Helen La Lime

“An­go­la ain­da tem um ca­mi­nho pe­la fren­te pa­ra atin­gir uma de­mo­cra­cia mais con­sen­su­al”

Africa21 - - Aos Leitores - João Me­lo e João Be­li­sa­rio

A re­pre­sen­tan­te di­plo­má­ti­ca da mai­or de­mo­cra­cia do mun­do em An­go­la ne­ga que o país se­ja uma “di­ta­du­ra”, de­fi­nin­do-o co­mo “uma de­mo­cra­cia no­va e que es­tá a evo­luir”. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à Áfri­ca21, a em­bai­xa­do­ra ame­ri­ca­na em Lu­an­da re­co­nhe­ce tam­bém a exis­tên­cia de uma re­la­ti­va li­ber­da­de de im­pren­sa, mas pe­de mais. E dei­xa ou­tros re­ca­dos, co­mo a ne­ces­si­da­de de um am­bi­en­te pre­vi­sí­vel, ba­se­a­do no Es­ta­do de Di­rei­to e sem gran­des bu­ro­cra­ci­as, pa­ra au­men­tar a co­o­pe­ra­ção en­tre An­go­la e os Es­ta­dos Uni­dos.

ÁFRI­CA21. A se­nho­ra em­bai­xa­do­ra es­tá em An­go­la há dois anos. Que ideia ti­nha do país quan­do che­gou e que vi­são tem ago­ra?

HELEN LA LIME. An­go­la é um país com or­gu­lho e tra­di­ção pró­pria, que es­tá no pro­ces­so da cons­tru­ção do seu des­ti­no. Sem­pre ti­ve um en­ten­di­men­to de que An­go­la é uma im­por­tan­te po­tên­cia re­gi­o­nal em Áfri­ca. De­pois de dois anos, es­tou mais con­vic­ta do gran­de po­ten­ci­al que es­te país tem e do exem­plo que dá ao con­ti­nen­te. Es­pe­ro que os Es­ta­dos Uni­dos pos­sam ofe­re­cer uma con­tri­bui­ção útil nes­te es­for­ço do po­vo an­go­la­no.

Com­pa­ra­ti­va­men­te com as su­as mis­sões an­te­ri­o­res, o que é, pa­ra si, mais di­fí­cil em An­go­la? E mais fá­cil?

