ME­MÓ­RIA

Má­rio So­a­res

Africa21 - - Aos Leitores - Te­re­sa Sou­to

«T odos es­ti­ve­ram al­gu­ma vez ao la­do de­le e con­tra ele. Ao mes­mo tem­po, to­dos lhe re­co­nhe­cem a le­al­da­de com os ad­ver­sá­ri­os e a to­le­rân­cia com a di­fe­ren­ça», dis­se Fer­ro Rodrigues, pre­si­den­te da As­sem­bleia da Re­pú­bli­ca, na lei­tu­ra do vo­to de pe­sar que abriu a ce­ri­mó­nia de ho­me­na­gem a Má­rio So­a­res no Par­la­men­to. Às ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres, re­a­li­za­das no Mos­tei­ro dos Je­ró­ni­mos em Lis­boa, com­pa­re­ce­ram lí­de­res de vá­ri­as ge­o­gra­fi­as mun­di­ais, en­tre eles di­ver­sos che­fes de Es­ta­do, co­mo Mi­chel Te­mer (Bra­sil), Jo­sé Má­rio Vaz (Gui­né-Bis­sau), Jor­ge Car­los Fon­se­ca (Ca­bo Ver­de), en­tre mui­tos ou­tros go­ver­nan­tes. Cen­te­nas de pes­so­as vi­e­ram apre­sen­tar cum­pri­men­tos, mi­lha­res pas­sa­ram pe­la se­de do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta pa­ra as­si­nar o li­vro de con­do­lên­ci­as e fo­ram ou­tros tan­tos os que, nas ru­as de Lis­boa, acom­pa­nha­ram o cor­te­jo, na se­gun­da e ter­ça-fei­ra, os pri­mei­ros dois de três di­as de lu­to na­ci­o­nal, gri­tan­do, co­mo há 40 anos, «So­a­res, ami­go, o po­vo es­tá con­ti­go». Li­cen­ci­a­do em Ci­ên­ci­as His­tó­ri­co-Fi­lo­só­fi­cas, pri­mei­ro, e de­pois em Di­rei­to, Má­rio Al­ber­to No­bre Lo­pes So­a­res foi ad­vo­ga­do de di­ver­sos pre­sos po­lí­ti­cos e opo­si­to­res ao re­gi­me de Sa­la­zar. An­te­ri­or­men­te, du­ran­te o seu pe­río­do aca­dé­mi­co, in­te­gra­ra di­ver­sos mo­vi­men­tos de con­tes­ta­ção ao Es-

ta­do No­vo. Es­te­ve pre­so 12 ve­zes – che­gan­do a ca­sar-se com Ma­ria Bar­ro­so num dos seus pe­río­dos de de­ten­ção. Foi de­por­ta­do pa­ra São To­mé e Prín­ci­pe, em 1968, e for­ça­do ao exí­lio, em 1970. Em Fran­ça, foi di­re­tor de cur­so em du­as uni­ver­si­da­des, e é aí que publica, em 1972, o seu pri­mei­ro li­vro. Por­tu­gal Amor­da­ça­do se­rá tra­du­zi­do pa­ra di­ver­sas lín­guas, mas só pu­bli­ca­do em Por­tu­gal já de­pois da di­ta­du­ra. Fun­dou o Par­ti­do So­ci­a­lis­ta, do qual foi o pri­mei­ro se­cre­tá­rio-ge­ral, lo­go após o nascimento do par­ti­do em 1973, na Ale­ma­nha. Re­gres­sou a Lis­boa três di­as de­pois da Re­vo­lu­ção dos Cra­vos e ini­ci­ou uma car­rei­ra po­lí­ti­ca que ter­mi­na­ria efe­ti­va­men­te só em 2005, quan­do se can­di­da­tou uma úl­ti­ma vez à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, ten­do con­se­gui­do ape­nas o ter­cei­ro lu­gar na vo­ta­ção. No Por­tu­gal de­mo­crá­ti­co, co­me­çou por in­te­grar os pri­mei­ros go­ver­nos pro­vi­só­ri­os, co­mo mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros e mi­nis­tro sem pas­ta. Foi pri­mei­ro-mi­nis­tro por três ve­zes (1976-77; 1978; 1983-85), du­as das quais fi­ca­ram mar­ca­das por pe­di­dos de as­sis­tên­cia fi­nan­cei­ra ao Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal. É tam­bém co­mo pri­mei­ro-mi­nis­tro que, em 1977, faz o pe­di­do de ade­são de Por­tu­gal à en­tão CEE – Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca Eu­ro­peia, ten­do as­si­na­do o tra­ta­do de ade­são em 1985. Se­gui­ram-se os dois man­da­tos co­mo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca (1986-1996) – o pri­mei­ro ci­vil a ocu­par o car­go de­pois do 25 de Abril. Pos­te­ri­or­men­te, foi de­pu­ta­do ao Par­la­men­to Eu­ro­peu.

