CEDEAO ga­ran­te a De­mo­cra­cia

Nu­ma ini­ci­a­ti­va ra­ra em Áfri­ca, mas tam­bém no mun­do, os paí­ses da Con­fe­rên­cia de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co da Áfri­ca Oci­den­tal (CEDEAO) for­ça­ram a saí­da do an­ti­go Pre­si­den­te da Gâm­bia, Yahya Jam­meh, que se re­cu­sa­va a acei­tar a der­ro­ta so­fri­da nas úl­ti­mas

Africa21 - - Primeira Página - CHAR­LES SCHORUNGBE

Sá­ba­do, 21 de ja­nei­ro de 2016, pou­co de­pois das 9 da noi­te em Ban­jul, ca­pi­tal da Gâm­bia. O avião do pre­si­den­te Alpha Con­dé, da Gui­né Co­na­cri, des­co­lou da ci­da­de, le­van­do a bor­do o pre­si­den­te gam­bi­a­no ces­san­te, Yahya Jam­meh, cin­quen­ta di­as de­pois da sua der­ro­ta nas ur­nas pa­ra o des­co­nhe­ci­do pro­mo­tor imo­bi­liá­rio Ada­ma Bar­row, no pri­mei­ro dia de de­zem­bro do ano pas­sa­do (ver Áfri­ca21 nú­me­ro 114). Che­ga­va as­sim ao fim a no­ve­la de mau gos­to, au­tên­ti­ca ópe­ra bu­fa, en­ce­na­da por Jam­meh, que, de­pois de ter re­co­nhe­ci­do a der­ro­ta nas elei­ções re­a­li­za­das no dia 1 de de­zem­bro, deu o di­to por não di­to, ten­tan­do agar­rar-se de­ses­pe­ra­da­men­te ao po­der, ao qual che­gou há 22 anos, gra­ças a um gol­pe de Es­ta­do. Pos­te­ri­or­men­te, fez-se ele­ger qua­tro ve­zes, mas, ines­pe­ra­da­men­te, a sua ten­ta­ti­va pa­ra con­quis­tar nas ur­nas um quin­to man­da­to, fra­cas­sou. As elei­ções de 1 de de­zem­bro sal­da­ram-se pe­la vi­tó­ria de Ada­ma Bar­row, com 227.708 vo­tos, à fren­te de Yahya Jam­meh, que ob­te­ve 208.487 apoi­os, e de Mah­ma Kan­de, com 89.768 vo­tos (a Gâm­bia tem uma po­pu­la­ção de 1 mi­lhão e 849 mil pes­so­as). Jam­meh acei­tou os re­sul­ta­dos no pró­prio dia e, a 5 de de­zem­bro, a jus­ti­ça gam­bi­a­na li­ber­tou mais de 40 pre­sos po­lí­ti­cos, en­tre os quais Ou­sai­nou Dar­boe, co­nhe­ci­do ad­vo­ga­do de di­rei­tos hu­ma­nos e his­tó­ri­co opo­si­tor do Pre­si­den­te ces­san­te, o qual cum­pria uma pe­na de três anos de pri­são. No dia 9 de de­zem­bro, con­tu­do, aqui­lo que pa­re­cia ser uma sur­pre­en­den­te

Yahya Jam­meh di­zia que iria go­ver­nar a Gâm­bia até que Alá qui­ses­se

tran­si­ção pa­cí­fi­ca do po­der foi in­ter­rom­pi­do pe­lo anún­cio de Yahya Jam­meh de que não acei­ta­va os re­sul­ta­dos elei­to­rais. Ele re­sol­veu im­pug­nar es­tes úl­ti­mos jun­to do Tri­bu­nal Su­pre­mo, que não fun­ci­o­na­va há mais de um ano. Pa­ra vol­tar a fun­ci­o­nar, o Pre­si­den­te em fun­ções te­ria de no­me­ar no­vos juí­zes, o que ele es­ta­va in­ter­di­to de fa­zer, pois fo­ra der­ro­ta­do nas elei­ções. Um im­pas­se, por­tan­to. Ma­qui­a­ve­li­ca­men­te, Jam­meh pre­ten­dia usar es­se im­pas­se, que ele pró­prio cri­ou, co­mo pre­tex­to pa­ra não sair do po­der. Cri­ou-se uma si­tu­a­ção de in­cer­te­za no país, que só foi re­sol­vi­da seis se­ma­nas de­pois, a 20 de ja­nei­ro, quan­do, sob a ame­a­ça de uma in­ter­ven­ção mi­li­tar por par­te da CEDEAO, con­cor­dou em en­tre­gar o po­der per­di­do nas ur­nas.

