CRÓ­NI­CA DA TER­RA

Na mi­nha úl­ti­ma Cró­ni­ca da Ter­ra de­fen­di que era ur­gen­te e ina­diá­vel um de­ba­te so­bre o sig­ni­fi­ca­do e o pa­pel do Es­ta­do nas con­di­ções de An­go­la co­mo pon­to pré­vio a qual­quer re­fle­xão so­bre o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e de Di­rei­to.

Africa21 - - Aos Leitores - Fer­nan­do Pa­che­co

Nos úl­ti­mos tem­pos, fa­ce aos de­sen­vol­vi­men­tos po­lí­ti­cos em vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos, a que se jun­ta o trá­gi­co ca­so da Gâm­bia, vem au­men­tan­do o nú­me­ro de vo­zes no con­ti­nen­te que ques­ti­o­nam o mo­do co­mo os seus paí­ses ten­ta­ram abra­çar a de­mo­cra­cia e ago­ra tam­bém o Es­ta­do de Di­rei­to. Des­de o prin­cí­pio da dé­ca­da de 90, em di­ver­sas in­ter­ven­ções, te­nho pos­to em cau­sa o ti­po de de­mo­cra­cia ado­ta­do por An­go­la na sequên­cia dos acor­dos de paz de 1991 e o mo­do co­mo foi or­ga­ni­za­do o Es­ta­do, prin­ci­pal­men­te no que res­pei­ta ao po­der lo­cal, e tra­ta­da a ques­tão das cha­ma­das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, pois es­se as­pe­to é de­ter­mi­nan­te pa­ra a apro­xi­ma­ção en­tre as ins­ti­tui­ções e os ci­da­dãos e pa­ra a par­ti­ci­pa­ção des­tes na vi­da po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país. O re­gi­me de par­ti­do úni­co e a exis­tên­cia de um Es­ta­do for­te e cen­tra­li­za­do, ca­paz de in­te­grar as di­ver­si­da­des exis­ten­tes, cor­ri­gir as in­jus­ti­ças do pas­sa­do e ace­le­rar o de­sen­vol­vi­men­to afi­gu­ra­vam-se atra­ti­vos no pe­río­do ime­di­a­ta­men­te pos­te­ri­or às in­de­pen­dên­ci­as dos paí­ses afri­ca­nos – e An­go­la não fu­giu à re­gra. Mas ra­pi­da­men­te se re­ve­la­ram de­sa­de­qua­dos e res­pon­sá­veis, em gran­de me­di­da, pe­la pro­mo­ção do ne­po­tis­mo e da cor­rup­ção, pe­lo apro­fun­da­men­to das de­si­gual­da­des e, não ra­ra­men­te, pe­la ocor­rên­cia de con­fli­tos in­ter­nos e re­gi­o­nais. As in­jus­tas re­la­ções eco­nó­mi­cas in­ter­na­ci­o­nais en­tre paí­ses de­sen­vol­vi­dos e sub­de­sen­vol­vi­dos de­ram um for­te con­tri­bu­to pa­ra is­so, sem que os afri­ca­nos ti­ves­sem mos­tra­do com­pe­tên­cia e von­ta­de po­lí­ti­ca pa­ra a mu­dan­ça do es­ta­do de coi­sas. Não de­ve­ria