PRI­O­RI­DA­DES PA­RA ÁFRI­CA EM 2017

Africa21 - - Destaques -

A mo­bi­li­za­ção de re­cur­sos fi­nan­cei­ros, de for­ma a ge­rir a qu­e­da dos pre­ços das com­mo­dit­ti­es e atrair in­ves­ti­men­tos é vis­ta co­mo a pri­o­ri­da­de nú­me­ro um dos paí­ses afri­ca­nos pa­ra 2017, no en­ten­der do Fo­re­sight Afri­ca, re­la­tó­rio da Bro­o­kings Ins­ti­tu­ti­on, or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos se­de­a­da em Washing­ton. O Fo­re­sight Afri­ca ele­ge, no to­tal, seis pri­o­ri­da­des que o con­ti­nen­te de­ve ter em con­ta pa­ra ul­tra­pas­sar obs­tá­cu­los no sen­ti­do de um cres­ci­men­to con­cre­to e in­clu­si­vo. Em se­gun­do lu­gar, apon­ta-se a ne­ces­si­da­de de au­men­tar as opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho, na me­di­da em que «o cres­ci­men­to não se­rá pos­sí­vel em Áfri­ca sem em­pre­gos». Nes­te sen­ti­do, o con­ti­nen­te pre­ci­sa não só de res­pon­der às ne­ces­si­da­des de­cor­ren­tes do au­men­to da po­pu­la­ção, mas tam­bém de ino­var, en­con­tran­do no­vas ma­nei­ras de pen­sar a cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho. En­con­trar so­lu­ções ade­qua­das pa­ra im­pe­dir o au­men­to do de­sem­pre­go jo­vem é a for­ma de evi­tar o au­men­to de ten­sões so­ci­ais e de ou­tros ris­cos, se­gun­do o re­la­tó­rio. A ter­cei­ra pri­o­ri­da­de diz res­pei­to à tec­no­lo­gia, des­cri­ta co­mo es­sen­ci­al a qual­quer eco­no­mia mo­der­na. O con­ti­nen­te já deu pro­vas de ino­va­ção nes­te cam­po, no­me­a­da­men­te no que diz res­pei­to

a ser­vi­ços fi­nan­cei­ros di­gi­tais em al­guns paí­ses, co­mo sa­li­en­ta o re­la­tó­rio. O de­sa­fio pa­ra usar a ino­va­ção tec­no­ló­gi­ca ao ser­vi­ço do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co es­tá na ob­ten­ção de um equi­lí­brio en­tre po­lí­ti­cas re­gu­la­do­ras e a ati­vi­da­de dos em­pre­en­de­do­res, de for­ma a que es­tes pos­sam che­gar ao mer­ca­do com tec­no­lo­gi­as ino­va­do­ras, ca­pa­zes de me­lho­rar as vi­das de mi­lhões de afri­ca­nos. Im­pul­si­o­nar os es­for­ços de ur­ba­ni­za­ção é a quar­ta pri­o­ri­da­de apon­ta­da. Um pla­ne­a­men­to ur­ba­no in­te­li­gen­te é um re­qui­si­to pa­ra um de­sen­vol­vi­men­to de su­ces­so – um de­sa­fio gran­de, que obri­ga­to­ri­a­men­te tem de ter em con­ta as ne­ces­si­da­des de ener­gia, pos­si­bi­li­da­des de trans­por­te, even­tu­al po­lui­ção, se­gu­ran­ça, cons­tru­ção in­for­mal e aces­si­bi­li­da­de, en­tre mui­tos ou­tros as­pe­tos. Em quin­to lu­gar, o cli­ma. A lu­ta con­tra as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas é um cam­po em que Áfri­ca tem cons­truí­do uma fren­te co­mum. Pre­vê-se que o con­ti­nen­te se­ja afe­ta­do pe­los efei­tos des­trui­do­res do aque­ci­men­to glo­bal, o que se tor­na ain­da mais com­pli­ca­do de­vi­do às ele­va­das ta­xas de po­bre­za re­gis­ta­das em Áfri­ca. «Os ris­cos do cli­ma cons­ti­tu­em um de­sa­fio tan­to pa­ra o atu­al co­mo pa­ra o fu­tu­ro de­sen­vol­vi­men­to», in­di­ca o Fo­re­sight Afri­ca. Es­ti­ma-se que dois ter­ços do con­ti­nen­te es­te­jam a aque­cer mais de­pres­sa do que o mun­do no seu con­jun­to, o que exi­ge res­pos­tas con­cer­ta­das, mais ce­do do que tar­de. A úl­ti­ma pri­o­ri­da­de da lis­ta diz res­pei­to à boa go­ver­na­ção. «Pa­ra jun­tar tu­do is­to, na­tu­ral­men­te, pre­ci­sa-se dos po­lí­ti­cos, que são quem tem o po­der de es­ta­be­le­cer in­cen­ti­vos pa­ra a cri­a­ção de em­pre­go, apro­var leis pa­ra com­ba­ter as al­te­ra­ções cli­má­ti­cas, cri­ar am­bi­en­tes pro­pí­ci­os à ino­va­ção, e es­ta­bi­li­zar o am­bi­en­te ma­cro­e­co­nó­mi­co», con­si­de­ram os es­pe­ci­a­lis­tas. Mas sem uma boa go­ver­na­ção e o res­pei­to pe­lo Es­ta­do de Di­rei­to, «os paí­ses e os seus ci­da­dãos têm de tra­var ba­ta­lhas ain­da mais di­fí­ceis ru­mo a um cres­ci­men­to in­clu­si­vo».

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.