Nun­ca tra­ba­lhei num país com tan­ta di­ver­si­da­de de as­sun­tos bi­la­te­rais. Co­mo sa­be, An­go­la é um dos três úni­cos par­cei­ros es­tra­té­gi­cos dos Es­ta­dos Uni­dos na Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, a par da Ni­gé­ria e da Áfri­ca do Sul. Nes­te âm­bi­to, te­mos uma sé­rie de diá­lo­gos com o go­ver­no de An­go­la, que pas­sam pe­las áre­as de ener­gia, saú­de, co­mér­cio, po­lí­ti­ca, se­gu­ran­ça re­gi­o­nal, di­rei­tos hu­ma­nos, e trá­fi­co de pes­so­as. Acho jus­to di­zer que es­ta­mos a fa­zer pro­gres­sos e que tra­ba­lha­mos em ques­tões con­cre­tas. Por exem­plo, abri­mos na em­bai­xa­da os de­par­ta­men­tos co­mer­ci­al e agrí­co­la que pres­tam apoio aos in­te­res­ses co­mer­ci­ais das em­pre­sas ame­ri­ca­nas, que pro­cu­ram opor­tu­ni­da­des de par­ce­ria com con­gé­ne­res an­go­la­nas em di­ver­sos sec­to­res. Em par­ce­ria com o go­ver­no e em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos, es­ses de­par­ta­men­tos da em­bai­xa­da co­la­bo­ram pa­ra fa­ci­li­tar con­tac­tos en­tre An­go­la e as com­pa­nhi­as ame­ri­ca­nas, es­pe­ci­al­men­te as li­ga­das à agri­cul­tu­ra e à ele­tri­ci­da­de. Acre­di­to que as tec­no­lo­gi­as e equi­pa­men­tos das em­pre­sas ame­ri­ca­nas po­dem con­tri­buir pa­ra a di­ver­si­fi­ca­ção e a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia An­go­la­na. E, por is­so, fa­ci­li­ta­mos vi­si­tas de an­go­la­nos aos Es­ta­dos Uni­dos. Pa­ra ma­xi­mi­zar o po­ten­ci­al do sec­tor pri­va­do, é im­por­tan­te con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar na me­lho­ria do cli­ma de ne­gó­ci­os em An­go­la. Nou­tro do­mí­nio, os Es­ta­dos Uni­dos con­ti­nu­am a con­tri­buir pa­ra o bem-es­tar dos an­go­la­nos atra­vés da par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio da Saú­de. Por exem­plo, em 2016 du­ran­te as epi­de­mi­as si­mul­tâ­ne­as de ma­lá­ria e de fe­bre-ama­re­la, nós doá­mos de emer­gên­cia 500.000 mil do­ses do me­di­ca­men­to Co­ar­tem, ava­li­a­dás em meio mi­lhão de dó­la­res. Nes­te pe­río­do di­fí­cil pa­ra An­go­la, tam­bém trou­xe­mos me­di­ca­men­tos de se­gun­da li­nha pa­ra tra­tar ca­sos de ma­lá­ria gra­ve e kits de tes­tes rá­pi­dos de ma­lá­ria, que fo­ram dis­tri­buí­dos a ní­vel na­ci­o­nal pe­lo Go­ver­no de An­go­la. Re­la­ti­va­men­te à fe­bre-ama­re­la, trou­xe­mos vá­ri­os es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra au­men­tar a ca­pa­ci­da­de la­bo­ra­to­ri­al de di­ag­nós­ti­co e ao mes­mo tem­po, atra­vés da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de, dis­po­ni­bi­li­zá­mos um mi­lhão de dó­la­res pa­ra a aqui­si­ção de va­ci­nas con­tra a do­en­ça.

Aqui, gos­ta­ria de su­bli­nhar o sa­cri­fí­cio dos en­fer­mei­ros, mé­di­cos e do Mi­nis­tro da Saú­de de An­go­la no com­ba­te a es­ses sur­tos. Foi gra­ças a es­te es­for­ço con­jun­to que se evi­tou um nú­me­ro mai­or de mor­tes. E não fi­ca­mos por aqui, os Es­ta­dos Uni­dos tam­bém são os prin­ci­pais do­a­do­res aos es­for­ços de des­mi­na­gem em An­go­la. Es­tou or­gu­lho­sa, em par­ti­cu­lar, por ter­mos con­se­gui­do, em 2015, au­men­tar o nos­so fi­nan­ci­a­men­to de qua­tro pa­ra dez mi­lhões de dó­la­res. Pa­ra o pri­mei­ro tri­mes­tre de 2017, já com­pro­me­te­mos qua­tro mi­lhões de dó­la­res nes­te pro­ces­so e es­pe­ra­mos au­men­tar es­te va­lor. Por ou­tro la­do, o Go­ver­no e os seus par­cei­ros es­tão a atu­a­li­zar a ba­se de da­dos de cam­pos mi­na­dos e lim­pos des­tes en­ge­nhos. Es­te tra­ba­lho re­al­ça a es­pe­ran­ça de atin­gir­mos a me­ta de uma An­go­la li­vre do im­pac­to de mi­nas até 2025. Pa­ra mim, is­to se­ria ma­ra­vi­lho­so pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca.

An­go­la é uma po­tên­cia re­gi­o­nal im­por­tan­te em Áfri­ca An­go­la ain­da tem um ca­mi­nho pe­la fren­te até atin­gir uma de­mo­cra­cia mais con­sen­su­al

An­go­la é uma de­mo­cra­cia ou uma di­ta­du­ra?