Co­mo caiu Jam­meh?

Os es­for­ços de Yahya Jam­meh pa­ra con­ti­nu­ar no po­der, ape­sar da der­ro­ta nas úl­ti­mas elei­ções, fo­ram go­ra­dos pe­la con­jun­ção de dois fa­to­res prin­ci­pais: o des­mo­ro­na­men­to do seu pró­prio re­gi­me, com a de­ser­ção de to­dos aque­les que o apoi­a­vam, e a ame­a­ça de in­ter­ven­ção mi­li­tar da CEDEAO. En­quan­to o Pre­si­den­te ces­san­te exi­gia uma to­ma­da de po­si­ção por par­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo, co­me­ça­vam as mo­vi­men­ta­ções di­plo­má­ti­cas, em es­pe­ci­al dos paí­ses da re­gião, or­ga­ni­za­dos na CEDEAO, com o apoio das Na­ções Uni­das, pa­ra fa­zê-lo acei­tar a der­ro­ta e en­tre­gar pa­ci­fi­ca­men­te o po­der. A pri­mei­ra mis­são de me­di­a­ção da Co­mu­ni­da­de Eco­nó­mi­ca dos Es­ta­dos da Áfri­ca Oci­den­tal (CE-

DEAO) li­de­ra­da pe­la Pre­si­den­te da Li­bé­ria, El­len John­son Sir­le­af, che­gou a Ban­jul a 13 de de­zem­bro pa­ra ten­tar con­ven­cer Jam­meh a acei­tar a sua der­ro­ta nas elei­ções e a trans­fe­rir o po­der pa­ra o seu su­ces­sor. Tan­to a CEDEAO co­mo a União Afri­ca­na e o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das exi­gi­ram des­de o pri­mei­ro mo­men­to a saí­da in­con­di­ci­o­nal do Pre­si­den­te ces­san­te. Po­rém, tais mo­vi­men­ta­ções não ti­ve­ram qual­quer su­ces­so até me­a­dos de ja­nei­ro, al­tu­ra em que o pro­ces­so se pre­ci­pi­tou de­ci­si­va­men­te. No dia 10 de ja­nei­ro, o pre­si­den­te do Tri­bu­nal Su­pre­mo re­cu­sou-se a de­li­be­rar so­bre a re­cla­ma­ção de Yahya Jam­meh e re­fu­gi­ou-se no Se­ne­gal. Uma se­ma­na de­pois, a 17 de ja­nei­ro, a vi­ce-pre­si­den­te da Gâm­bia e qua­tro mi­nis­tros, en­tre eles o mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção, tam­bém aban­do­na­ram o Go­ver­no. De acor­do com a cons­ti­tui­ção da Gâm­bia, o no­vo Pre­si­den­te de­ve­ria to­mar pos­se no dia 20 de ja­nei­ro. Os paí­ses vi­zi­nhos con­ti­nu­a­vam, por is­so, a pres­si­o­nar o Pre­si­den­te ces­san­te pa­ra dei­xar o car­go an­tes des­sa da­ta. A Ni­gé­ria e

O Pre­si­den­te ces­san­te ale­ga­va não pre­ci­sar de crí­ti­cas ou con­se­lhos, pois só fa­la­va com Deus

