A cri­se que tei­ma em per­sis­tir

A Gui­né-Bis­sau con­ta des­de de­zem­bro com um no­vo Go­ver­no que não é in­te­gra­do pe­lo PAIGC, ven­ce­dor das le­gis­la­ti­vas de 2014. O par­ti­do li­de­ra­do pe­lo ex-pri­mei­ro-mi­nis­tro Do­min­gos Simões Pe­rei­ra re­cu­sou-se a par­ti­ci­par no no­vo Exe­cu­ti­vo por dis­cor­dar da no­me

Africa21 - - Primeira Página - CAR­LOS PIN­TO SAN­TOS

OPre­si­den­te gui­ne­en­se, Jo­sé Má­rio Vaz, ga­ran­te que o atu­al Go­ver­no não se­rá de­mi­ti­do e que vai até ao fim do seu man­da­to em 2018. Con­tu­do, o Exe­cu­ti­vo li­de­ra­do por Uma­ro Sis­so­co Em­ba­ló es­tá lon­ge de ser con­sen­su­al, ha­ven­do re­cei­os de que ain­da não é des­ta vez que a es­ta­bi­li­da­de po­de re­gres­sar ao país. De­pois de ano e meio de cri­se po­lí­ti­ca, de­sen­ca­de­a­da em agos­to de 2015 quan­do Jo­sé Má­rio Vaz de­mi­tiu o Go­ver­no li­de­ra­do por Do­min­gos Simões Pe­rei­ra – e que in­te­gra­va mem­bros de di­ver­sas for­ças po­lí­ti­cas do país – e de­pois de ou­tras no­me­a­ções e de­mis­sões, a es­ta­bi­li­da­de das ins­ti­tui­ções po­lí­ti­cas é re­cla­ma­da por ob­ser­va­do­res in­ter­na­ci­o­nais e foi uma ne­ces­si­da­de rei­te­ra­da nas ne­go­ci­a­ções en­tre as for­ças de­sa­vin­das, me­di­a­das pe­la Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO), que le­va­ram ao Acor­do de Co­na­cri em no­vem­bro do ano pas­sa­do. A po­si­ção da CEDEAO, bem co­mo da ONU e da União Afri­ca­na, é de que a Gui­né-Bis­sau de­ve cum­prir o es­ta­be­le­ci­do no acor­do. O mes­mo foi dei­xa­do cla­ro na ci­mei­ra de che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da CEDEAO, re­a­li­za­da em Abu­ja, no mês de de­zem­bro, já de­pois da pos­se do no­vo Go­ver­no. «A con­fe­rên­cia exor­ta o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca da Gui­né-Bis­sau a se con­for­mar aos dis­po­si­ti­vos do Acor­do de Co­na­cri, e ape­la a to­das as par­tes a res­pei­ta­rem os ter­mos do acor­do», lê-se no co­mu­ni­ca­do fi­nal. O acor­do in­di­ca­va que de­ve­ria ser en­con­tra­do um no­me con­sen­su­al pa­ra li­de­rar o no­vo Go­ver­no, o que aca­bou por não acon­te­cer. Má­rio Vaz propôs ao PAIGC três no­mes pa­ra ocu­par o car­go (o ge­ne­ral na re­ser­va Uma­ro Sis­so­co, o po­lí­ti­co Augusto Oli­vais e João Fa­diá, di­re­tor do Ban­co Cen­tral dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal na Gui­né-Bis­sau), aca­ban­do por dar pos­se, a 18 de no­vem­bro, a Uma­ro Sis­so­co Em­ba­ló, no­me que não sa­tis­fez o PAIGC. O mai­or par­ti­do do país e le­gí­ti­mo ven­ce­dor das le­gis­la­ti­vas de 2014 re­cu­sou-se por is­so a fa­zer par­te do no­vo go­ver­no e não mar­cou pre­sen­ça na ce­ri­mó­nia de pos­se em de­zem­bro. Tam­bém Ci­pri­a­no Cas­sa­má, pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar, es­te­ve au­sen­te da ce­ri­mó­nia. Pa­ra le­var a le­gis­la­tu­ra até ao fim, a Gui­né-Bis­sau tem ago­ra um elen­co go­ver­na­ti­vo cons­ti­tuí­do por 24 Mi­nis­té­ri­os e 13 Se­cre­ta­ri­as de Es­ta­do, o que mui­tos ve­em co­mo ex­ces­si­vo num país com cer­ca de 1,7 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. Em co­mu­ni­ca­do, os par­ti­dos que in­te­gram o Es­pa­ço de Con­cer­ta­ção Po­lí­ti­ca dos Par­ti­dos De­mo­crá­ti­cos da Gui­né-

