AU­TOR CON­VI­DA­DO

A qua­li­da­de da Des­pe­sa Pú­bli­ca é uma das pre­o­cu­pa­ções cen­trais do Exe­cu­ti­vo. No ar­ran­que de mais um ano, im­por­ta fi­xar os pres­su­pos­tos pa­ra a boa exe­cu­ção da Des­pe­sa pre­vis­ta no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) de 2017. O ob­je­ti­vo des­te ar­ti­go é afir­mar os

Africa21 - - Aos Leitores - Ar­cher Man­guei­ra

OE­xe­cu­ti­vo tem pro­mo­vi­do e par­ti­ci­pa­do nos tem­pos mais re­cen­tes em inú­me­ras ini­ci­a­ti­vas des­ti­na­das a di­fun­dir bo­as prá­ti­cas na exe­cu­ção da Des­pe­sa. Des­ta­co os se­mi­ná­ri­os so­bre a Exe­cu­ção da Des­pe­sa Pú­bli­ca no Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do 2017, realizados no dia 16 de ja­nei­ro e des­ti­na­dos aos mais al­tos res­pon­sá­veis pe­las Uni­da­des Or­ça­men­tais (UO) e En­ti­da­des Pú­bli­cas Con­tra­tan­tes (EPC), e o II Con­gres­so In­ter­na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca, que de­cor­reu em Lu­an­da nos pas­sa­dos di­as 16 a 18 de no­vem­bro, bus­can­do par­ti­lhar co­nhe­ci­men­tos e ex­pe­ri­ên­ci­as que le­vem à pro­mo­ção do cres­ci­men­to da eco­no­mia as­sen­te nu­ma con­tra­ta­ção pú­bli­ca sus­ten­tá­vel, in­te­li­gen­te e ino­va­do­ra. Mais re­cen­te­men­te, o Oi­ta­vo Con­se­lho Con­sul­ti­vo do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, re­a­li­za­do na ci­da­de do Lo­bi­to, en­tre 26 e 28 de ja­nei­ro, de­di­cou uma par­ce­la im­por­tan­te dos seus de­ba­tes à con­so­li­da­ção de uma cul­tu­ra ins­ti­tu­ci­o­nal cen­tra­da no ri­gor e na trans­pa­rên­cia da ges­tão da coi­sa pú­bli­ca, con­di­ção si­ne qua non pa­ra que os qua­dros do MINFIN e dos or­ga­nis­mos tu­te­la­dos se­jam ver­da­dei­ros par­tí­ci­pes na cau­sa da qua­li­da­de da Des­pe­sa. Ou­tras ini­ci­a­ti­vas têm si­do re­a­li­za­das pe­lo Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca1 jun­to dos qua­dros dos mais va­ri­a­dos De­par­ta­men­tos Mi­nis­te­ri­ais, Tri­bu­nais Su­pe­ri­o­res, Ga­bi­ne­tes Pro­vin­ci­ais, Ins­ti­tu­tos Pú­bli­cos e Em­pre­sas Pú­bli­cas, pro­cu­ran­do ca­pa­ci­tá-los pa­ra as dis­po­si­ções pre­vis­tas na Lei 9/16, de 16 de ju­nho (Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos) e no De­cre­to Pre­si­den­ci­al 1/17, de 3 de ja­nei­ro, que Apro­va as Re­gras Anu­ais de Exe­cu­ção do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do. A con­tra­ta­ção pú­bli­ca é, sem dú­vi­da, um as­pe­to cen­tral pa­ra a ga­ran­tia da boa exe­cu­ção da Des­pe­sa. O atu­al re­gi­me ju­rí­di­co da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca re­fle­te, por is­so, as as­pi­ra­ções e pre­o­cu­pa­ções es­tra­té­gi­cas do Go­ver­no An­go­la­no no sen­ti­do de tor­nar ope­ra­cio- nal o Mer­ca­do da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca, en­quan­to es­pa­ço pri­vi­le­gi­a­do pa­ra a ma­te­ri­a­li­za­ção das po­lí­ti­cas de uti­li­za­ção efi­ci­en­te e trans­pa­ren­te dos re­cur­sos. De en­tre os dis­po­si­ti­vos le­gais que vi­sam as­se­gu­rar uma me­lhor qua­li­da­de na exe­cu­ção da Des­pe­sa, des­ta­ca-se efe­ti­va­men­te a no­va ver­são da Lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos, que in­tro­duz me­lho­ri­as a vá­ri­os ní­veis, com os se­guin­tes ob­je­ti­vos con­cre­tos: • Em pri­mei­ro lu­gar, con­fe­rir uma mai­or sim­pli­fi­ca­ção de pro­ces­sos aos pro­ce­di­men­tos con­cur­sais; • De­pois, pro­mo­ver a con­cor­rên­cia, cri­an­do ver­da­dei­ra­men­te um Mer­ca­do da Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca; • Nes­se mer­ca­do, con­fe­rir al­gu­ma pro­te­ção ao em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal, na me­di­da em que ca­der­nos de en­car­gos a par­tir de um de­ter­mi­na­do mon­tan­te pas­sam, obri­ga­to­ri­a­men­te, a ter de sub­con­tra­tar bens e ser­vi­ços de mi­cro, pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas; • Ao mes­mo tem­po, es­ti­mu­lar me­di­das de pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e po­lí­ti­cas de res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e saú­de pú­bli­ca; • Por úl­ti­mo, in­tro­du­zir me­ca­nis­mos de con­tro­lo e ga­ran­ti­as de exe­cu­ção da pró­pria lei. Pa­ra se ter uma ideia da mag­ni­tu­de dos efei­tos que po­dem ad­vir da sua apli­ca­ção mais ade­qua­da, re­gis­ta-se o fac­to de o OGE 2017 pre­ver des­pe­sas em bens e ser­vi­ços e for­ma­ção de ca­pi­tal fi­xo – de­sem­bol­sos nor­mal­men­te su­jei­tos a me­ca­nis­mo de con­tra­ta­ção pú­bli­ca – de va­lor equi­va­len­te a cer­ca de 11.500 mi­lhões de dó­la­res. Ora, se con­se­guir­mos pro­ce­di­men­tos con­cur­sais e con­tra­tu­ais que pro­du­zam um ga­nho de efi­ci­ên­cia fi­nan­cei­ra de ape­nas um em ca­da cem kwan­zas, o Go­ver­no pou­pa­rá per­to de 150 mi­lhões de dó­la­res. Se con­se­guir­mos um ga­nho de 5%, pou­pa­re­mos mais de 570 mi­lhões de dó­la­res.

O Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca é um or­ga­nis­mo su­pe­rin­ten­di­do pe­lo Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, res­pon­sá­vel pe­la re­gu­la­ção e su­per­vi­são do mer­ca­do da con­tra­ta­ção pú­bli­ca.

Uma cor­re­ta pla­ni­fi­ca­ção das aqui­si­ções de bens e ser­vi­ços é as­sim fun­da­men­tal pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de da Des­pe­sa Pú­bli­ca, com im­pac­to na sua re­du­ção e con­tro­lo, pois per­mi­te a iden­ti­fi­ca­ção de pri­o­ri­da­des e po­ten­ci­ais pou­pan­ças. Nes­se sen­ti­do, uma das fer­ra­men­tas de que as EPC dis­põem pa­ra a ob­ten­ção de im­por­tan­tes eco­no­mi­as de es­ca­la são os Acor­dos-Qua­dro, des­ti­na­dos à aqui­si­ção de bens e ser­vi­ços trans­ver­sais e de con­su­mo cor­ren­te. Ao lon­go da exe­cu­ção do OGE 2017, a par­ti­ci­pa­ção das EPC nos Acor­dos-Qua­dro pas­sa­rá, pro­gres­si­va­men­te, a ser obri­ga­tó­ria. Tam­bém ao lon­go da exe­cu­ção do OGE 2017, o Mi­nis­té­rio in­cen­ti­va­rá ca­da uma das EPC a ela­bo­rar o seu Pla­no Anu­al de Con­tra­ta­ção, com o apoio do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca, ex­pli­ci­tan­do os bens e ser­vi­ços a ad­qui­rir, os res­pe­ti­vos va­lo­res pre­vis­tos, quan­ti­da­des mí­ni­mas, aqui­si­ções pri­o­ri­tá­ri­as e pos­sí­veis for­ne­ce­do­res. Es­ta in­for­ma­ção pas­sa­rá a ser pu­bli­ca­da no Por­tal da Con­tra­ta­ção e, uma vez em pos­se da in­for­ma­ção agre­ga­da, o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Con­tra­ta­ção Pú­bli­ca irá pro­ce­der às ações de acom­pa­nha­men­to, ca­pa­ci­ta­ção e fis­ca­li­za­ção, con­tri­buin­do pa­ra que não ha­ja der­ra­pa­gens na exe­cu­ção des­sa des­pe­sa e pa­ra a ge­ra­ção de eco­no­mi­as de es­ca­la atra­vés da ce­le­bra­ção de Acor­dos-Qua­dro. Mas a boa exe­cu­ção da Des­pe­sa não con­sis­te ape­nas em con­tra­tar os mes­mos bens e ser­vi­ços por me­nos di­nhei­ro. O que ver­da­dei­ra­men­te con­ta é a ob­ten­ção de uma re­la­ção pre­ço-qua­li­da­de que mi­ni­mi­ze o in­ves­ti­men­to re­cor­ren­te em ma­nu­ten­ção e subs­ti­tui­ção de equi­pa­men­tos e in­fra­es­tru­tu­ras, que as­se­gu­re ta­xas mais bai­xas de de­pre­ci­a­ção dos ati­vos con­tra­ta­dos, que ga­ran­ta o au­men­to do tem­po de vi­da dos bens ge­ra­dos e, con­se­quen­te­men­te, que