Ver, Ou­vir e Ler

Africa21 - - Aos Leitores - Con­tra­ban­do de Cin­zas Jo­sé Luiz Ta­va­res Es­cri­tu­ras Edi­to­ra, São Pau­lo, 2016

Jo­sé Luiz Ta­va­res (ilha de San­ti­a­go, Ca­bo Ver­de, 1967) apre­sen­ta-se ago­ra ao pú­bli­co bra­si­lei­ro com Con­tra­ban­do de Cin­zas. [Re­vi­si­ta­ção & Sú­mu­la]. Es­co­lha de po­e­mas fei­ta pe­lo pró­prio au­tor se­guin­do a li­ção poun­di­a­na dos «pun­ti lu­mi­no­si», a que acres­cen­tou um que ou­tro iné­di­to, es­ta sú­mu­la da obra de JLT dá bem a me­di­da de con­sis­tên­cia de uma das vo­zes mais ins­ti­gan­tes das cha­ma­das po­e­si­as em lín­gua por­tu­gue­sa es­cri­tas nos di­as de ho­je. Po­e­sia de ca­mo­ni­a­no res­so­ar e pen­dor clás­si­co, em re­ma­ne­jo ofi­ci­nal mais que de ape­nas uma con­tem­po­ra­nei­da­de de ver­sos con­tin­gen­tes, bo­ni­ti­nhos e ex­tre­ma­men­te bem aca­ma­dos uns so­bre os ou­tros e cain­do ma­ra­vi­lho­sa­men­te no pa­la­to da pou­ca exi­gên­cia lei­to­ra vi­gen­te, JLT re­ma­ne­ja a sua obra em poé­ti­co diá­lo­go in­ter­tex­tu­al com as po­e­si­as do mun­do e su­as «afi­ni­da­des ele­ti­vas», nu­ma atem­po­ra­li­da­de e, não ra­ro, sub­ver­são cri­a­do­ra. Sem dei­xar de ser ca­bo-verdiana a ma­triz e o hú­mus de que nas­ce e mui­to se ali­men­ta ca­da po­e­ma de JLT, o po­e­ta não se fe­cha ou fi­xa em fór­mu­las ou re­cei­tas do que de­ve ou não de­ve ser a po­e­sia afri­ca­na, ar­ran­can­do dos fun­dos dos vul­cões das su­as ilhas na­tais a pe­dra com que na­ve­ga de poé­ti­ca em poé­ti­ca, es­sa vi­a­gem li­da do mun­do den­tro do di­zer que o po­e­ta im­põe a si mes­mo em for­ma de po­e­ma. Mas é tam­bém uma po­e­sia de­vo­ra­do­ra, ca­ni­bal, ali­men­tan­do-se e trans­fun­din­do-se do que de poé­ti­co se apre­en­de nu­ma fo­to­gra­fia, num ver­so, na obra elei­ta do po­e­ta de ca­be­cei­ra. E é aí que re­si­de um dos seus mai­o­res fas­cí­ni­os e no­vi­da­de nes­tes tem­pos on­de a po­e­sia é a mais al­ta he­re­sia. A me­ta­fic­ção po­lí­ti­ca e amo­ro­sa (ver ed. de ou­tu­bro de 2015 des­ta re­vis­ta) A Ilha de Mar­tim Vaz, de Jo­nu­el Gon­çal­ves (no­me li­te­rá­rio de Jo­sé Ma­nu­el Gon­çal­ves), aca­ba em boa ho­ra, de­pois da edi­ção an­go­la­na da Mayam­ba Edi­to­ra em 2015, de