Par­ti­dos “lim­pam ar­mas”

Africa21 - - Antena21 - CAR­LOS SE­VE­RI­NO

Ase­te me­ses das elei­ções, os prin­ci­pais par­ti­dos po­lí­ti­cos an­go­la­nos já de­fi­ni­ram pu­bli­ca­men­te os seus ob­je­ti­vos. As­sim, o MPLA, ape­sar do seu na­tu­ral des­gas­te go­ver­na­ti­vo, agra­va­do pe­la atu­al cri­se eco­nó­mi­ca, fi­nan­cei­ra e cam­bi­al, quer con­ser­var a mai­o­ria qua­li­fi­ca­da (dois ter­ços) al­can­ça­da em 2008 e 2012 ou, no mí­ni­mo, atin­gir a mai­o­ria ab­so­lu­ta (mais de 50%). A UNITA e a CA­SA-CE tam­bém dizem que vão ga­nhar, mas, con­tra­di­to­ri­a­men­te, in­sis­tem no dis­cur­so da «frau­de an­te­ci­pa­da». Se a ma­nu­ten­ção da mai­o­ria qua­li­fi­ca­da pe­lo MPLA – ob­je­ti­vo tra­ça­do pe­lo Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos na reu­nião do co­mi­té cen­tral do par­ti­do re­a­li­za­da em de­zem­bro de 2016 – pa­re­ce um de­síg­nio de­ma­si­a­do am­bi­ci­o­so, o que di­zer das de­cla­ra­ções do di­ri­gen­te da UNITA Adal­ber­to da Cos­ta Júnior, se­gun­do o qual, «em elei­ções li­vres e trans­pa­ren­tes, o MPLA não che­ga­ria a dez por cen­to dos vo­tos ou até va­lo­res mais bai­xos»? Em en­tre­vis­ta ao por­tu­guês Diá­rio de No­tí­ci­as, o po­lí­ti­co acres­cen­tou que «o MPLA quer elei­ções, des­de que as pos­sa con­tro­lar». A pres­ti­gi­a­da pu­bli­ca­ção bri­tâ­ni­ca The Eco­no­mist va­ti­ci­nou que o MPLA, mes­mo sem Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos co­mo can­di­da­to, ga­nha­rá as elei­ções pre­vis­tas pa­ra agos­to des­te ano. Es­sa é a ex­pec­ta­ti­va do­mi­nan­te, até ago­ra, em An­go­la. No fun­do, os pró­pri­os par­ti­dos da opo­si­ção pa­re­cem cons­ci­en­tes dis­so. Não é ape­nas a in­sis­tên­cia mo­no­cór­di­ca da opo­si­ção na su­pos­ta pos­si­bi­li­da­de de frau­de que o de­nun­cia. Quan­do a UNITA e a

Opo­si­ção so­nha che­gar pe­la pri­mei­ra vez ao po­der, so­zi­nha ou co­li­ga­da, mes­mo com o MPLA

CA­SA-CE, por exem­plo, dizem que vão go­ver­nar «com qua­dros do MPLA», es­tão a con­tar, no fun­do, que ne­nhum par­ti­do de­ve­rá al­can­çar a mai­o­ria ab­so­lu­ta em agos­to, pe­lo que o ven­ce­dor te­rá de fa­zer acor­dos com os der­ro­ta­dos. É que, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção, o par­ti­do que ti­ver mais vo­tos, mes­mo sem atin­gir os 50%+1, ele­ge o Pre­si­den­te e o Vi­ce-Pre­si­den­te e cons­ti­tui Go­ver­no; mas, na ver­da­de, pre­ci­sa­rá do apoio de ou­tra ou de ou­tras for­ças po­lí­ti­cas pa­ra apro­var o or­ça­men­to e go­ver­nar. O lí­der da CA­SA-CE, Abel Chi­vu­ku­vu­ku, egres­so da UNITA, dei­xou-o trans­pa­re­cer mais ou me­nos cla­ra­men­te, quan­do ma­ni­fes­tou a sua con­vic­ção de que a co­li­ga­ção elei­to­ral que di­ri­ge «vai go­ver­nar o país a par­tir de agos­to, so­zi­nho ou com o MPLA». De igual mo­do, a UNITA apa­ren­ta ter uma po­si­ção idên­ti­ca, a ava­li­ar pe­la afir­ma­ção do seu vi­ce-pre­si­den­te, Raul Dan­da, de que o par­ti­do pre­ten­de for­mar «um Go­ver­no abran­gen­te, que con­gre­gue to­dos os an­go­la­nos, sem ex­clu­sões de qual­quer na­tu­re­za, ca­so ven­ça as pró­xi­mas elei­ções». Dan­da acres­cen­tou que a UNITA de­fen­de que o Go­ver­no de­ve ser cons­ti­tuí­do «aos mais va­ri­a­dos ní­veis, por an­go­la­nos, in­de­pen­den­te­men­te de co­res par­ti­dá­ri­as, per­ten­ças re­li­gi­o­sas, re­giões de ori­gem ou cor da pe­le».