ob­te­nha ta­xas mais ele­va­das de acu­mu­la­ção de ca­pi­tal, o que re­sul­ta em cres­ci­men­to eco­nó­mi­co. A apli­ca­ção efi­ci­en­te e efi­caz dos re­cur­sos por par­te do Es­ta­do – di­to de ou­tra for­ma: a qua­li­da­de da Des­pe­sa Pú­bli­ca – é, sem dú­vi­da, ge­ra­do­ra de efi­ci­ên­cia e efi­cá­cia nas mais di­ver­sas ca­dei­as de va­lor da eco­no­mia na­ci­o­nal. Os re­cur­sos que são des­per­di­ça­dos pe­lo Es­ta­do só mui­to mar­gi­nal­men­te é que en­tram na cri­a­ção de ri­que­za agre­ga­da – e, quan­do is­so acon­te­ce, é nor­mal­men­te pe­lo la­do do con­su­mo, que tem a sua im­por­tân­cia, mas não é o prin­ci­pal fa­tor do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­ta­do. Por­tan­to, o ob­je­ti­vo de con­tro­lar, dis­ci­pli­nar e con­fe­rir to­do o ri­gor à exe­cu­ção da Des­pe­sa Pú­bli­ca não é ape­nas pa­ra que, no fi­nal do ano, os nú­me­ros qua­drem com aqui­lo que es­ta­va pre­vis­to. Is­so é im­por­tan­te, mas não é tu­do. Gas­tar bem os re­cur­sos do Es­ta­do tem aci­ma de tu­do o efei­to de ge­rar efi­ci­ên­cia em to­do o te­ci­do eco­nó­mi­co, a ju­san­te e a mon­tan­te da in­ter­ven­ção das En­ti­da­des Pú­bli­cas Con­tra­tan­tes. Por fim, e num qua­dro em que a fis­ca­li­da­de não-pe­tro­lí­fe­ra de­sem­pe­nha um pa­pel ca­da vez mais im­por­tan­te pa­ra o equi­lí­brio dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res ma­cro­e­co­nó­mi­cos, é do res­pei­to pe­los Con­tri­buin­tes que se tra­ta quan­do cui­da­mos da boa exe­cu­ção da Des­pe­sa Pú­bli­ca. To­do o es­for­ço es­tá, por­tan­to, a ser fei­to pa­ra au­men­tar a trans­pa­rên­cia da ges­tão pú­bli­ca, re­du­zir os des­per­dí­ci­os e me­lho­rar o ní­vel de res­pon­sa­bi­li­za­ção, ge­ran­do in­for­ma­ção fi­nan­cei­ra e eco­nó­mi­ca em tem­po opor­tu­no – se pos­sí­vel em tem­po re­al – e com ca­da vez mai­or qua­li­da­de. Ho­je, mais do que nun­ca, te­mos de es­tar em con­di­ções de res­pon­der pe­ran­te os de­mais po­de­res pú­bli­cos e pe­ran­te os Con­tri­buin­tes so­bre qu­an­to se gas­ta, on­de se gas­ta, co­mo se gas­ta, quem gas­ta, quan­do gas­ta e por­que é que se gas­ta o di­nhei­ro pú­bli­co.

A con­tra­ta­ção pú­bli­ca é um as­pe­to cen­tral pa­ra a ga­ran­tia da boa exe­cu­ção da Des­pe­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.