co» – lo­cal on­de Re­a­gan as­si­nou a lei – ela im­pe­de que as ONG que re­a­li­zem tra­ba­lhos en­vol­ven­do a even­tu­al prá­ti­ca de abor­tos re­ce­bam qual­quer ti­po de fi­nan­ci­a­men­to. Por ou­tro la­do, Do­nald Trump emi­tiu uma or­dem con­ge­lan­do to­das as con­tra­ta­ções fei­tas pe­lo go­ver­no fe­de­ral, até se­gun­da or­dem. A me­di­da é ou­tra pro­mes­sa fei­ta em cam­pa­nha pe­lo re­pu­bli­ca­no, que pro­me­teu «dre­nar o pân­ta­no» de Washing­ton e os gas­tos com o fun­ci­o­na­lis­mo pú­bli­co, que con­si­de­ra exa­ge­ra­dos. Se­gun­do as es­ti­ma­ti­vas, há mais de um mi­lhão de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos fe­de­rais nos Es­ta­dos Uni­dos. En­tre­tan­to, Trump fez uma ex­ce­ção, dei­xan­do os mi­li­ta­res de fo­ra. Uma das mais po­lé­mi­cas me­di­das de Trump, nos seus pri­mei­ros 10 di­as, foi a au­to­ri­za­ção, por in­ter­mé­dio de uma or­dem exe­cu­ti­va, do pro­je­to pa­ra a ex­pan­são de dois ole­o­du­tos, um en­tre os es­ta­dos do Da­ko­ta do Nor­te e Il­li­nois e ou­tro que vai do Oklaho­ma ao Ca­na­dá. A me­di­da é mal vis­ta, prin­ci­pal­men­te en­tre os se­to­res de pre­ser­va­ção do meio e das co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas. O pri­mei­ro gru­po crí­ti­ca o im­pac­to am­bi­en­tal das obras, e o se­gun­do ar­gu­men­ta que os du­tos pas­sam so­bre ter­ras sa­gra­das de an­ces­trais da et­nia Si­oux. Trump as­si­nou igual­men­te de­cre­tos pre­si­den­ci­ais pa­ra ati­var a cons­tru­ção de um pro­me­ti­do mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co, au­men­tar a fis­ca­li­za­ção mi­gra­tó­ria in­ter­na e pu­nir ci­da­des ame­ri­ca­nas que pro­te­gem imi­gran­tes em si­tu­a­ção ile­gal. Ele sus­pen­deu tem­po­ra­ri­a­men­te a en­tra­da da mai­or par­te dos re­fu­gi­a­dos, as­sim co­mo a con­ces­são de vis­tos pa­ra ci­da­dãos da Sí­ria e de ou­tros seis paí­ses do Mé­dio Ori­en­te e de Áfri­ca. Nos pri­mei­ros di­as de mar­ço, es­sa me­di­da ha­via si­do re­vo­ga­da pe­los tri­bu­nais e era ob­je­to de uma gran­de ba­ta­lha ju­di­ci­al.

Pri­mei­ras me­di­das de Trump vi­sam des­man­te­lar le­ga­do de Ba­rack Oba­ma

Am­bi­gui­da­des e dú­vi­das

En­quan­to, so­bre­tu­do na Eu­ro­pa, a in­te­lec­tu­a­li­da­de li­be­ral, de di­rei­ta ou de es­quer­da, acha que che­gou o fim do mun­do, al­gu­mas vo­zes pro­gres­sis­tas e ter­cei­ro-mun­dis­tas, in­cluin­do afri­ca­nas, ve­em com be­ne­vo­lên­cia, no mí­ni­mo, a elei­ção de Do­nald Trump pa­ra Pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos. Pa­ra es­sas cor­ren­tes, o pro­te­ci­o­nis­mo de­fen­di­do pe­lo no­vo Pre­si­den­te ame­ri­ca­no de­mons­tra que, afi­nal, há uma saí­da pa­ra a glo­ba­li­za­ção «in­jus­ta» em mar­cha des­de me­a­dos dos anos 80 do sé­cu­lo pas­sa­do. Por ou­tro la­do, acre­di­tam que o mo­vi­men­to cen­trí­pe­to de­sen­ca­de­a­do por Trump fa­rá com que os EUA se con­cen­trem na sua si­tu­a­ção in­ter­na, abran­dan­do, pe­lo me­nos, a sua ten­dên­cia «im­pe­ri­al» de se­rem os po­lí­ci­as do mun­do, co­mo acon­te­ceu, ape­nas pa­ra men­ci­o­nar os pe­río­dos mais re­cen­tes, nas ad­mi­nis­tra­ções de Re­a­gan, Clin­ton e Bush, ou en­tão os pro­mo­to­res uni­ver­sais da de­mo­cra­cia, mes­mo à ba­la ou à cus­ta da de­ses­ta­bi­li­za­ção e da des­trui­ção

