BCE AN­TE­CI­PA AVA­LI­A­ÇÃO DO BNA

Africa21 - - Destaques -

As ne­go­ci­a­ções pa­ra a atri­bui­ção de equi­va­lên­cia de ban­co cen­tral com su­per­vi­são ao Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) pe­lo Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu (BCE) po­dem acon­te­cer ain­da no pri­mei­ro tri­mes­tre des­te ano, in­for­mou em Lu­an­da uma fon­te do BNA. Ini­ci­al­men­te, as mes­mas es­ta­vam pre­vis­tas ape­nas pa­ra 2019. Ao mes­mo tem­po, res­pon­sá­veis do BNA des­lo­cam-se es­te mês de fe­ve­rei­ro à Ale­ma­nha, com vis­ta a re­a­tar a re­la­ção com o úl­ti­mo ban­co for­ne­ce­dor de dó­la­res ao país, o ale­mão Deuts­che Bank. O Deuts­che Bank é um dos ban­cos cor­res­pon­den­tes que for­ne­ci­am dó­la­res fí­si­cos a An­go­la. Os ou­tros eram: Ci­ti Bank, HBSC, Bank of Ame­ri­ca/FirstRand e Stan­dard Char­te­red. To­dos eles dei­xa­ram o país e ces­sa­ram re­la­ções com o sis­te­ma ban­cá­rio an­go­la­no, en­tre 2015 e 2016. A an­te­ci­pa­ção das ne­go­ci­a­ções en­tre o BNA e o Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu re­sul­ta do pa­co­te de me­di­das apli­ca­das pe­las au­to­ri­da­des an­go­la­nas pa­ra evi­tar que o BNA se­ja pos­to à mar­gem do sis­te­ma fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal e pa­ra re­por a ven­da de di­vi­sas ao país. O pro­ces­so de re­co­nhe­ci­men­to de equi­va­lên­cia de en­ti­da­de de su­per­vi­são pas­sa pe­lo se­gui­men­to de um con­jun­to de me­di­das e de­sa­fi­os, no­me­a­da­men­te a se­gu­ran­ça nas tran­sa­ções ban­cá­ri­as, em mo­e­das na­ci­o­nal e es­tran­gei­ra. Os re­gu­la­do­res in­ter­na­ci­o­nais exi­gem tam­bém que An­go­la li­mi­te o mer­ca­do in­for­mal de di­vi­sas, me­lho­re a ges­tão das tran­sa­ções em dó­lar e com­ba­ta o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais e o fi­nan­ci­a­men­to ao ter­ro­ris­mo. De­vi­do às de­bi­li­da­des quer do BNA quer do sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no em ge­ral em to­das es­sas áre­as, no iní­cio de 2015, o Ban­co Cen­tral Eu­ro­peu ex­cluiu An­go­la da lis­ta de paí­ses ter­cei­ros com re­gu­la­men­ta­ção e su­per­vi­são equi­va­len­tes às da União Eu­ro­peia, fa­zen­do au­men­tar o ris­co de in­ves­ti­men­to em An­go­la. Em se­tem­bro do mes­mo ano, o re­gu­la­dor eu­ro­peu co­me­çou a ques­ti­o­nar Por­tu­gal so­bre os ní­veis de ex­po­si­ção da Cai­xa Ge­ral de De­pó­si­tos e de ou­tras ins­ti­tui­ções ban­cá­ri­as com ca­pi­tal lu­so ao mer­ca­do an­go­la­no. No ca­so do BPI, a ex­po­si­ção à dí­vi­da pú­bli­ca an­go­la­na, que an­tes era de ze­ro a 20%, au­men­tou pa­ra 100%. O no­vo go­ver­no do BNA, no­me­a­do em mar­ço de 2016, co­me­çou ime­di­a­ta­men­te a de­li­ne­ar e pôr em prá­ti­ca um pro­gra­ma de re­cu­pe­ra­ção da ima­gem da ban­ca na­ci­o­nal. As­sim, no se­gun­do tri­mes­tre do ano pas­sa­do, o BNA apre­sen­tou o «pro­je­to de ade­qua­ção do sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no às nor­mas pru­den­ci­ais e bo­as prá­ti­cas in­ter­na­ci­o­nais» com vis­ta a re­for­çar a sua po­si­ção co­mo au­to­ri­da­de de su­per­vi­são, im­pon­do-se co­mo en­ti­da­de que di­ta as nor­mas do sis­te­ma fi­nan­cei­ro e que o fiscaliza. De acor­do com o con­jun­to de me­di­das que es­tão a ser pos­tas em prá­ti­ca pe­lo BNA, se­rá exi­gi­do aos ban­cos co­mer­ci­ais an­go­la­nos que apli­quem as re­gras re­co­men­da­das por Ba­si­leia, de­sig­na­da­men­te Ba­si­leia II e III, re­la­ti­vas às nor­mas pru­den­ci­ais de ges­tão e con­ta­bi­li­da­de. Os acor­dos de Ba­si­leia são pro­to­co­los fir­ma­dos en­tre vá­ri­os ban­cos cen­trais de to­do o mun­do pa­ra pre­ve­nir o ris­co de cré­di­to, com exi­gên­ci­as mí­ni­mas de re­ser­va de ca­pi­tal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.