Ode­te Cos­ta Se­me­do

Africa21 - - Aos Leitores - Oman­ti Ko­ria – Ter­mo usa­do, em cri­ou­lo gui­ne­en­se, pa­ra de­no­mi­nar al­guém a quem não se quer re­fe­rir o no­me; aque­le, o(s) fu­la­no(s).

Dizem os mais ve­lhos que a noi­te é es­cu­ra, por is­so é a mãe dos se­gre­dos. Ir­mão do so­no e da mor­te, ela en­co­bre acon­te­ci­men­tos, so­bre­tu­do, os mais obs­cu­ros que morrem com a che­ga­da da ma­dru­ga­da. Es­ses mais ve­lhos con­tam que a noi­te, na sua co­ni­vên­cia com o ca­os e ca­sos ocul­tos, fez com que os ho­mens cri­as­sem adá­gi­os pa­ra evi­den­ci­ar o que a noi­te ca­mu­fla. Nes­ses adá­gi­os, os ani­mais vi­ram pe­ka­du­ris, se­res hu­ma­nos, fa­lam e es­car­ne­cem. As­sim, diz o lo­bo: «Se de re­pen­te nas­ces­se o sol, eu não se­ria o úni­co pre­da­dor a ser sur­pre­en­di­do na ca­ça­da!» Pois, com­ple­ta, «a noi­te é gar­gan­ta do mun­do, fun­da e obs­cu­ra!»; Diz o iran-ce­go, a ji­boia: «Por mais que a noi­te se­ja es­cu­ra, ja­mais a pa­lha de­ve fa­zer ami­za­de com o fo­go!» Mas, pa­ra trans­fi­gu­rar es­tas me­tá­fo­ras, na­da co­mo a tec­no­lo­gia avan­ça­da! Ela quis aca­bar com a tre­va, tra­zen­do a luz elé­tri­ca à con­vi­vên­cia dos sim­ples mor­tais, tor­nan­do mais har­mo­ni­o­so o con­ví­vio en­tre os hu­ma­nos, a noi­te e a luz. Po­rém, es­sa ir­man­da­de é, ain­da, ti­da co­mo um lu­xo cu­jo aces­so é ve­da­do a mui­tos. E nem vou fa­lar da água! Ape­te­ce-me ju­rar, mas acho que não vem ao aca­so, por is­so acre­di­tem sim­ples­men­te que es­sas lem­bran­ças não sur­gem por me­ro aca­so na mi­nha men­te. Sem­pre que há uma reviravolta so­ci­al, po­lí­ti­ca, no país ou pe­lo mun­do, vem uma es­pé­cie de to­que que me faz vi­a­jar. Es­sas vi­a­gens têm vá­ri­os por­tos e não con­si­go pa­rar o na­vio, até ele, por si só, atra­car em qual­quer an­co­ra­dou­ro. Por exem­plo: o apa­gão que se deu quan­do fal­ta­vam seis mi­nu­tos pa­ra a meia-noi­te de 31 de de­zem­bro de 2016. Quan­do es­tá­va­mos to­dos pre­pa­ra­dos pa­ra a con­ta­gem de­cres­cen­te, a luz de­cres­ceu, foi-se, lus bai! Ali, não pu­de dei­xar de vi­a­jar. O na­vio pa­rou no in­te­ri­or de mui­tos paí­ses do con­ti­nen­te afri­ca­no, da Amé­ri­ca La­ti­na, da Ásia, da Eu­ro­pa. O por­to é es­cu­ro, cheio de pi­ro­gas com lan­ter­nas ba­lan­çan­do ao sa­bor da ma­ré; gen­te sem car­ga, gen­te cu­ja car­ga são os pró­pri­os fi­lhos. Tal­vez se­ja in­crí­vel, mas é o que me veio à men­te no apa­gão da­que­la noi­te; apa­gão, de al­gu­ma for­ma es­pe­ra­do – por­que nun­ca se sa­be quan­do vai a nos­sa