Mar­ro­cos ofe­re­ce­ram-lhe um «exí­lio dou­ra­do». Na­da pa­re­cia, con­tu­do, re­sul­tar. O Pre­si­den­te elei­to, Ada­ma Bar­row, re­fu­gi­ou-se igual­men­te no Se­ne­gal. A CEDEAO re­sol­veu, en­tão, usar a car­ta­da mi­li­tar, ten­do ob­ti­do, pa­ra is­so, au­to­ri­za­ção do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Na­ções Uni­das, a 18 de ja­nei­ro. No dia se­guin­te, o Se­ne­gal, úni­co país da or­ga­ni­za­ção que faz fron­tei­ra com a Gâm­bia, mo­vi­men­tou 1500 ho­mens pa­ra o in­te­ri­or do re­fe­ri­do país, os quais se po­si­ci­o­na­ram em Fa­ra­fe­ni e Se­le­ti, a es­cas­sas du­as ho­ras de Ban­jul. Não en­con­tra­ram qual­quer re­sis­tên­cia por par­te das for­ças gam­bi­a­nas. Ao mes­mo tem­po, a Ni­gé­ria des­lo­cou aviões e um na­vio pa­tru­lhei­ro pa­ra a cos­ta gam­bi­a­na. O Ga­na, o To­go e o Ma­li ma­ni­fes­ta­ram tam­bém a sua dis­po­si­ção de par­ti­ci­pa­ção na ofen­si­va. No to­tal, as for­ças da CEDEAO ti­nham 7000 ho­mens. Jam­meh deu-se con­ta ra­pi­da­men­te que não ti­nha co­mo re­sis­tir. De fac­to, to­dos os seus che­fes mi­li­ta­res, in­cluin­do o Che­fe do Es­ta­do-Mai­or, Ous­ma­ne Bad­jie, o aban­do­na­ram. Em­bo­ra ro­de­a­do por mer­ce­ná­ri­os re­cru­ta­dos à úl­ti­ma ho­ra, não lhe res­ta­va mui­ta coi­sa se­não acei­tar as con­di­ções da CEDEAO. A or­ga­ni­za­ção re­gi­o­nal en­vi­ou a Ban­ju­la, em 20 de ja­nei­ro, uma mis­são com­pos­ta pe­los Pre­si­den­tes Alpha Con­dé, da Gui­né Co­na­cri, e Moha­med Abdel Aziz, da Mau­ri­tâ­nia, acom­pa­nha­dos pe­lo re­pre­sen­tan­te do se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU pa­ra a Áfri­ca Oci­den­tal e Sahel, Moha­med Cham­bas. De no­tar que a Mau­ri­tâ­nia não per­ten­ce à CEDEAO, mas o seu Pre­si­den­te sem­pre man­te­ve bo­as re­la­ções com Yahya Jam­meh. A Pre­si­den­te da Li­bé­ria e lí­der da CEDEAO, El­len John­son-Sir­le­af, de­ci­diu, à úl­ti­ma ho­ra, não in­te­grar a co­mi­ti­va. As reu­niões du­ra­ram to­do o dia. Fi­nal­men­te, o Pre­si­den­te ces­san­te acei­tou dei­xar o car­go e par­tir pa­ra o exí­lio. Jam­meh saiu do país ru­mo à Gui­né Co­na­cri, se­guin­do de­pois pa­ra a Gui­né Equa­to­ri­al. Fon­tes pró­xi­mas de CEDEAO dis­se­ram que Yahya Jam­meh pe­diu, em tro­ca, que lhe fos­se con­ce­di­da imu­ni­da­de ju­di­ci­al, que o seu pa­tri­mó­nio não fos­se to­ca­do e que o re­cur­so elei­to­ral que ele apre­sen­tou ao Tri­bu­nal Su­pre­mo fos­se apre­ci­a­do. Apa­ren­te­men­te, ne­nhum dos pe­di­dos foi sa­tis­fei­to. Con­tu­do, e se­gun­do acu­sou Mai Fatty, con­se­lhei­ro do no­vo Pre­si­den­te da Gâm­bia, Ada­ma Bar­row, o Pre­si­den­te ces­san­te, an­tes de dei­xar Ban­jul, te­rá es­va­zi­a­do os co­fres do Es­ta­do, le­van­do con­si­go cer­ca de 11 mi­lhões de dó­la­res. Quan­do foi anun­ci­a­do o exí­lio do Pre­si­den­te ces­san­te, cen­te­nas de jo­vens fo­ram pa­ra as ru­as, can­tan­do «bye, bye Jam­meh» [«adeus, Jam­meh»]. Os mes­mos vol­ta­ram a acor­rer às ru­as a 26 de ja­nei­ro pa­ra re­ce­ber o no­vo Pre­si­den­te.

Re­gres­so ao país de Ada­ma Bar­row, o no­vo Pre­si­den­te, a 26 de ja­nei­ro

De­ze­nas de mi­lha­res de gam­bi­a­nos re­fu­gi­a­ram-se jun­to da fron­tei­ra com o Se­ne­gal nos di­as de im­pas­se po­lí­ti­co vi­vi­do no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.