An­go­la é uma de­mo­cra­cia no­va e que es­tá a evo­luir com to­dos os de­sa­fi­os que is­to acar­re­ta. O meu país tem es­ta­do, há mais de tre­zen­tos anos, a cons­truir a sua de­mo­cra­cia. Por is­so, An­go­la ain­da tem um ca­mi­nho pe­la fren­te pa­ra atin­gir uma de­mo­cra­cia mais con­sen­su­al. Os Es­ta­dos Uni­dos con­ti­nu­am dis­po­ní­veis pa­ra par­ti­lhar com os an­go­la­nos a sua ex­pe­ri­ên­cia nes­ta área.

Há li­ber­da­de de im­pren­sa em An­go­la?

Há uma cer­ta li­ber­da­de, sim. Po­de­ria ha­ver mais. Es­tou cá há mais de dois anos e te­nho as­sis­ti­do a al­tos e bai­xos so­bre a li­ber­da­de de im­pren­sa. Acho que tam­bém é uma área que ain­da es­tá em cons­tru­ção em An­go­la. De­vo aplau­dir as di­ver­sas ini­ci­a­ti­vas em que al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al dis­cu­tem aber­ta­men­te as po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas e so­ci­ais do Go­ver­no. Fa­lam li­vre­men­te so­bre a cor­rup­ção, bem co­mo pro­mo­vem o de­ba­te con­tra­di­tó­rio. Es­ta aber­tu­ra de­ve­ria ser uma re­a­li­da­de em to­do o país. Os Es­ta­dos Uni­dos têm fei­to a sua par­te pa­ra aju­dar a me­lho­rar o am­bi­en­te da im­pren­sa atra­vés da for­ma­ção de cen­te­nas de jor­na­lis­tas e do in­ter­câm­bio en­tre pro­fis­si­o­nais de am­bos os paí­ses. Gos­ta­ria de ver mais aber­tu­ra, cla­ro. Pa­ra mim, as dis­cus­sões aber­tas e cons­tru­ti­vas são im­por­tan­tes nu­ma so­ci­e­da­de pe­la sua ca­pa­ci­da­de de cons­truir e pa­ra li­ber­tar a pres­são no sen­ti­do de que as pes­so­as en­ten­dam me­lhor os de­sa­fi­os em cur­so.

Em 1975, ape­sar de al­gu­mas vo­zes no De­par­ta­men­to de Es­ta­do que de­fen­di­am o re­co­nhe­ci­men­to do go­ver­no do MPLA, os Es­ta­dos Uni­dos não o fi­ze­ram. Du­ran­te dé­ca­das, e em par­ti­cu­lar a par­tir dos anos 80, de­ci­di­ram apoi­ar a guer­ri­lha da UNITA, tam­bém ins­tru­men­ta­li­za­da pe­lo apartheid sul-afri­ca­no. O que ga­nhou o seu país com is­so?

Tu­do is­to se re­fe­re a um pe­río­do que já faz par­te do pas­sa­do. A his­tó­ria é his­tó­ria. Eu pre­fi­ro fa­lar do que es­ta­mos a fa­zer atu­al­men­te. Re­co­nhe­ço que es­ta­mos num país com uma plu­ra­li­da­de de par­ti­dos po­lí­ti­cos, com uma so­ci­e­da­de ci­vil vi­bran­te, com um go­ver­no elei­to de­mo­cra­ti­ca­men­te atra­vés de elei­ções e com um po­vo que tem as­pi­ra­ções de con­so­li­dar a de­mo­cra­cia nes­te país e, so­bre­tu­do, de ele­var a sua pros­pe­ri­da­de eco­nó­mi­ca pa­ra que a pro­mes­sa des­ta ter­ra pos­sa ser usu­fruí­da por to­dos os an­go­la­nos.