MPLA quer man­ter, pe­lo me­nos, a mai­o­ria ab­so­lu­ta em agos­to

Crí­ti­cas ao re­gis­to elei­to­ral vi­sam des­cre­di­bi­li­zar as elei­ções à par­ti­da

Re­gis­to elei­to­ral

As elei­ções, a re­a­li­zar em agos­to des­te ano, em da­ta ain­da não es­pe­ci­fi­ca­da, co­me­ça­ram a ser pre­pa­ra­das em agos­to do ano pas­sa­do, com o ar­ran­que do re­gis­to elei­to­ral. Até 31 de ja­nei­ro úl­ti­mo, fo­ram re­gis­ta­dos qua­se 7,5 mi­lhões de elei­to­res, dos quais apro­xi­ma­da­men­te 1,6 mi­lhões o fi­ze­ram pe­la pri­mei­ra vez. Es­ti­ma-se que de­ve­rão vo­tar no pró­xi­mo mês de agos­to per­to de 11,5 mi­lhões de pes­so­as (An­go­la tem 28 mi­lhões de ha­bi­tan­tes), cer­ca de três mi­lhões a mais do que em 2012. O re­gis­to de­ve­rá ter­mi­nar no pró­xi­mo mês de mar­ço. Os par­ti­dos da opo­si­ção têm ten­ta­do, com su­ces­so por en­quan­to di­fí­cil de ava­li­ar, trans­for­mar o re­gis­to elei­to­ral em pri­mei­ro cam­po de ba­ta­lha po­lí­ti­ca. As­sim, co­me­ça­ram por ques­ti­o­nar a pró­pria lei do re­gis­to elei­to­ral, se­gun­do o qual a re­fe­ri­da ope­ra­ção é da res­pon­sa­bi­li­da­de das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais, sob su­per­vi­são do mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. Pa­ra a opo­si­ção, o re­gis­to de­ve­ria ser exe­cu­ta­do pe­la Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE), que, à luz da Cons­ti­tui­ção, é um ór­gão in­de­pen­den­te. De su­bli­nhar que a so­lu­ção dos le­gis­la­do­res an­go­la­nos é idên­ti­ca à da es­ma­ga­do­ra mai­o­ria dos paí­ses do mun­do, on­de o re­gis­to, co­mo ato ofi­ci­o­so, é re­a­li­za­do por um ór­gão ad­mi­nis­tra­ti­vo. Nos paí­ses on­de exis­tem co­mis­sões elei­to­rais, ca­be ao ór­gão da ad­mi­nis­tra­ção en­car­re­ga­do de pro­ce­der ao re­gis­to dos elei­to­res en­tre­gar os da­dos apu­ra­dos a tais co­mis­sões. É o que acon­te­ce em An­go­la, on­de o MAT faz a en­tre­ga, to­dos os me­ses, do re­la­tó­rio do re­gis­to elei­to­ral à CNE. Des­de que o re­gis­to co­me­çou, a opo­si­ção tem le­van­ta­do igual­men­te uma sé­rie de in­ci­den­tes, al­guns por des­co­nhe­ci­men­to acer­ca do fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma e ou­tros, pro­va­vel­men­te, por es­tra­té­gia po­lí­ti­ca. Em res­pos­ta, o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio tem ado­ta­do uma po­lí­ti­ca de co­mu­ni­ca­ção pró-ati­va, reu­nin­do-se re­gu­lar­men­te com os par­ti­dos po­lí­ti­cos, or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil, em­bai­xa­das e ou­tros, a fim de es­cla­re­cer to­das as dú­vi­das e ques­ti­o­na­men­tos. Um dos ques­ti­o­na­men­tos mais fre­quen­tes co­lo­ca­do pe­la opo­si­ção é a pos­si­bi­li­da­de de um mes­mo elei­tor po­der ser re­gis­ta­do mais do que uma vez. Por is­so, al­gu­mas for­ças têm exi­gi­do con­tro­lar os da­dos do re­gis­to a ní­vel dos mu­ni­cí­pi­os. Se­gun­do o MAT, ape­sar de ser pos­sí­vel a al­guém re­gis­tar-se mais do que uma vez (por exem­plo, mu­dan­do os ele­men­tos de re­si­dên­cia), is­so não sig­ni­fi­ca que pos­sa vo­tar du­as ve­zes em agos­to, por du­as ra­zões: o