sair em edi­ção por­tu­gue­sa pe­la Gu­er­ra e Paz. A tra­ma nar­ra­ti­va gi­ra em tor­no do acha­do, no Rio de Ja­nei­ro, aquan­do das obras pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos, de ma­nus­cri­tos dos sé­cu­los XV e XVII, cen­tran­do-se, con­tu­do, nes­te nos­so sé­cu­lo XXI, em es­ta­do de in­qui­ri­ção e no­tí­cia da­da da His­tó­ria e seus tão hu­ma­nos des­man­dos, co­mo é o ca­so da car­to­gra­fia so­bre a ro­ta dos na­vi­os ne­grei­ros dos sé­cu­los XV e XVIII em con­tra­pon­to com as ro­tas atu­ais da ca­tás­tro­fe dos re­fu­gi­a­dos de gu­er­ra que ten­tam atin­gir a Eu­ro­pa, fu­gi­dos de Áfri­ca e do Mé­dio Ori­en­te. Ela­bo­ra­do nu­ma es­cri­ta lím­pi­da e pra­ze­ro­sa, de so­bre­po­si­ção de tem­pos e de tra­mas nar­ra­ti­vas cons­tan­te, o amor-pai­xão sur­ge-nos co­mo me­tá­fo­ra pa­ra a fic­ção com­pro­me­ti­da com as múl­ti­plas re­sis­tên­ci­as hu­ma­nas, su­as lu­tas e seu en­se­jo de dig­ni­fi­ca­ção do ser hu­ma­no na sua ple­ni­tu­de. A Ilha de Mar­tim Vaz Jo­nu­el Gon­çal­ves Gu­er­ra e Paz, Edi­to­res, Lis­boa, 2017 é um ál­bum de de­se­nhos − com tex­tos en­tre tes­te­mu­nhais e de cir­cuns­tân­cia − de Jo­sé Go­mes, mais co­nhe­ci­do por Djo­sa (Co­vo­a­da, ilha de São Ni­co­lau, Ca­bo Ver­de, 1944-Lis­boa, 2016), ar­qui­te­to e ar­tis­ta plás­ti­co. A sua obra plás­ti­ca − o seu mais ín­ti­mo re­ser­va­tó­rio iden­ti­tá­rio e at­mos­fe­ra lím­pi­da pa­ra en­fren­tar os vá­ri­os exí­li­os e su­as sub­se­quen­tes ar­bi­tra­ri­e­da­des e con­tin­gên­ci­as −, pau­ta-se por uma lí­ri­ca nos­tal­gia te­lú­ri­ca, on­de a mi­gra­ção e o exí­lio não es­tão au­sen­tes, de ge­ne­ro­sís­si­mas vo­lu­me­tri­as das for­mas, po­rém de ir­re­pre­en­sí­veis pro­por­ções, on­de to­do o seu país es­tá in­tei­ro e vi­vo, pul­san­te da ver­da­de mai­or que é o olhar apre­en­de­dor e má­gi­co do ar­tis­ta. Be­lís­si­mos de­se­nhos pa­ra uma edi­ção cui­da­da, o ál­bum é um dos mais des­pu­do­ra­dos e cer­tei­ros ma­pas da car­to­gra­fia cul­tu­ral ca­bo-verdiana que já me foi da­do ver. Das brin­ca­dei­ras in­fan­tis à mú­si­ca e às dan­ças, nun­ca dei­xan­do de la­do o mun­do do tra­ba­lho ou o mun­do mais car­nal do amor, na­da é alheio ao lá­pis de Djo­sa.