Da «in­de­pen­dên­cia pura e sim­ples» à «des­co­lo­ni­za­ção pos­sí­vel»

So­a­res, mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros do pri­mei­ro go­ver­no pro­vi­só­rio pós25 de Abril, no­me­a­do pe­la Jun­ta de Sal­va­ção Na­ci­o­nal, de­fen­deu pa­ra as en­tão co­ló­ni­as «a in­de­pen­dên­cia pura e sim­ples» (Newswe­ek, 13 de maio de 1974), o que aca­bou por lhe va­ler di­ver­sas crí­ti­cas, des­de a si­tu­a­ção ge­ra­da pe­lo re­tor­no mas­si­vo de por­tu­gue­ses das ex-co­ló­ni­as, so­bre­tu­do de An­go­la e Mo­çam­bi­que, às guer­ras ci­vis que eclo­di­ram du­ran­te o pe­río­do de li­ber­ta­ção. Mais tar­de, di­rá vá­ri­as ve­zes que foi a «des­co­lo­ni­za­ção pos­sí­vel». Lo­go a se­guir à re­vo­lu­ção, So­a­res co­me­ça a en­con­trar-se com lí­de­res dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção. Em Bru­xe­las, a 2 de maio, es­te­ve com Agos­ti­nho Ne­to, re­pre­sen­tan­te do MPLA. Nes­se mes­mo mês, a 16, reu­niu-se em Da­kar com Aris­ti­des Pe­rei­ra (PAIGC), ten­do si­do acor­da­do o ces­sar-fo­go na Gui­né-Bis­sau. A 6 de ju­nho, em Lu­sa­ka, dá-se o en­con­tro en­tre as de­le­ga­ções por­tu­gue­sa e mo­çam­bi­ca­na, de que fi­cou o cé­le­bre o abra­ço de So­a­res a Sa­mo­ra Ma­chel, da Fre­li­mo. Um abra­ço da­do en­tre «dois paí­ses que ain­da es­ta­vam em gu­er­ra», co­mo afir­mou Al­mei­da San­tos num do­cu­men­tá­rio te­le­vi­si­vo. Em en­tre­vis­ta da­da à RFI, no pas­sa­do mês de ja­nei­ro, Jo­a­quim Chis­sa­no, an­ti­go Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que, re­cor­da es­se abra­ço em Lu­sa­ka: «A pri­mei- ra ação de­le foi de ten­tar cri­ar um am­bi­en­te de diá­lo­go, cri­an­do con­fi­an­ça, quan­do ele que­brou o pro­to­co­lo que es­ta­va es­ta­be­le­ci­do (…) An­tes das pes­so­as se abra­ça­rem, de­via ha­ver um acor­do so­bre os pro­pó­si­tos da ne­go­ci­a­ção. Mas ele to­mou-se co­mo so­ci­a­lis­ta, co­mo an­ti­fas­cis­ta, e an­ti­di­ta­du­ra. Não foi um aper­to de mão, ele abriu os bra­ços pa­ra um abra­ço com o che­fe da nos­sa de­le­ga­ção, que era o pre­si­den­te Sa­mo­ra».