Ho­je An­go­la e os EUA têm uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca. Quais os con­tor­nos des­se ti­po de re­la­ção?

An­go­la é uma das gran­des po­tên­ci­as em Áfri­ca, sen­do um dos três par­cei­ros es­tra­té­gi­cos que nós te­mos no con­ti­nen­te. A nos­sa par­ce­ria abran­ge uma sé­rie de diá­lo­gos de tra­ba­lho. Al­guns pi­la­res que sus­ten­tam a nos­sa im­por­tan­te par­ce­ria pas­sam pe­la se­gu­ran­ça re­gi­o­nal, on­de An­go­la de­sem­pe­nha um pa­pel de li­de­ran­ça atra­vés do seu tra­ba­lho na Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos. Por ou­tro la­do, An­go­la é uma das três mai­o­res eco­no­mi­as de Áfri­ca on­de te­mos gran­des in­te­res­ses eco­nó­mi­cos. Na saú­de, fa­ze­mos in­ves­ti­men­tos avul­ta­dos pa­ra com­ba­ter a ma­lá­ria, o VIH/si­da e

me­lho­rar o sis­te­ma na­ci­o­nal de dis­tri­bui­ção de me­di­ca­men­tos, com o ob­je­ti­vo de au­men­tar a es­pe­ran­ça de vi­da dos an­go­la­nos.

E acha que a mes­ma es­tá a fun­ci­o­nar?

Te­mos uma re­la­ção bas­tan­te ati­va em que se faz mui­to, em­bo­ra ain­da ha­ja um ca­mi­nho a per­cor­rer. A ini­ci­a­ti­va Power Afri­ca é um pro­je­to no qual ve­mos opor­tu­ni­da­des re­ais pa­ra apoi­ar o cres­ci­men­to do sec­tor elé­tri­co em An­go­la. Pa­ra tal, te­mos já um con­sul­tor a tra­ba­lhar com o Mi­nis­té­rio da Ener­gia e Águas pa­ra apoi­ar os es­for­ços vi­san­do au­men­tar a pro­du­ção e a dis­tri­bui­ção de ener­gia no país. Por ou­tro la­do, as com­pa­nhi­as ame­ri­ca­nas Ge­ne­ral Elec­tric (GE) e a APR Energy es­tão pre­sen­tes na pro­du­ção de ener­gia e a con­tri­buí­rem pa­ra uma An­go­la mais ilu­mi­na­da. A nos­sa co­o­pe­ra­ção no sec­tor da saú­de es­tá a fun­ci­o­nar bem. Sob nos­sa ini­ci­a­ti­va, ti­ve­mos uma par­ce­ria com o Go­ver­no de An­go­la pa­ra a re­a­li­za­ção do pri­mei­ro Inqué­ri­to Ofi­ci­al de In­di­ca­do­res Múl­ti­plos e de Saú­de pa­ra o qual con­tri­buí­mos com seis mi­lhões de dó­la­res. Des­te es­tu­do, há in­di­ca­ções so­bre