Pe­lí­cu­la do Ga­na ven­ce

Fes­ti­val «Film Afri­ca» em Lon­dres

Africa21 - - Cults -

Chil­dren of the Moun­tain (Fi­lhos da Mon­ta­nha), da ci­ne­as­ta ga­ne­sa Pris­cil­la Anany, ga­nhou o pré­mio de me­lhor fil­me no fes­ti­val de ci­ne­ma afri­ca­no «Film Afri­ca», de Lon­dres, re­a­li­za­do no úl­ti­mo mês do ano pas­sa­do. Nu­ma obra re­ple­ta de sen­si­bi­li­da­de e de ma­ti­zes, Anany con­ta a his­tó­ria de uma mãe sem re­cur­sos que tem de lu­tar con­tra os es­tig­mas so­ci­ais e as su­as pró­pri­as fra­que­zas pa­ra aju­dar o seu fi­lho, que nas­ceu com lá­bio le­po­ri­no e que não con­se­gue ca­mi­nhar. Me­tá­fo­ra da for­ça, da es­pe­ran­ça e da re­sis­tên­cia dos po­vos afri­ca­nos, o fil­me con­quis­tou quer os es­pec­ta­do­res quer a crí­ti­ca. O fes­ti­val co­me­çou com um exem­plo da lu­ta pe­la dig­ni­da­de no tem­po do apartheid: a his­tó­ria de So­lo­mon Mah­lan­gu, no fil­me Ka­lushi, do sul-afri­ca­no Man­dla Wal­ter Du­be. Des­ta­cou-se igual­men­te no «Film Afri­ca» o do­cu­men­tá­rio Ro­a­ring Abyss, de Qui­no Piñe­ro, so­bre um pai etío­pe com um fi­lho ce­go; um dia, o pai ofe­re­ce ao fi­lho uma flau­ta e, des­de es­se mo­men­to, o fi­lho co­me­çou a des­co­brir o mun­do, “abrin­do os olhos” atra­vés da mú­si­ca. O fil­me Gu­rum­bé, do es­pa­nhol Mi­guel Án­gel Ro­sa­les, mos­tra co­mo al­guns es­cra­vos não eram le­va­dos di­re­ta­men­te pa­ra as plan­ta­ções ame­ri­ca­nas, mas fi­ca­vam na Eu­ro­pa, in­clu­si­ve em Es­pa­nha. Por seu tur­no, a ru­an­de­sa Ani­sia Uzey­man mos­tra com gran­de ta­len­to, no seu «ro­ad mo­vie» Dre­ams­ters, as emo­ções que po­dem ser trans­mi­ti­das com um sim­ples iPho­ne. O di­re­tor que­ni­a­no Mbithi Masya, na sua pe­lí­cu­la Ka­ti Ka­ti, propôs uma re­fle­xão so­bre a mor­te, atra­vés de uma pro­ta­go­nis­ta am­né­si­ca que se vê de re­pen­te num mun­do sur­re­a­lis­ta on­de a in­for­mam que es­tá mor­ta. En­tre­tan­to, num fes­ti­val de ci­ne­ma afri­ca­no, não po­de­ria fal­tar uma pe­lí­cu­la de Nollywo­od: em Gi­di Blu­es – A La­gos Lo­ve Story, po­de­mos ob­ser­var o con­tras­te en­tre os bair­ros ri­cos e po­bres da ca­pi­tal ni­ge­ri­a­na, bem co­mo a hi­po­cri­sia, a su­per­fi­ci­a­li­da­de e o egoís­mo de al­guns jo­vens, mas, ob­vi­a­men­te, o fil­me não dei­xa de ter­mi­nar com um fi­nal fe­liz. O fes­ti­val en­cer­rou co­mo co­me­çou, ou se­ja, com crí­ti­ca so­ci­al. O ma­li­a­no Dou­da Cou­li­baly, em Wù­lu, nar­ra a si­tu­a­ção no Ma­li de­pois da gu­er­ra e da in­ter­ven­ção fran­ce­sa, in­ter­ro­gan­do-se: «Co­mo che­gá­mos até aqui?».

Ima­gem do fil­me Chil­dren of the Moun­tain

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.