«Re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel»

Es­tan­do ou não en­car­re­gue di­re­ta­men­te das ne­go­ci­a­ções, mui­tos sa­li­en­tam o «pa­pel pre­pon­de­ran­te» de Má­rio So­a­res na des­co­lo­ni­za­ção, co­mo é o ca­so Mi­guel Tro­vo­a­da, an­ti­go Pre­si­den­te de São To­mé e Prín­ci­pe: «Eu jul­go que o que fi­ca de­le pa­ra nós em Áfri­ca, pen­so ter si­do a sua con­tri­bui­ção pa­ra a li­ber­da­de e in­de­pen­dên­cia». Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te de An­go­la, ca­rac­te­ri­zou-o co­mo «re­fe­rên­cia in­con­tor­ná­vel» da lu­ta pe­la de­mo­cra­cia em Por­tu­gal, na car­ta en­vi­a­da ao seu ho­mó­lo­go por­tu­guês, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, e en­tre­gue pe­lo pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal de An­go­la, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, que se des­lo­cou a Lis­boa pa­ra par­ti­ci­par nas ce­ri­mó­ni­as fú­ne­bres. Isaías Sa­ma­ku­va, pre­si­den­te da UNITA, dis­se que An­go­la per­deu um ami­go e afir­mou: «Con­tri­buiu pa­ra o pro­ces­so de­mo­crá­ti­co que te­mos ho­je e fez sem­pre tu­do o que pô­de pa­ra acon­se­lhar os an­go­la­nos pa­ra um ver­da­dei­ro pro­ces­so de re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal». Fi­li­pe Nyu­si, Pre­si­den­te de Mo­çam­bi­que, afir­mou que «não há co­mo fa­lar de Por­tu­gal e Mo­çam­bi­que sem se re­fe­rir à sua im­po­nen­te fi­gu­ra na cons­tru­ção des­ta ami­za­de, e des­te en­ten­di­men­to que ho­je per­du­ra, ir­ma­nan­do os dois paí­ses». Por seu tur­no, o lí­der da opo­si­ção mo­çam­bi­ca­na, Afon­so Dh­la­ka­ma, afir­mou: «Má­rio So­a­res era ami­go de Mo­çam­bi­que, da Fre­li­mo, da Re­na­mo e do po­vo em ge­ral. Um ho­mem que fa­zia a li­ga­ção com o po­vo mo­çam­bi­ca­no. Per­de­mos um dos gran­des ami­gos da Eu­ro­pa». Jor­ge Car­los Fon­se­ca, Pre­si­den­te de Ca­bo Ver­de, que o des­cre­ve co­mo ho­mem que lu­tou con­tra «quais­quer ve­lei­da­des e ten­ta­ções de ins­ta­la­ção de re­gi­mes não fun­da­dos em li­ber­da­des», afir­mou so­bre a mor­te de So­a­res: «De­sa­pa­re­cer uma fi­gu­ra des­tas pa­ra to­dos os que são ami­gos de Por­tu­gal, creio que pa­ra a gran­de mai­o­ria dos ca­bo-ver­di­a­nos e pa­ra os aman­tes da li­ber­da­de e da de­mo­cra­cia é uma per­da enor­me». Pe­dro Pires, an­ti­go Pre­si­den­te e pri­mei­ro-mi­nis­tro de Ca­bo Ver­de, e que li­de­rou a de­le­ga­ção do PAIGC nas ne­go­ci­a­ções pa­ra a in­de­pen­dên­cia do país, con­si­de­ra que So­a­res «re­pre­sen­ta uma ge­ra­ção que em Por­tu­gal sa­cri­fi­cou, lu­tou pa­ra que tu­do fos­se di­fe­ren­te, pa­ra que hou­ves­se um Es­ta­do De­mo­crá­ti­co e que os por­tu­gue­ses se afir­mas­sem no mun­do».

Lo­go a se­guir à re­vo­lu­ção do 25 de Abril, Má­rio So­a­res co­me­çou a en­con­trar-se com lí­de­res dos mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.