a re­du­ção da mor­ta­li­da­de in­fan­til no país, e ago­ra es­pe­ra­mos pe­los da­dos re­fe­ren­tes à se­ro-pre­va­lên­cia. No do­mí­nio da lu­ta con­tra a si­da, atra­vés da Ini­ci­a­ti­va Pre­si­den­ci­al pa­ra o Alí­vio da Si­da (PEPFAR, si­gla em in­glês), fi­ze­mos um in­ves­ti­men­to glo­bal que já ul­tra­pas­sou os 150.000.000 dó­la­res des­de 2005. A ini­ci­a­ti­va en­vol­veu no­ve cen­tros de saú­de em Lu­an­da, que tra­ba­lham no di­ag­nós­ti­co, tra­ta­men­to e acon­se­lha­men­to da po­pu­la­ção al­vo das áre­as ge­o­grá­fi­cas que têm o mai­or ín­di­ce de VIH. Com es­te tra­ba­lho, al­can­çá­mos cer­ca de 40% das pes­so­as a re­ce­ber tra­ta­men­to con­tra o VIH no país. De igual mo­do, o fi­nan­ci­a­men­to da Ini­ci­a­ti­va do Pre­si­den­te con­tra a Ma­lá­ria (PMI, si­gla em in­glês) apoia An­go­la pa­ra a re­du­ção de mor­tes e a mor­bi­dez por ma­lá­ria. Des­de 2006, a PMI in­ves­te anu­al­men­te qua­se 27 mi­lhões de dó­la­res pa­ra os pro­gra­mas de re­du­ção da mor­ta­li­da­de em 1/3 e de di­mi­nui­ção de do­en­tes por ma­lá­ria em An­go­la na or­dem dos 40% em seis pro­vín­ci­as. Em 2016, An­go­la foi de­cla­ra­da «li­vre da pó­lio» de­pois de cum­prir cin­co anos sem re­gis­tar um úni­co ca­so. Es­te fei­to é fru­to de quin­ze anos da nos­sa co­la­bo­ra­ção. Os Es­ta­dos Uni­dos apoi­a­ram a lo­gís­ti­ca e a for­ma­ção de 3200 vo­lun­tá­ri­os co­mu­ni­tá­ri­os pa­ra con­du­zir a vi­gi­lân­cia e a mo­bi­li­za­ção dos ci­da­dãos pa­ra a va­ci­na­ção em mas­sa. Gos­ta­ria tam­bém de no­tar a nos­sa for­te co­o­pe­ra­ção mi­li­tar. De­se­ja­mos as­si­nar em bre­ve um Me­mo­ran­do de En­ten­di­men­to en­tre o De­par­ta­men­to de De­fe­sa dos EUA e o Mi­nis­té­rio da De­fe­sa de An­go­la pa­ra for­ma­li­zar a nos­sa par­ce­ria nos sec­to­res da se­gu­ran­ça ma­rí­ti­ma, for­ma­ção de qua­dros, in­ter­câm­bio pro­fis­si­o­nal, en­si­no de in­glês e na lu­ta con­tra o VIH/si­da e a ma­lá­ria nas For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas.