ha­ver dú­vi­das, pois, so­bre a ne­ces­si­da­de de se en­con­tra­rem al­ter­na­ti­vas. Mas tu­do in­di­ca que elas, as dú­vi­das, exis­tem. Des­de lo­go em ter­mos de von­ta­de po­lí­ti­ca pa­ra a mu­dan­ça. As eli­tes no po­der sen­tem-se bem, em si­tu­a­ção de con­for­to, e pou­co pre­o­cu­pa­das com os ní­veis de po­bre­za e de de­si­gual­da­de em que vi­ve o «seu» po­vo – sim, por­que as eli­tes com­por­tam-se co­mo se o po­vo fos­se sua pro­pri­e­da­de e não he­si­tam em di­zê-lo – ex­ce­to quan­do há elei­ções, daí que se de­fen­da a ma­nu­ten­ção do sta­tus quo re­cor­ren­do-se com frequên­cia à ame­a­ça da gu­er­ra e da ins­ta­bi­li­da­de, sem se da­rem con­ta que são elas pró­pri­as que, com as su­as po­lí­ti­cas e prá­ti­cas, pro­por­ci­o­nam o fer­men­to da vi­o­lên­cia. Por ou­tro la­do, a pro­cu­ra de al­ter­na­ti­vas po­lí­ti­cas pa­ra um de­sen­vol­vi­men­to mais jus­to e hu­ma­no te­ria de ser su­por­ta­da no co­nhe­ci­men­to e no de­ba­te – e es­tas não são cau­sas sim­pá­ti­cas às eli­tes afri­ca­nas. Bas­ta ve­ri­fi­car os ní­veis de gas­tos com a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca nos res­pe­ti­vos Or­ça­men­tos de Es­ta­do, e An­go­la, aqui tam­bém, não fo­ge à re­gra, an­tes pe­lo con­trá­rio. O re­sul­ta­do dis­to é o enor­me atra­so das ci­ên­ci­as so­ci­ais em Áfri­ca em ge­ral e em An­go­la em par­ti­cu­lar, que se re­ve­la nos as­pe­tos mais ele­men­ta­res, bas­ta acom­pa­nhar a po­bre­za da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al an­go­la­na. Re­cor­do o con­teú­do de par­te de um tex­to meu es­cri­to na dé­ca­da de 90 ci­tan­do Alan Fo­wler e que me pa­re­ce ain­da bas­tan­te per­ti­nen­te. Se­gun­do es­te au­tor, o es­ti­lo de de­mo­cra­cia «glo­bal» que ga­nhou for­ça com a or­dem po­lí­ti­ca emer­gen­te do fi­nal da gu­er­ra fria as­sen­ta (i) nu­ma ba­se ma­te­ri­al ex­pres­sa por um sis­te­ma co­di­fi­ca­do de re­la­ções eco­nó­mi­cas e so­ci­ais de ti­po ca­pi­ta­lis­ta e ne­o­li­be­ral; (ii) nu­ma ba­se or­ga­ni­za­ti­va in­te­gra­da por um con­jun­to de or­ga­ni­za­ções e ins­ti­tui­ções for­mais si­tu­a­das en­tre a fa­mí­lia e o Es­ta­do, mer­gu­lha­das nu­ma ló­gi­ca de mer­ca­do; e nu­ma ex­pres­são ide­o­ló­gi­ca as­sen­te na in­vi­o­la­bi­li­da-