re­gis­to que va­le é sem­pre o úl­ti­mo; além dis­so, no ato elei­to­ral, to­dos os elei­to­res te­rão o seu de­do mer­gu­lha­do nu­ma tin­ta in­de­lé­vel, que du­ra uma se­ma­na, lo­go, não po­de­rão vo­tar mais do que uma vez. Qu­an­to ao con­tro­lo dos da­dos do re­gis­to a ní­vel dos mu­ni­cí­pi­os, tal, ex­pli­ca o MAT, não é ne­ces­sá­rio nem pos­sí­vel, pois os da­dos são en­vi­a­dos ime­di­a­ta­men­te, por via ele­tró­ni­ca, pa­ra o fi­chei­ro cen­tral. «O nos­so sis­te­ma de re­gis­to é mais trans­pa­ren­te do que o dos Es­ta­dos Uni­dos!», dis­se à Áfri­ca21 uma fon­te do Mi­nis­té­rio an­go­la­no da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio. To­tal­men­te in­for­ma­ti­za-

An­go­la tem sis­te­ma al­ta­men­te avan­ça­do de re­gis­to elei­to­ral

do, po­de tam­bém ser con­sul­ta­do, a to­do o mo­men­to, por qual­quer ci­da­dão, atra­vés de um sim­ples smartpho­ne. Cer­tos ob­ser­va­do­res es­tão con­ven­ci­dos de que os pro­ble­mas que a opo­si­ção tem le­van­ta­do em re­la­ção ao re­gis­to elei­to­ral fa­zem par­te da sua es­tra­té­gia de des­cre­di­bi­li­zar à par­ti­da as elei­ções do pró­xi­mo mês de agos­to. Por is­so, o pró­prio Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos adi­an­tou a ne­ces­si­da­de de per­mi­tir a fis­ca­li­za­ção do plei­to por par­te da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal. O as­sun­to já foi dis­cu­ti­do en­tre a União Eu­ro­peia e a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral. Pa­ra o MPLA, é mui­to im­por­tan­te que as elei­ções se­jam con­si­de­ra­das cre­dí­veis. De re­cor­dar, en­tre­tan­to, que o an­ti­go lí­der da UNITA, Jonas Sa­vim­bi, cos­tu­ma­va afir­mar: «Se a UNITA ga­nhar, as elei­ções são li­vres e jus­tas; se per­der, são frau­du­len­tas». Há gra­va­ções des­sa cé­le­bre afir­ma­ção. Por is­so, os ob­ser­va­do­res in­ter­ro­gam-se: o que ga­nha a UNITA (e ou­tras for­ças da opo­si­ção) ao in­sis­tir, des­de a sua der­ro­ta em 1992, em agi­tar o pa­pão da frau­de? Se­gun­do al­guns, es­se dis­cur­so vi­sa ape­nas mo­bi­li­zar as su­as ba­ses e an­ga­ri­ar apoi­os ex­ter­nos, jun­to dos ha­bi­tu­ais ad­ver­sá­ri­os do MPLA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.