O que é pre­ci­so pa­ra re­for­çar as re­la­ções en­tre An­go­la e os Es­ta­dos Uni­dos?

Em 2017, se­rá im­por­tan­te que os an­go­la­nos con­ti­nu­em a tra­ba­lhar pa­ra um me­lhor cli­ma de ne­gó­ci­os no país. As em­pre­sas ame­ri­ca­nas po­dem con­ti­nu­ar a de­sem­pe­nhar um pa­pel cen­tral na eco­no­mia de An­go­la. E gos­ta­ria de ver mais par­ti­ci­pa­ção das em­pre­sas ame­ri­ca­nas no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co des­te país. O sec­tor pri­va­do, in­cluin­do o an­go­la­no,

As em­pre­sas ame­ri­ca­nas po­dem de­sem­pe­nhar um pa­pel cen­tral na eco­no­mia an­go­la­na

pros­pe­ra­rá em am­bi­en­te di­nâ­mi­co, com pro­ces­sos pre­vi­sí­veis, com­pe­ti­ti­vos e trans­pa­ren­tes, li­vres da ex­ces­si­va bu­ro­cra­cia que im­pe­de as em­pre­sas e os em­pre­en­de­do­res de pla­ni­fi­car, in­ves­tir e cres­cer. O pro­gres­so eco­nó­mi­co e a com­pe­ti­ti­vi­da­de glo­bal é uma me­ta par­ti­lha­da por to­dos os paí­ses do mun­do. Eu acre­di­to que uma das for­mas mais efe­ti­vas pa­ra com­ba­ter as de­si­gual­da­des eco­nó­mi­cas e so­ci­ais é atra­vés do for­ta­le­ci­men­to do sec­tor pri­va­do. Ou­tra área que é pri­o­ri­tá­ria é a re­for­ma do sis­te­ma ban­cá­rio an­go­la­no pa­ra se ali­nhar com os pa­drões in­ter­na­ci­o­nais e é im­por­tan­te que o Go­ver­no an­go­la­no fa­ça o ne­ces­sá­rio pa­ra au­men­tar a sua ca­pa­ci­da­de na área da re­gu­la­ção e su­per­vi­são ban­cá­ria. Com­ba­ter os cri­mes fi­nan­cei­ros e a cor­rup­ção são ele­men­tos es­sen­ci­ais pa­ra ga­ran­tir que o sec­tor ban­cá­rio an­go­la­no re­cu­pe­ra a sua for­ça e as su­as li­ga­ções com os ban­cos in­ter­na­ci­o­nais. Es­te sec­tor tem de ope­rar de uma ma­nei­ra trans­pa­ren­te. Ob­vi­a­men­te, à me­di­da que me­lho­ra­mos a eco­no­mia e o sec­tor fi­nan­cei­ro, não nos po­de­mos es­que­cer da ne­ces­si­da­de de ter­mos for­ça de tra­ba­lho qua­li­fi­ca­da sem a qual na­da dis­to irá fun­ci­o­nar. Por is­so, gos­ta­ria de au­men­tar os con­tac­tos en­tre as ins­ti­tui­ções an­go­la­nas e ame­ri­ca­nas, co­mo por exem­plo, en­tre as uni­ver­si­da­des de am­bos os paí­ses. Nós já co­me­çá­mos com a bol­sa Man­de­la Washing­ton Fel­lowship, atra­vés da Ini­ci­a­ti­va pa­ra Jo­vens Lí­de­res Afri­ca­nos (YALI, si­gla em in­glês). A bol­sa Man­de­la Washing­ton Fel­lowship é um pro­gra­ma pa­ra apoi­ar jo­vens lí­de­res afri­ca­nos vi­san­do pro­mo­ver o cres­ci­men­to e a pros­pe­ri­da­de, for­ta­le­cer a go­ver­na­ção de­mo­crá­ti­ca e con­so­li­dar a paz e a se­gu­ran­ça em Áfri­ca. Es­se pro­gra­ma tem en­vi­a­do de­ze­nas de jo­vens ta­len­to­sos an­go­la­nos às gran­des uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas pa­ra se ca­pa­ci­ta­rem em ne­gó­ci­os/ em­pre­en­de­do­ris­mo, ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca e li­de­ran­ça cí­vi­ca. Eu gos­ta­ria de ver um mai­or con­tac­to en­tre as uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas e an­go­la­nas pa­ra per­mi­tir mais pro­gra­mas de in­ter­câm­bio edu­ca­ci­o­nal, bem co­mo ver uni­ver­si­da­des ame­ri­ca­nas a tra­ba­lha­rem em An­go­la com as su­as con­gé­ne­res, so­bre­tu­do, na área da agri­cul­tu­ra.

Acha que, com a no­va ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na, is­so se­rá mais fá­cil ou mais di­fí­cil?

Nes­te mo­men­to em que fa­la­mos, a no­va Ad­mi­nis­tra­ção es­tá ain­da a adap­tar-se à es­tru­tu­ra go­ver­na­men­tal. Por is­so, é pre­ma­tu­ro fa­lar se se­rá mais fá­cil ou mais di­fí­cil. Ge­ral­men­te, a po­lí­ti­ca ex­ter­na dos EUA pa­ra Áfri­ca reú­ne o apoio de am­bos os par­ti­dos Re­pu­bli­ca­no e De­mo­cra­ta. Es­ta po­lí­ti­ca é as­sen­te em va­lo­res fun­da­men­tais uni­ver­sais e cons­tan­tes da nos­sa de­mo­cra­cia a des­pei­to de quem es­te­ja no po­der nos EUA. Cla­ro, ha­ve­rá ajus­tes e no­vas ini­ci­a­ti­vas e an­si­a­mos por co­nhe­cê-las. Con­tu­do, es­pe­ra­mos que ha­ja uma re­la­ção di­nâ­mi­ca sob a Ad­mi­nis­tra­ção do Pre­si­den­te Trump.

