Ger­ma­no Al­mei­da

Africa21 - - Aos Lei­to­res - gal­mei­da@cv­te­le­com.cv

Des­de a in­de­pen­dên­cia em ju­lho de 1975 que já va­mos com qua­tro pre­si­den­tes elei­tos, e ca­da um de­les re­ve­lou sem­pre uma pre­o­cu­pa­ção ou en­tão uma vo­ca­ção, se­ja so­ci­al se­ja po­lí­ti­ca, de tal mo­do que se fos­se­mos uma mo­nar­quia, cer­ta­men­te que es­sa ti­ne­ta te­ria in­fluên­cia no cog­no­me com que o di­to pas­sa­ria à his­tó­ria. E pa­ra fa­lar ape­nas dos dois úl­ti­mos pre­si­den­tes, te­re­mos en­tão que Pe­dro Pi­res se­ria D. Pe­dro I, o Am­bi­en­ta­lis­ta, por cau­sa das evi­den­tes pre­o­cu­pa­ções que mos­trou ter pa­ra com o meio am­bi­en­te em ge­ral, e Jor­ge Car­los Fon­se­ca se­ria D. Jor­ge I, o Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta. Com efei­to, nun­ca se ti­nha fa­la­do tan­to em Cons­ti­tui­ção e da ne­ces­si­da­de da sua su­pre­ma­cia co­mo du­ran­te o rei­na­do de D. Jor­ge. Ao ex­tre­mo de o seu che­fe da Ca­sa Ci­vil, dr. Ma­nu­el Faus­ti­no, tê-lo la­pi­dar­men­te de­fi­ni­do co­mo «Pre­si­den­te igual à Cons­ti­tui­ção. Pon­to». Por­que, pa­ra­fra­se­an­do o ca­ma­ra­da Fi­del Cas­tro, de D. Jor­ge se po­de­ria di­zer, «pe­la Cons­ti­tui­ção, tu­do; fo­ra da Cons­ti­tui­ção na­da». E pa­ra não ha­ver dú­vi­das so­bre es­se pon­to es­sen­ci­al, não só man­dou fa­zer uma edi­ção de bol­so da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca pa­ra ser dis­tri­buí­da, co­mo lo­go a se­guir à elei­ção pa­ra o se­gun­do man­da­to, a tal em que se dis­se que saiu com uma le­gi­ti­mi­da­de ili­mi­ta­da, o mes­mo dr. Faus­ti­no deu uma elu­ci­da­ti­va en­tre­vis­ta a um jor­nal na­ci­o­nal em que, com abun­dân­cia de ad­je­ti­vos, de­fi­ne Jor­ge Car­los Fon­se­ca co­mo o pre­si­den­te da Cons­ti­tui­ção. In­fe­liz­men­te que com tal exa­ge­ro, que não pô­de fu­gir ao no­ci­vo chis­te de «his mas­ter voi­ce», pois que não tre­meu ao di­zer que o pre­si­den­te ti­nha de­fi­ni­do a Cons­ti­tui­ção co­mo um pro­gra­ma de tra­ba­lho, uma es­pé­cie de seu ca­der­no de en­car­go, de for­ma que a gran­de mar­ca que ele dei­xa­rá no país se­rá a Cons­ti­tui­ção. «Não é só di­zer que a Cons­ti­tui­ção é boa, tem de ser res­pei­ta­da, etc., en­fa­ti­zou Faus­ti­no, o PR in­sis­te que ape­nas qu­an­do hou­ver uma cul­tu­ra da Cons­ti­tui­ção é que nós te­re­mos de fac­to a re­a­li­za­ção da Cons­ti­tui­ção. La Re­vo­lu­ción em Cu­ba, la Cons­ti­tu­ción em Ca­bo Ver­de, po­de­ria ter si­do um slo­gan na­tu­ral. Mas eis que nes­sa cer­ra­da dog­má­ti­ca, apa­ren­te­men­te à pro­va de qual­quer po­rém, se viu sur­gir a pri­mei­ra bron­ca, do ti­po, no me­lhor pa­no cai a nó­doa, ou, usan­do um ver­ná­cu­lo mais ca­bo-ver­di­a­no, «fez com as mãos e des­man­chou com a pol­pa». Is­so gra­ças a um de­sen­ten­di­men­to fun­ci­o­nal que até ago­ra não se con­se­guiu apu­rar se sim­ples­men­te ma­te­ri­al, se gra­vo­sa­men­te cons­ti­tu­ci­o­nal. Di­to em re­su­mo, acon­te­ceu o PR vi­a­jar, e qu­an­do é as­sim ele é au­to­ma­ti­ca­men­te subs­ti­tuí­do pe­lo Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal que, tam­bém au­to­ma­ti­ca­men­te, sus­pen­de as su­as fun­ções de de­pu­ta­do e con­se­quen­te­men­te de pre­si­den­te do Par­la­men­to pa­ra se as­su­mir co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Ora des­sa vez não acon­te­ceu as­sim: o pre­si­den­te da As­sem­bleia não só não sus­pen­deu as su­as fun­ções, des­se mo­do jun­tan­do nu­ma só pes­soa a re­pre­sen­ta­ção de dois ór­gãos de so­be­ra­nia, co­mo pre­si­diu à reu­nião par­la­men­tar que apro­vou o or­ça­men­to do Es­ta­do pa­ra 2017. Que o pre­si­den­te não po­de pro­mul­gar por fra­gran­te vi­o­la­ção da lei fun­da­men­tal, aler­ta­ram qua­se to­dos. Mas o pre­si­den­te pro­mul­gou! Fez mui­to bem, dis­se­ram al­guns. Mas já se sa­be, on­de há dois ju­ris­tas há três opi­niões. En­tão a gran­de dú­vi­da pas­sou a ser a se­guin­te: a Cons­ti­tui­ção aco­lhe e dá co­ber­tu­ra à si­tu­a­ção de dois pre­si­den­tes nu­ma úni­ca pes­soa, ti­po sham­poo e mas­sa­gem em um só fras­co, ou de­ve­mos ver is­so co­mo mais uma in­ci­tan­te ca­bo­ver­du­ra a ape­lar-nos pa­ra uma de­mo­cra­cia fo­ra da Cons­ti­tui­ção, des­ta vez com o be­ne­plá­ci­to do pre­si­den­te da Cons­ti­tui­ção?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.