An­go­la pre­ten­de au­men­tar pro­du­ção de di­a­man­tes

Africa21 - - Insumos -

A Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Di­a­man­tes de An­go­la (ENDIAMA) pro­du­ziu no ano pas­sa­do no­ve mi­lhões e 21 mil qui­la­tes de di­a­man­tes, ul­tra­pas­san­do a me­ta pre­co­ni­za­da pe­lo Mi­nis­té­rio do Pla­ne­a­men­to e do De­sen­vol­vi­men­to Ter­ri­to­ri­al (no­ve mi­lhões), mas, em con­tra­par­ti­da, per­deu 130 mi­lhões de dó­la­res em re­la­ção ao ano de 2015. A fa­tu­ra­ção de 2016 foi de 1,079 mil mi­lhões de dó­la­res. A in­for­ma­ção foi avan­ça­da em Lu­an­da pe­lo pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da ENDIAMA, Car­los Sum­bu­la, no ato alu­si­vo ao 36.º ani­ver­sá­rio da em­pre­sa. An­go­la é pre­sen­te­men­te o quin­to mai­or pro­du­tor in­ter­na­ci­o­nal de di­a­man­tes. O país quer du­pli­car a pro­du­ção num pra­zo de cin­co anos, en­tre as com­po­nen­tes in­dus­tri­al e ar­te­sa­nal (ga­rim­po in­di­vi­du­al ou em co­o­pe­ra­ti­vas, sob li­cen­ça do Es­ta­do). A pró­pria ENDIAMA tem pla­nos pa­ra ar­ran­car es­te ano com a ex­plo­ra­ção de uma no­va mi­na, de­no­mi­na­da CAP 42, na re­gião de Ca­to­ca, pro­vín­cia da Lun­da Nor­te (nor­des­te do país). De no­tar que, des­de 2015, os ní­veis de pro­du­ção di­a­man­tí­fe­ra em An­go­la têm vin­do a au­men­tar, em­bo­ra o im­pac­to des­se cres­ci­men­to na eco­no­mia na­ci­o­nal não se­ja pro­por­ci­o­nal, de­vi­do à bai­xa dos pre­ços. O au­men­to da pro­du­ção de di­a­man­tes nos úl­ti­mos dois anos de­ve-se, prin­ci­pal­men­te, à des­co­ber­ta do quim­ber­li­to de Lu­a­xe, na pro­vín­cia da Lun­da Sul. Tra­ta-se do mai­or quim­ber­li­to já des­co­ber­to no país, que, só por si, po­de ga­ran­tir uma pro­du­ção anu­al de cer­ca de dez mi­lhões de qui­la­tes. A cri­a­ção de co­o­pe­ra­ti­vas ar­te­sa­nais no les­te do país es­tá igual­men­te a con­tri­buir pa­ra o au­men­to sus­ten­ta­do da pro­du­ção de di­a­man­tes. Além dis­so, re­du­ziu a en­tra­da de es­tran­gei­ros ile­gais, atraí­dos pe­lo ga­rim­po. «As co­o­pe­ra­ti­vas es­tão efe­ti­va­men­te a fa­zer com que os es­tran­gei­ros não te­nham es­pa­ço no nos­so ter­ri­tó­rio, es­tá a re­du­zir dras­ti­ca­men­te a en­tra­da de es­tran­gei­ros no nos­so país. A ideia é fa­zer com que as áre­as que de al­gu­ma for­ma fun­ci­o­na­vam co­mo cha­ma­riz dos es­tran­gei­ros se­jam atri­buí­das aos an­go­la­nos, sob for­ma de co­o­pe­ra­ti­va. E is­so es­tá a dar re­sul­ta­dos», dis­se o pre­si­den­te da ENDIAMA. De­pois do pe­tró­leo, os di­a­man­tes são o prin­ci­pal pro­du­to de ex­por­ta­ção de An­go­la. Pa­ra mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, Fran­cis­co Qu­ei­roz, o se­tor mi­nei­ro an­go­la­no em ge­ral, jun­tan­do-se a ex­tra­ção de me­tais co­mo fer­ro, ou­ro e ou­tros, es­ta­rá em con­di­ções, no lon­go pra­zo, de se equi­pa­rar ao pe­tró­leo, em ter­mos de re­cei­tas ge­ra­das pa­ra o país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.