Po­de fa­zer uma apre­ci­a­ção da li­de­ran­ça do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, quer in­ter­na quer re­gi­o­nal?

In­ter­na­men­te, de­ve­mos re­co­nhe­cer o pa­pel que o Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos, tal co­mo ou­tros an­go­la­nos, de­sem­pe­nhou pa­ra o pro­ces­so de pa­ci­fi­ca­ção de An­go­la e a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal. O fac­to de ter apos­ta­do em mui­tos qua­dros que vi­e­ram de ou­tros par­ti­dos pa­ra ocu­par car­gos de des­ta­que na es­tru­tu­ra do Es­ta­do, mos­tra a sua vi­são de in­clu­são e uni­da­de en­tre os an­go­la­nos. O Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos tem pro­mo­vi­do o res­pei­to pe­la cons­ti­tui­ção e tem si­do um dos pi­la­res pa­ra a ga­ran­tia da paz. No qua­dro re­gi­o­nal, sau­da­mos os es­for­ços de An­go­la e a li­de­ran­ça do Pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos pa­ra a pa­ci­fi­ca­ção da Áfri­ca Cen­tral, so­bre­tu­do na RDC, RCA e Su­dão do Sul. Des­de que An­go­la as­su­miu a pre­si­dên­cia da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Re­gião dos Gran­des La­gos, tem ha­vi­do mais diá­lo­go en­tre os lí­de­res re­gi­o­nais pa­ra se en­con­trar so­lu­ções sem o re­cur­so às ar­mas de for­ma cons­tan­te.

Co­mo en­ca­ram os Es­ta­dos Uni­dos a no­tí­cia acer­ca da saí­da do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, as­sim co­mo da in­di­ca­ção, pe­lo MPLA, de um no­vo can­di­da­to ao car­go de Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca?

Nós con­si­de­ra­mos a tran­si­ção co­mo um pro­ces­so nor­mal da cons­tru­ção e for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia. Es­ta­mos pron­tos pa­ra tra­ba­lhar com qual­quer fi­gu­ra an­go­la­na que for elei­ta pe­lo po­vo an­go­la­no pa­ra a che­fia do Go­ver­no do país.

De­pois de anos a cres­cer sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te, após o fim da gu­er­ra, em 2002, An­go­la en­trou nu­ma se­ve­ra cri­se eco­nó­mi­co-fi­nan­cei­ra. Co­mo vê o fu­tu­ro do país, a mé­dio pra­zo?

Sou otimista. Em­bo­ra ha­ja de­sa­fi­os, acre­di­to no fu­tu­ro de An­go­la. Pa­ra tal, é pre­ci­so to­ma­rem-se pas­sos es­sen­ci­ais pa­ra a pro­mo­ção da di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca, on­de as pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas se­jam va­lo­ri­za­das, in­cluin­do a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar. É es­sen­ci­al au­men­tar a trans­pa­rên­cia no país, lu­tar con­tra a cor­rup­ção e di­mi­nuir os obs­tá­cu­los de ne­gó­cio pa­ra as em­pre­sas an­go­la­nas e in­ter­na­ci­o­nais. Não po­de­mos es­que­cer que o su­ces­so de qual­quer país de­pen­de de ins­ti­tui­ções pre­vi­sí­veis, do Es­ta­do de Di­rei­to e da von­ta­de do seu po­vo em cons­truir a na­ção.

A tran­si­ção é um pro­ces­so nor­mal da cons­tru­ção e for­ta­le­ci­men­to da de­mo­cra­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.