de dos di­rei­tos hu­ma­nos in­di­vi­du­ais e no pa­pel e na re­gu­la­men­ta­ção da lei. Ora, es­te es­ti­lo não po­de­ria ser to­tal­men­te apli­cá­vel a so­ci­e­da­des co­mo a an­go­la­na de ho­je, on­de par­te sig­ni­fi­ca­ti­va da ba­se ma­te­ri­al é he­te­ro­gé­nea, com ele­men­tos do se­tor fa­mi­li­ar e «in­for­mal», ou pré-ca­pi­ta­lis­ta, com ca­rác­ter pre­cá­rio, pou­co ou na­da in­te­gra­dos nu­ma eco­no­mia de mer­ca­do «ofi­ci­al» ain­da pou­co es­tru­tu­ra­da e ex­tre­ma­men­te de­pen­den­te de um se­tor pe­tro­lí­fe­ro que tu­do do­mi­na e vi­cia, pos­si­bi­li­tan­do até a cri­a­ção de ver­da­dei­ros Es­ta­dos pa­ra­le­los. Do pon­to de vis­ta or­ga­ni­za­ci­o­nal, o in­for­ma­lis­mo ou o não-for­ma­lis­mo, o pa­ren­tes­co e, por ve­zes, a et­ni­ci­da­de – ain­da que, por ve­zes, de mo­do cap­ci­o­so – de­sem­pe­nham um pa­pel mui­to re­le­van­te no pro­ta­go­nis­mo das for­ças so­ci­ais, na or­ga­ni­za­ção da vi­da as­so­ci­a­ti­va e na ex­pres­são de in­te­res­ses, com o Es­ta­do a ig­no­rar o se­tor in­for­mal que sus­ten­ta a mai­o­ria dos ci­da­dãos, mas a pro­mo­ver gru­pos for­ma­li­za­dos co­mo as­so­ci­a­ções eco­nó­mi­cas e so­ci­o­pro­fis­si­o­nais e or­ga­ni­za­ções po­lí­ti­cas, so­ci­ais e re­li­gi­o­sas fre­quen­te­men­te com pou­ca re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de ou le­gi­ti­mi­da­de pa­ra fa­vo­re­cer ou ne­go­ci­ar a par­ti­ci­pa­ção dos ci­da­dãos. Fi­nal­men­te, em re­la­ção à ide­o­lo­gia, ve­ri­fi­ca-se a con­vi­vên­cia do res­pei­to pe­los va­lo­res co­le­ti­vos, pe­las so­li­da­ri­e­da­des, pe­las nor­mas de pa­ren­tes­co e pe­las cren­ças má­gi­co-re­li­gi­o­sas, com o in­di­vi­du­a­lis­mo, ca­rac­te­rís­ti­co de uma so­ci­e­da­de e de uma eco­no­mia aber­tas a (e in­flu­en­ci­a­das por) de­ter­mi­na­das mo­der­ni­da­des. Tu­do is­so le­va a am­bi­gui­da­des e in­co­e­rên­ci­as le­gais, com o re­la­ci­o­na­men­to en­tre as ins­ti­tui­ções re­al­men­te exis­ten­tes a fa­zer-se, fre­quen­te­men­te, à mar­gem da Cons­ti­tui­ção, das leis e das ins­ti­tui­ções, pois es­tas e os mo­dos de go­ver­na­ção não têm cor­res­pon­dên­cia na prá­ti­ca quo­ti­di­a­na. No ca­so de An­go­la is­to ex­pli­ca, en­tre ou­tros fe­nó­me­nos, o com­por­ta­men­to dos tri­bu­nais, tan­to na so­lu­ção dos con­fli­tos do fo­ro co­mum, co­mo na ar­bi­tra­gem de ca­sos eco­nó­mi­cos, em­pre­sa­ri­ais e la­bo­rais. Ex­pli­ca tam­bém a fal­ta de au­to­ri­da­de das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do em ge­ral em fa­zer cum­prir as leis, bem co­mo a pro­mis­cui­da­de en­tre po­lí­ti­ca e ne­gó­ci­os e a cor­rup­ção que mi­na qua­se to­da a vi­da eco­nó­mi­ca e so­ci­al. Ex­pli­ca ain­da o mo­do co­mo a so­ci­e­da­de em ge­ral se dei­xou apri­si­o­nar pe­la par­ti­da­ri­za­ção de tu­do o que faz mo­ver o país, bem co­mo a des­con­fi­an­ça en­tre os ci­da­dãos e as ins­ti­tui­ções de que re­sul­tam as con­tes­ta­ções aos pro­ces­sos elei­to­rais e aos re­sul­ta­dos das elei­ções e a ou­tras de­ci­sões dos tri­bu­nais. Da­qui re­sul­ta a mi­nha pre­o­cu­pa­ção com o mo­do co­mo ho­je se ques­ti­o­nam cer­tas con­quis­tas da hu­ma­ni­da­de. Com to­dos os seus de­fei­tos, e sa­ben­do que a sua cons­tru­ção te­ve o su­por­te de gra­ves in­jus­ti­ças se­cu­la­res em re­la­ção a ou­tros po­vos, as­su­mo que o Es­ta­do So­ci­al Eu­ro­peu, em ter­mos ge­né­ri­cos, re­pre­sen­ta o mai­or avan­ço em con­quis­tas da hu­ma­ni­da­de, no­me­a­da­men­te no que res­pei­ta à de­mo­cra­cia e ao equi­lí­brio en­tre di­rei­tos cí­vi­cos e po­lí­ti­cos dos ci­da­dãos, por um la­do, e di­rei­tos eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais, por ou­tro. O po­pu­lis­mo em mo­da, apli­ca­do a Áfri­ca, po­de pôr em cau­sa a apli­ca­ção des­tas con­quis­tas de mo­do cri­a­ti­vo à re­a­li­da­de e às con­di­ções de ca­da país na sua di­ver­si­da­de e de ca­da re­gião do con­ti­nen­te. Pa­ra is­so é cru­ci­al uma apos­ta sé­ria na edu­ca­ção e na va­lo­ri­za­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos.

O po­pu­lis­mo em mo­da, apli­ca­do a Áfri­ca, po­de pôr em cau­sa a apli­ca­ção das con­quis­tas de mo­do cri­a­ti­vo à re­a­li­da­de e às con­di­ções de ca­da país na sua di­ver­si­da­de e de ca­da re­gião do con­ti­nen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.