Ter­ra, Pão & Mar

Djo­sa Tex­tos de Abraão Vi­cen­te, Fá­ti­ma Bet­ten­court, Fi­lin­to Elí­seo, Ger­ma­no Al­mei­da, Jor­ge Car­los Fon­se­ca e Leão Lo­pes Ro­sa de Por­ce­la­na Edi­to­ra, Lis­boa, 2016

Ca­ri­nho­so, um dos mais ce­le­bra­dos cho­ri­nhos bra­si­lei­ros de sem­pre, cum­pre nes­te ano da gra­ça de 2017 o seu cen­te­ná­rio de cri­a­ção. Mú­si­ca com­pos­ta em 1917, é seu au­tor Al­fre­do da Ro­cha Vi­a­na Fi­lho (Pi­xin­gui­nha), que a man­tém iné­di­ta du­ran­te mais de 10 anos, jus­ti­fi­can­do-se que «na­que­le tem­po o pes­so­al nos­so da mú­si­ca não ad­mi­tia cho­ro as­sim de du­as par­tes, cho­ro ti­nha que ter três par­tes. En­tão, eu fiz o Ca­ri­nho­so e en­cos­tei. To­car o Ca­ri­nho­so na­que­le meio, eu não to­ca­va... nin­guém ia acei­tar!» Ca­ri­nho­so foi gra­va­do, ape­nas ins­tru­men­tal­men­te, em 1928, pe­la Or­ques­tra Tí­pi­ca Pi­xin­gui­nha-Don­ga, pas­san­do a ter le­tra, de Car­los Al­ber­to Fer­rei­ra Bra­ga (João de Bar­ro ou Bra­gui­nha), em 1937. Pi­xin­gui­nha (Rio de Ja­nei­ro, 1897-1973) foi um ex­tra­or­di­ná­rio mú­si­co, ar­ran­ja­dor, ins­tru­men­tis­ta e com­po­si­tor, sen­do um dos mai­o­res re­pre­sen­tan­tes do cho­ro. O seu pri­mei­ro cho­ro, La­ta de Lei­te, foi com­pos­to aos 13 anos de ida­de e re­vo­lu­ci­o­nou a mú­si­ca da­que­la épo­ca. Ofer­te­mo-nos, nas mais de 200 gra­va­ções fei­tas de Ca­ri­nho­so des­de a sua pri­mei­ra ver­são can­ta­da, em 1937, até ho­je, uma de­las… Ca­ri­nho­so Pi­xin­gui­nha Não é fre­quen­te che­gar-se a um bar on­de ha­ja mú­si­ca ao vi­vo e de­pa­rar­mo-nos com um ex­tra­or­di­ná­rio com­po­si­tor e in­tér­pre­te, uma da­que­las vo­zes cu­ja en­to­a­ção, har­mo­nia e dic­ção nos fa­zem sus­pen­der o co­po e in­ter­rom­per a con­ver­sa pa­ra me­lhor nos en­can­tar­mos des­se ma­ra­vi­lha­men­to sú­bi­to em for­ma de can­to su­bli­nha­do a cor­das de vi­o­lão ba­ti­das exem­plar­men­te. Cha­ma-se Má­rio Cor­reia, ca­bo-verdiano nas­ci­do na ilha de San­ti­a­go em 1952, e, pa­ra além de rein­ven­tar na sua pes­so­a­lís­si­ma, be­la, co­mo­ven­te e cer­tei­ra in­ter­pre­ta­ção al­guns clás­si­cos que a voz de Ce­sá­ria Évo­ra co­lo­cou no mais al­to das li­nhas do ho­ri­zon­te, co­mo a po­pu­lar Lua Va­ga­bun­da de Es­pa­ço, can­tou al­gu­mas das su­as com­po­si­ções, de que des­ta­co aque­la Co­bé Ca­ba­lo, joia ra­ra. Acon­te­ce, po­rém, que Má­rio Cor­reia não tem obra gra­va­da. Ha­ve­rá por aí al­gu­ma edi­to­ra dis­co­grá­fi­ca que se aven­tu­re a dar aos ares do mun­do, mais uma das mag­ni­fi­cên­ci­as das ilhas: a voz, o ta­len­to e o vi­o­lão ca­bo­ver­di­a­no de Má­rio Cor­reia? Má­rio Cor­reia Em ce­ri­mó­nia na Ope­ra Hou­se, pre­si­di­da pe­lo mi­nis­tro da Cul­tu­ra do Egip­to, fo­ram anun­ci­a­dos, a 24 de no­vem­bro de 2016, os ven­ce­do­res do 38.º Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Ci­ne­ma do Cai­ro. O ci­ne­as­ta gaú­cho-mo­çam­bi­ca­no Li­cí­nio de Aze­ve­do, que par­ti­ci­pa­ra na com­pe­ti­ção ofi­ci­al com o fil­me Com­boio de Sal e Açú­car, ven­ceu o pré­mio de Me­lhor Re­a­li­za­dor (Pré­mio Sil­ver Py­ra­mid) atri­buí­do por um jú­ri pre­si­di­do pe­lo ci­ne­as­ta ale­mão Ch­ris­ti­an Pet­zold e que in­cluía per­so­na­li­da­des do mun­do do ci­ne­ma do Egi­to, Po­ló­nia, EUA, Aus­trá­lia, Jor­dâ­nia, Ma­li e Chi­na. O fil­me, que tem num dos prin­ci­pais pa­péis o ator an­go­la­no Ma­tam­ba Jo­a­quim, foi o úni­co re­pre­sen­tan­te da Áfri­ca sub­sa­ri­a­na na com­pe­ti­ção ofi­ci­al, on­de con­cor­reu com pro­du­ções de di­ver­sos paí­ses eu­ro­peus co­mo Fran­ça, Es­pa­nha, Re­pú­bli­ca Che­ca, Po­ló­nia, Hun­gria, Geór­gia; de paí­ses ára­bes co­mo Ar­gé­lia, Egi­to, Qa­tar; e ain­da da Ín­dia e da Chi­na. Com­boio de Sal e Açú­car Re­a­li­za­ção: Li­cí­nio de Aze­ve­do Gé­ne­ro: Dra­ma Em Ou­vrir la Voix (Abrir a Voz), o do­cu­men­tá­rio da re­a­li­za­do­ra afro-fe­mi­nis­ta fran­ce­sa Aman­di­ne Gay, uma vin­te­na de mu­lhe­res ne­gras testemunha da sua im­pos­si­bi­li­da­de de vi­ver sem que ha­ja sem­pre a seu la­do quem as lem­bre di­a­ri­a­men­te que elas não são bran­cas e, por is­so mes­mo, ja­mais se­rão ple­na­men­te eu­ro­pei­as. Por­que exis­te a ine­vi­tá­vel ques­tão so­bre as ori­gens: «De on­de vens?», cu­jas ex­pe­ri­ên­ci­as de se­gre­ga­ções as mais di­ver­sas, do ra­cis­mo a tra­ta­men­tos gi­ne­co­ló­gi­cos e seus com­ba­tes são aqui nar­ra­dos na pri­mei­ra pes­soa, pro­van­do que ca­da uma de­las não era ape­nas um cor­po ne­gro mas tam­bém um es­pí­ri­to bri­lhan­te, ca­paz de de­ci­dir «não vol­tar a pas­sar a sua vi­da a de­se­jar ser o in­ver­so de um cli­ché». Eé a pró­pria re­a­li­za­do­ra quem cha­ma a aten­ção pa­ra o fac­to de es­te do­cu­men­tá­rio ser tam­bém ex­tre­ma­men­te in­có­mo­do pa­ra as pró­pri­as mi­no­ri­as que re­tra­ta e a quem pri­mei­ro se des­ti­na. Aman­di­ne Gay, 32 anos de ida­de, exi­lou-se em Mon­tre­al, no Ca­na­dá, com o pro­pó­si­to de aí pros­se­guir as su­as pes­qui­sas e re­a­li­zar fil­mes de te­má­ti­cas li­ga­das às mi­no­ri­as e ao ra­cis­mo. Ou­vrir la Voix (Abrir a Voz) Re­a­li­za­ção: Aman­di­ne Gay Gé­ne­ro: Do­cu­men­tá­rio

Ter­ra, Pão & Mar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.