Sis­te­ma Ame­ri­ca­no já co­me­çou a ser pos­to à pro­va di­an­te do es­ti­lo de go­ver­na­ção de Trump

de es­ta­dos in­tei­ros, co­mo su­ce­deu na era Oba­ma, com as «re­vo­lu­ções co­lo­ri­das» e as «pri­ma­ve­ras ára­bes». O tem­po di­rá qual das du­as vi­sões es­tá cor­re­ta. De fac­to, pou­co mais de 10 di­as de­pois da en­tra­da em fun­ções da ad­mi­nis­tra­ção Trump, é ob­vi­a­men­te pre­ma­tu­ro fa­lar na mor­te da or­dem in­ter­na­ci­o­nal pós-II Gu­er­ra Mun­di­al ou, mais apro­pri­a­da­men­te, pós-Mu­ro de Ber­lim. Se é ver­da­de que o no­vo Pre­si­den­te tem to­ma­do me­di­das que cor­res­pon­dem a al­gu­mas das su­as pro­mes­sas elei­to­rais mais me­diá­ti­cas e «in­cen­diá­ri­as», a con­du­ta da no­va ad­mi­nis­tra­ção es­tá re­ple­ta de am­bi­gui­da­des e con­tra­di­ções que fa­zem pen­sar.

O mun­do pre­ci­sa de com­pre­en­der bem os no­vos ru­mos da po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na

Por exem­plo, en­quan­to Trump afir­ma que «a NATO es­tá ob­so­le­ta» ou faz elo­gi­os a Pu­tin, des­va­lo­ri­zan­do uma su­pos­ta «ame­a­ça» rus­sa, o che­fe do Pen­tá­go­no, equi­va­len­te a mi­nis­tro da De­fe­sa, ge­ne­ral Ja­mes Mat­tis, que ele es­co­lheu, con­si­de­rou a or­ga­ni­za­ção mi­li­tar atlân­ti­ca um pi­lar ine­go­ciá­vel das ali­an­ças ame­ri­ca­nas. Por ou­tro la­do, vai des­lo­car-se à Co­reia do Sul e ao Ja­pão, na­que­la que é a pri­mei­ra vi­si­ta ao ex­te­ri­or de um mem­bro da no­va ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na, pa­ra sos­se­gar os ali­a­dos asiá­ti­cos que tre­me­ram com as «bo­cas» de Trump na cam­pa­nha. Além dis­so, Mat­tis con­si­de­rou o re­gi­me rus­so uma ame­a­ça à se­gu­ran­ça dos EUA. Por seu tur­no, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Rex Til­ler­son, afir­mou no Se­na­do que era «jus­to» di­zer que Mos­co­vo es­te­ve na ori­gem dos ci­ber-ata­ques ao Par­ti­do De­mo­cra­ta e que os ali­a­dos da NATO «têm ra­zão em es­tar alar­ma­dos» pe­ran­te uma Rús­sia res­sur­gen­te. Ou­tro exem­plo das atu­ais con­tra­di­ções da ad­mi­nis­tra­ção Trump: es­te quer des­fa­zer uma sé­rie de acor­dos co­mer­ci­ais mul­ti­la­te­rais já as­si­na­dos e até ra­ti­fi­ca­dos, mas, ao mes­mo tem­po, tam­bém quer ce­le­brar acor­dos bi­la­te­rais, na­tu­ral­men­te sem­pre mais van­ta­jo­sos pa­ra os EUA, o que, se o afas­ta do ter­re­no mul­ti­la­te­ral, não re­ti­ra ne­ces­sa­ri­a­men­te a mai­or po­tên­cia mun­di­al das re­la­ções co­mer­ci­ais glo­bais. É le­gí­ti­mo per­gun­tar, por­tan­to, se ele é mes­mo um pro­te­ci­o­nis­ta ge­nuí­no ou não. Em su­ma, se, in­ter­na­men­te, o sis­te­ma ame­ri­ca­no, de­se­nha­do pa­ra im­pe­dir ou li­mi­tar o exer­cí­cio au­to­ri­tá­rio do po­der, já co­me­çou a ser pos­to à pro­va, é vi­tal, ex­ter­na­men­te, acom­pa­nhar mui­to de per­to, além das apa­rên­ci­as e do Twit­ter, os no­vos ru­mos da po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na. Afi­nal, o que é de­ci­di­do em Washing­ton tem uma im­por­tân­cia de­ter­mi­nan­te pa­ra to­do o mun­do.

Car­taz nu­ma ma­ni­fes­ta­ção con­tra a proi­bi­ção de en­tra­da de mu­çul­ma­nos: «2/3 das mu­lhe­res de Trump são imi­gran­tes, pro­van­do, uma vez mais, que pre­ci­sa­mos de imi­gran­tes pa­ra fa­zer tra­ba­lhos que os ame­ri­ca­nos não que­rem fa­zer»

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.