NO SAHEL, FU­LAS ALIAM-SE AOS JI­A­DIS­TAS

Africa21 - - Destaques -

Uma sé­rie de ata­ques ter­ro­ris­tas ocor­ri­dos nos úl­ti­mos me­ses em al­guns paí­ses do Sahel, ini­ci­al­men­te atri­buí­dos aos ji­a­dis­tas, po­dem ser da au­to­ria de gru­pos fu­las na re­gião. Os fu­las, tam­bém co­nhe­ci­dos co­mo peuls, fu­la­nis, pu­la­ars ou ful­bés, são po­vos tra­di­ci­o­nal­men­te nó­ma­das e co­mer­ci­an­tes, de mai­o­ria mu­çul­ma­na, que se es­ten­dem des­de o Se­ne­gal até aos Ca­ma­rões e ao Su­dão. Em mui­tos des­ses paí­ses, são ví­ti­mas de atos dis­cri­mi­na­tó­ri­os, por se­rem mi­no­ri­as e tam­bém pe­lo seu es­ti­lo de vi­da. Com efei­to, nos úl­ti­mos me­ses, tem ha­vi­do um au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo de in­ci­den­tes na pro­vín­cia de Soum, no nor­des­te do Bur­ki­na Fa­so, por exem­plo, cu­ja res­pon­sa­bi­li­da­de tem si­do apon­ta­da aos gru­pos ji­a­dis­tas que atu­am na zo­na: as­sas­si­na­tos de imãs con­trá­ri­os ao ra­di­ca­lis­mo is­lâ­mi­co, in­cur­sões a al­dei­as e ata­ques a po­si­ções do exér­ci­to. No dia 16 de de­zem­bro do ano pas­sa­do, o exér­ci­to bur­qui­na­bê so­freu o seu mai­or re­vés até à da­ta, quan­do 12 sol­da­dos de uma uni­da­de an­ti­ter­ro­ris­ta fo­ram mor­tos du­ran­te um ata­que em Nas­soum­bou. As tro­pas fa­zi­am par­te de um ba­ta­lhão des­lo­ca­do em 2013 pa­ra lu­tar con­tra os ji­a­dis­tas na fron­tei­ra en­tre o Ma­li e o Ní­ger, no âm­bi­to da Ope­ra­ção Barkha­ne, mon­ta­da pe­la Fran­ça, com o apoio do Ca­na­dá. A re­fe­ri­da ope­ra­ção, que con­ta com 3000 sol­da­dos, es­ten­de-se pe­la Mau­ri­tâ­nia, Ma­li, Bur­ki­na Fa­so, Ní­ger e Cha­de. O úl­ti­mo in­ci­den­te ve­ri­fi­ca­do na re­gião te­ve lu­gar na noi­te de 31 de de­zem­bro em Dij­bo, a ca­pi­tal de Soum, on­de du­as pes­so­as, en­tre elas um imã, fo­ram as­sas­si­na­das. As sus­pei­tas ini­ci­ais so­bre a au­to­ria des­ses ata­ques re­caí­ram so­bre o gru­po «Es­ta­do Is­lâ­mi­co do Gran­de Saha­ra» (ISGS, em in­glês), li­de­ra­do por Ad­na­ne Abu Wa­lid al-Sah­rawi e que ope­ra ha­bi­tu­al­men­te na zo­na do Sahel. De re­cor­dar que, no fim de ou­tu­bro de 2016, a agên­cia de no­tí­ci­as do Es­ta­do Is­lâ­mi­co anun­ci­ou o ju­ra­men­to de fi­de­li­da­de por par­te do re­fe­ri­do gru­po. Re­cen­te­men­te, con­tu­do, um ou­tro gru­po, An­sa­ru­ol Is­lam, pró­xi­mo do An­sar Di­ne, es­te úl­ti­mo as­so­ci­a­do à Al-Qa­e­da e não ao Es­ta­do Is­lâ­mi­co, rei­vin­di­cou, em co­mu­ni­ca­do, o ata­que de Nas­soum­bou. O do­cu­men­to era as­si­na­do por Ma­lam Ibrahim Dic­ko, um pre­ga­dor bur­qui­na­bê per­ten­cen­te à et­nia fu­la, fa­mo­so em Dij­bo e nos ar­re­do­res co­mo de­fen­sor do Is­lão ra­di­cal. Ele in­ti­tu­la-se guia do An­sa­ru­ol Is­lam. A mai­o­ria dos seus se­gui­do­res per­ten­ce à mes­ma et­nia. No fim de 2013, Dic­ko foi pre­so pe­las tro­pas fran­ce­sas no nor­te do Ma­li, quan­do ten­ta­va jun­tar-se aos gru­pos ji­a­dis­tas ex­pul­sos da­que­le país. De­pois de dois anos na ca­deia, foi li­ber­ta­do e, com mais dez ho­mens, cri­ou o An­sa­roul Is­lam, que, se­gun­do tu­do in­di­ca, é uma es­pé­cie de fran­quia do An­sar Di­ne no Bur­ki­na Fa­so. Con­tan­do com pou­co mais de 200 ho­mens, o An­sa­roul Is­lam es­tá re­fu­gi­a­do na flo­res­ta de Di­ji­bo, nu­ma zo­na de di­fí­cil aces­so na fron­tei­ra en­tre o Bur­ki­na Fa­so e o Ma­li. Re­ceia-se que, em bre­ve, co­me­ce tam­bém a ope­rar no Ma­li. O An­sa­roul Is­lam, tal co­mo o An­sar Di­ne, rei­vin­di­ca o an­ti­go im­pé­rio fu­la de Ma­ci­na, fun­da­do no iní­cio do sé­cu­lo XIX por Chei­kou Ama­dou. A atu­al pro­vín­cia de Soum, no Bur­ki­na Fa­so, era uma das fron­tei­ras des­se gran­de rei­no. Além do An­sa­our Is­lam e do An­sar Di­ne, uma ou­tra or­ga­ni­za­ção foi re­cen­te­men­te cons­ti­tuí­da num ou­tro país da re­gião por gru­pos de et­nia fu­la. Tra­ta-se do 3R, cri­a­do no nor­te da Re­pú­bli­ca Cen­tro-Afri­ca­na, alegadamente pa­ra de­fen­der os fu­las da re­gião dos ata­ques dos an­ti-ba­la­kas. Des­de o úl­ti­mo ano, pa­re­ce ha­ver, pois, um no­vo mo­ti­vo de alar­me na re­gião: a ade­são dos fu­las aos gru­pos ji­a­dis­tas que atu­am no Sahel.

A ope­ra­ção Barkha­ne, com 3000 sol­da­dos, es­ten­de-se pe­la Mau­ri­tâ­nia, Ma­li, Bur­ki­na Fa­so, Ní­ger e Cha­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.