Que país é es­se? E pa­ra on­de vai ago­ra?

Africa21 - - República Democrática Do Congo -

A Gâm­bia é um pe­que­no país en­cra­va­do den­tro do Se­ne­gal, com ape­nas 11.295 qui­ló­me­tros qua­dra­dos e uma po­pu­la­ção in­fe­ri­or a dois mi­lhões de pes­so­as. Tam­bém é um país po­bre. Da­dos de 2007 da­vam con­ta de um ren­di­men­to per ca­pi­ta de 1326 dó­la­res. O seu ín­di­ce de de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no, em 2014, era 0,441, co­lo­can­do a Gâm­bia na 151.ª po­si­ção en­tre to­dos os paí­ses do mun­do. A eco­no­mia da Gâm­bia é cen­tra­da na agri­cul­tu­ra, pe­cuá­ria, pes­ca e prin­ci­pal­men­te no tu­ris­mo. Es­te de­sen­vol­ve-se so­bre­tu­do na Smi­ling Co­ast [Cos­ta Sor­ri­den­te], na pe­que­na fai­xa li­to­ral si­tu­a­da a oes­te do país, em fren­te ao Oce­a­no Atlân­ti­co. Es­sa fai­xa é a úni­ca fron­tei­ra da Gâm­bia além da ex­ten­sa fron­tei­ra ter­res­tre com o Se­ne­gal, que ro­deia o país por qua­se to­dos os la­dos. To­dos os anos, mi­lha­res de tu­ris­tas, em es­pe­ci­al es­can­di­na­vos, mas tam­bém es­pa­nhóis, bri­tâ­ni­cos, ho­lan­de­ses e nor­te-ame­ri­ca­nos, che­gam à Smi­ling Co­ast pa­ra apre­ci­ar os seus pra­ze­res, co­mo as prai­as es­pe­ta­cu­la­res, uma ra­zoá­vel ofer­ta ho­te­lei­ra, ex­cur­sões flu­vi­ais, vi­si­tas his­tó­ri­cas (a Gâm­bia fez par­te dos an­ti­gos im­pé­ri­os Ga­na e Shon­gai) e, fi­nal­men­te, jo­vens gam­bi­a­nos de am­bos os se­xos dis­pos­tos a man­ter en­con­tros ín­ti­mos com os es­tran­gei­ros em tro­co de al­gu­mas mo­e­das. A Gâm­bia é, por is­so, um dos gran­des pa­raí­sos mun­di­ais do tu­ris­mo se­xu­al, so­bre­tu­do fe­mi­ni­no. To­le­ra­do e à vis­ta de to­da a gen­te. «Não há pro­ble­mas» – eis uma das fra­ses mais ou­vi­da no país. O que os tu­ris­tas oci­den­tais ig­no­ram é que, se­gun­do o ACNUR, a Gâm­bia foi o quin­to país afri­ca­no de on­de par­ti­ram mais emi­gran­tes ru­mo à Eu­ro­pa em 2015. Fa­la-se mui­to na Eri­treia, Su­dão, Ni­gé­ria ou So­má­lia, mas to­das as se­ma­nas há no­tí­ci­as acer­ca de emi­gran­tes gam­bi­a­nos fa­le­ci­dos no mar, na ten­ta­ti­va de al­can­çar o con­ti­nen­te eu­ro­peu. Ini­ci­al­men­te, o pri­mei­ro pon­to de en­tra­da dos gam­bi­a­nos eram as Ilhas Ca­ná­ri­as, mas des­de que as au­to­ri­da­des es­pa­nho­las o en­cer­ra­ram, as­sim co­mo Ceu­ta e Me­lil­la, os emi­gran­tes pas­sa­ram a usar co­mo trân­si­to o ter­ri­tó­rio da Lí­bia, de on­de em­bar­cam de­pois pa­ra a Itá­lia. Não era ape­nas a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca, a fal­ta de em­pre­gos, a in­fla­ção ga­lo­pan­te e ou­tros pro­ble­mas des­sa na­tu­re­za que fa­zia de­ze­nas de mi­lha­res de gam­bi­a­nos, so­bre­tu­do jo­vens, a so­nhar em dei­xar o país. Pa­ra is­so, con­tri­buía igual­men­te o re­gi­me im­pos­to, en­tre 1994 e 2016, por Yahya Jam­meh, um Pre­si­den­te que ame­a­ça­va cor­tar a ca­be­ça dos ho­mos­se­xu­ais, per­se­guia opo­si­to­res e jor­na­lis­tas, acre­di­ta­va pos­suir dons di­vi­nos que lhe per­mi­ti­am cu­rar a si­da e o ébo­la e, quan­do saía à rua, lan­ça­va mo­e­das às cri­an­ças. Ao mes­mo tem­po, o Pre­si­den­te ces­san­te e a sua fa­mí­lia con­tro­la­vam os se­to­res-cha­ve da eco­no­mia atra­vés de uma hol­ding fa­mi­li­ar, a Ka­ni­lai. Em­bo­ra hou­ves­se elei­ções, o cli­ma po­lí­ti­co era ca­rac­te­ri­za­do pe­lo con­tro­lo e pe­lo me­do. To­dos te­mi­am a Agên­cia Na­ci­o­nal de In­te­li­gên­cia (NIA, em in­glês), as­sim co­mo os seus mi­li­ci­a­nos, os Jun­gu­lers, e os «bu­fos» que es­ta­vam em to­do o la­do. Os gam­bi­a­nos es­pe­ram que a si­tu­a­ção se al­te­re ra­di­cal­men­te com a elei­ção de Ada­ma Bar­row. Nu­ma das su­as pri­mei­ras de­cla­ra­ções de­pois da dis­pu­ta de 1 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, o no­vo Pre­si­den­te do país ga­ran­tiu que vai pro­mo­ver uma tran­si­ção pa­cí­fi­ca. Se­gun­do ele, «nin­guém de­ve ter me­do por cau­sa da nos­sa vi­tó­ria. Não ha­ve­rá per­se­gui­ções con­tra nin­guém, a não ser as exi­gi­das pe­la lei». Qu­an­to aos seus pla­nos pa­ra o fu­tu­ro do país, Ada­ma Bar­row dis­se que a Gâm­bia se vai vol­tar a co­nec­tar com o res­to do mun­do. O res­ta­be­le­ci­men­to do res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos e a edi­fi­ca­ção de in­fra­es­tru­tu­ras são as du­as pri­o­ri­da­des. «Pri­mei­ro te­mos de cri­ar um Go­ver­no for­te com to­dos os nos­sos ali­a­dos, co­me­çar a tra­ba­lhar, a mo­der­ni­zar as in­fra­es­tru­tu­ras, cri­ar uma lei só­li­da pa­ra pro­te­ger os di­rei­tos da im­pren­sa» dis­se ele.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.