CEDEAO pe­de res­pei­to pe­lo Acor­do de Co­na­cri

-Bis­sau (PAIGC, União pa­ra a Mu­dan­ça, Par­ti­do da Con­ver­gên­cia De­mo­crá­ti­ca e três par­ti­dos sem as­sen­to par­la­men­tar, PUN, MP e PST) acu­sa­ram o Che­fe de Es­ta­do de se afas­tar da «or­dem de­mo­crá­ti­ca e cons­ti­tu­ci­o­nal» na for­ma­ção do no­vo Go­ver­no. «Pe­ran­te ta­ma­nha vi­o­la­ção do acor­do de Co­na­cri e das leis da Re­pú­bli­ca, o Es­pa­ço de Con­cer­ta­ção Po­lí­ti­ca dos Par­ti­dos De­mo­crá­ti­cos ex­pres­sa o seu ab­so­lu­to re­pú­dio e con­de­na­ção dos atos do Pre­si­den­te e iden­ti­fi­ca-o co­mo ex­clu­si­vo res­pon­sá­vel pe­la cri­se pre­va­le­cen­te e por to­das as con­sequên­ci­as que daí de­ri­vam», dis­se­ram no co­mu­ni­ca­do.

FMI anun­ci­ou que irá re­to­mar pro­gra­ma de as­sis­tên­cia téc­ni­ca e fi­nan­cei­ra

A 22 de de­zem­bro, o en­tão se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, Ban Ki-mo­on ex­pres­sa­va a sua pre­o­cu­pa­ção pe­la pro­lon­ga­da cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal que afe­ta a Gui­né-Bis­sau e pe­diu às li­de­ran­ças gui­ne­en­ses pa­ra pro­cu­ra­rem uma so­lu­ção du­ra­dou­ra que en­vol­ves­se o Go­ver­no do no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro Uma­ro Sis­so­co e ou­tras en­ti­da­des po­lí­ti­cas do país.

Pro­mes­sas do FMI e cres­ci­men­to eco­nó­mi­co

O FMI anun­ci­ou em de­zem­bro que iria re­to­mar o pro­gra­ma de as­sis­tên­cia téc­ni­ca e fi­nan­cei­ra à Gui­né-Bis­sau, mas fez du­as exi­gên­ci­as que o país te­rá de cum­prir an­tes da en­ti­da­de de­sem­bol­sar um em­prés­ti­mo de 7,1 mi­lhões de dó­la­res. São elas a anu­la­ção da ope­ra­ção de com­pra da dí­vi­da aos ban­cos e a ven­da de ma­dei­ra con­fis­ca­da, cu­jo ca­pi­tal daí re­sul­tan­te de­ve re­ver­ter pa­ra o te­sou­ro pú­bli­co. Re­la­ti­va­men­te a 2006, al­guns es­tu­dos, no­me­a­da­men­te do FMI, apon­tam pa­ra um cres­ci­men­to do país a ron­dar os 5%, gra­ças so­bre­tu­do ao ren­di­men­to da cam­pa­nha de ca­ju que é o prin­ci­pal pro­du­to de ex­por­ta­ção do país. No dis­cur­so de Ano No­vo, o Pre­si­den­te Jo­sé Má­rio Vaz exor­tou o Go­ver­no de Uma­ro Sis­so­co Em­ba­ló a to­mar me­di­das que ate­nu­em as di­fi­cul­da­des com que a gran­de mai­o­ria dos gui­ne­en­ses es­tá a vi­ver. E rei­te­rou que ape­sar da per­sis­tên­cia da cri­se po­lí­ti­ca, que afir­mou ser da res­pon­sa­bi­li­da­de da clas­se po­lí­ti­ca, o atu­al Exe­cu­ti­vo tem de en­fren­tar e sa­ber re­sol­ver os pro­ble­mas da po­pu­la­ção. Já a meio de ja­nei­ro, o Pre­si­den­te foi mais con­cre­to, in­di­can­do a ne­ces­si­da­de ur­gen­te de re­for­mas na mas­sa sa­la­ri­al da fun­ção pú­bli­ca, atu­al­men­te con­ta­bi­li­za­da em 4000 mi­lhões de fran­cos CFA (cer­ca de 6,5 mi­lhões de dó­la­res), ten­do di­to ao Go­ver­no que o país «não tem con­di­ções de a con­ti­nu­ar a su­por­tar». Ou­tro as­sun­to que não es­que­ceu foi o com­ba­te à cor­rup­ção: «É um tra­ba­lho de to­dos os ci­da­dãos, em par­ti­cu­lar das for­ças de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal». Má­rio Vaz quer ver o no­vo Go­ver­no a tra­ba­lhar pa­ra que fi­nal­men­te se­jam im­ple­men­ta­dos os gran­des pla­nos de de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal, co­mo se­jam o «Ter­ra Ran­ka» e o «Mon ma La­ma», que tra­tam do apro­vei­ta­men­to dos re­cur­sos en­dó­ge­nos do país pa­ra pro­mo­ver o pro­gres­so. O pra­zo pa­ra a apre­sen­ta­ção de um pro­gra­ma de Go­ver­no à As­sem­bleia Na­ci­o­nal Po­pu­lar ter­mi­na nes­te mês de fe­ve­rei­ro.

Uma­ro Sis­so­co Em­ba­ló, no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro da Gui­né-Bis­sau

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.