hós­pe­de luz e, se for, quan­do vol­ta. Po­rém, a for­ça da es­pe­ran­ça fez a to­dos acre­di­tar que a pas­sa­gem do ano era um mo­men­to es­pe­ci­al e os Oman­ti Ko­ria1 iri­am ca­pri­char na lu­mi­no­si­da­de. Qual o quê! Na­da! Quan­do a luz vol­tou, té­nue co­mo a cla­ri­da­de de uma lam­pa­ri­na, já os very ligth ha­vi­am da­do o ar de su­as gra­ças, as­si­na­lan­do ti­mi­da­men­te a en­tra­da do no­vo ano, aqui e ali, com os seus ra­bi­nhos ver­me­lho-san­gue tre­me­li­can­tes, acom­pa­nha­do dos gri­tos da cri­an­ça­da. A noi­te per­ma­ne­ceu. Eu, da mi­nha va­ran­da, pu­de ver ca­sais de na­mo­ra­dos, ou sim­ples ami­gos, rom­pen­do o es­cu­ro ilu­mi­na­do pe­las lan­te­jou­las dos ves­ti­dos de noi­te, fei­to pi­ri­lam­pos. Ca­da gra­ce­jo pa­re­cia-me mais ale­gre que o ou­tro. De re­pen­te, um «Ai os meus sa­pa­tos! Ui o meu pé»! – «Não te dis­se pa­ra po­res chi­ne­lo até per­to da bo­a­te?!» Mais gra­ce­jos e res­mun­gos. Con­ti­nuo na va­ran­da, a mi­nha qua­se ja­ne­la in­dis­cre­ta. Do ou­tro la­do da es­tra­da vem um gri­to, a voz é fe­mi­ni­na: «– Pe­guem o la­drão, aju­dem! É aque­le que ali vai!» O di­to la­drão rom­peu a noi­te e, en­go­li­do pe­lo es­cu­ro, de­sa­pa­re­ceu sem dar tem­po aos so­cor­ris­tas. «– Ai, le­va­ram a mi­nha bol­sa, meu Deus! É ne­la que eu te­nho o nos­so lais­sez-pas­ser pa­ra a dis­co­te­ca», dis­se uma voz fi­ni­nha e tré­mu­la. O gru­pi­nho fi­cou no pas­seio. To­dos co­me­ça­ram a fa­lar sem se es­cu­ta­rem uns aos ou­tros. A con­fu­são pa­re­cia rei­nar en­tre eles, não sa­ben­do que ru­mo to­mar! Da va­ran­da, da­va-me pa­ra ou­vir uma e ou­tra pa­la­vra de amar­gu­ra, sen­tir o ca­os e vê-los an­dan­do sem des­ti­no, nem me­tas. Fi­ca­ram pa­ra trás! Sem a bol­sa, sem mei­os fi­nan­cei­ros, no es­cu­ro, com to­dos se sen­tin­do cul­pa­dos por não te­rem pen­sa­do me­lhor an­tes de de­po­si­ta­rem os seus bi­lhe­tes de aces­so, os so­nhos de uma kam­ban­sa ale­gre e um ano pro­mis­sor, em mãos in­cer­tas. Os que es­ta­vam nas su­as ja­ne­las, ob­ser­van­do pas­si­va­men­te a es­cu­ri­dão e o mo­vi­men­to dos tran­seun­tes sem ros­to – por­que ocul­tos pe­la noi­te –, con­ti­nu­a­ram omis­sos e co­ni­ven­tes! Cons­ta­ta­ções fei­tas, o meu na­vio zar­pou! Sa­be­rá Deus pa­ra que cais?!

Quan­do a luz re­gres­sou, té­nue co­mo a cla­ri­da­de de uma lam­pa­ri­na, já os very ligth ha­vi­am da­do o ar de su­as gra­ças, as­si­na­lan­do, ti­mi­da­men­te, a en­tra­da do no­vo ano!

ode­tec­se­me­do@hot­mail.com

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.