Li­vro do Mês

A obra de fic­ção do es­cri­tor mo­çam­bi­ca­no João Pau­lo Bor­ges Co­e­lho tem vin­do a cons­truir-se com uma so­li­dez pou­co vul­gar nos ho­ri­zon­tes fic­ci­o­nais de lín­gua por­tu­gue­sa, num re­gis­to de po­li­fo­nia(s) na­tu­rais e ex­pe­di­tas, on­de é a pró­pria tra­ma nar­ra­ti­va, com

Africa21 - - Aos Leitores - ZETHO CU­NHA GON­ÇAL­VES

Avoz fic­ci­o­nal de João Pau­lo Bor­ges Co­e­lho (n. 1955) não é uma voz ex­pec­tá­vel ou de­te­tá­vel no ime­di­a­to de um fu­gi­dio olhar de cru­za­da lei­tu­ra, mas uma so­ma de vo­zes que se adap­tam e mol­dam a ca­da te­ma que a fic­ção ela-mes­ma im­po­nha em seu mais ri­go­ro­so re­gis­to ma­te­ri­al. Nes­te sen­ti­do, a es­cri­ta fic­ci­o­nal de JPBC é uma es­cri­ta que se não re­ge por uma for­ma con­quis­ta­da ar­du­a­men­te (ou não), em cu­ja for­ma o au­tor per­sis­tis­se de obra pa­ra obra co­mo uma mais-va­lia, um cha­ma­riz prin­ci­pes­co ao gu­tu­ral aplau­so me­di­a­no, mas an­tes se afir­ma pe­la não con­ces­são ao fá­cil e bo­ni­ti­nho co­mo uma es­cri­ta que sai ex­tra­po­la­da e úni­ca (po­rém, plu­ral e cons­tan­te­men­te re­vi­go­ra­da) da es­cri­ta de in­ven­ção fic­ci­o­nal con­tem­po­râ­nea em lín­gua por­tu­gue­sa. Uma voz ím­par e des­con­cer­tan­te, des­cen­tra­da de si e das ad­ja­cên­ci­as por que tam­bém se mo­ve e con­tra­põe, afir­man­do-se ple­na e au­to­ral, inequí­vo­ca. Água. Uma No­ve­la Ru­ral é a mais re­cen­te cri­a­ção li­te­rá­ria de JPBC. Ten­do as in­qui­e­tan­tes mu­ta­ções cli­má­ti­cas co­mo pon­to de par­ti­da e pre­tex­to pa­ra a sua ma­te­ri­a­li­za­ção fic­ci­o­nal, a tra­ma nar­ra­ti­va vai-se cons­truin­do nu­ma me­di­ta­ção em con­fron­to en­tre a an­ces­tra­li­da­de e a mo­der­ni­da­de, a sa­be­do­ria e o co­nhe­ci­men­to, o trá­gi­co e o su­bli­me, o amor-pai­xão e a mor­te, mas tam­bém tra­zen­do à su­per­fí­cie do ple­na­men­te nar­ra­do a cor­rup­ção dos se­res di­an­te de si­tu­a­ções-li­mi­te. Es­tru­tu­ran­do es­te seu ro­man­ce lí­ri­co e iró­ni­co, sar­cás­ti­co e afe­tu­o­so, te­lú­ri­co e pres­ci­en­te, in­da­ga­dor e pres­ti­di­gi­ta­dor, inau­gu­ral e lím­pi­do, em ca­pí­tu­los breves, num tom de mag­ni­tu­de poé­ti­ca co­mo se não en­con­tra­va ain­da em re­gis­to na sua an­te­ri­or es­cri­ta, vai o au­tor nar­ran­do es­tó­ri­as pa­ra­le­las que, não ra­ro, se en­tre­cru­zam, fluin­do e re­fluin­do. E es­sa con­tra­di­ta é um dos fas­cí­ni­os e en­can­ta­men­tos mai­o­res des­ta obra ver­ti­gi­no­sa, cu­ja lei­tu­ra vai le­van­do ou em­pur­ran­do o lei­tor pa­ra um lu­gar ca­da vez mais fe­cha­do, ra­re­fei­to, claus­tro­fó­bi­co, con­cen­tra­ci­o­ná­rio, que é jus­ta­men­te o seu po­der de se­du­ção mais se­gu­ro, a que ne­nhum lei­tor dig­no des­se no­me re­sis­te, sen­do es­sa mes­ma claus­tro­fo­bia con­cen­tra­ci­o­ná­ria o que im­pe­de o lei­tor de se de­ter ou aban­do­nar a lei­tu­ra e seu de­gus­ta­ti­vo pra­zer, em per­ma­nen­te es­ta­do da mais ben­fa­ze­ja in­qui­e­tu­de e de­ci­fra­ção. E a ca­pa­ci­da­de des­se dom, na cri­a­ção li­te­rá­ria de fic­ção e de in­ven­ção fic­ci­o­nal, es­se es­pa­ço ca­da vez mais ra­re­fei­to e qua­se que ir­res­pi­rá­vel pa­ra o lei­tor (que é o que, em úl­ti­ma ins­tân­cia, o faz man­ter-se vi­vo e pros­se­guir-

Uma voz ím­par e des­con­cer­tan­te, des­cen­tra­da de si e das ad­ja­cên­ci­as por que tam­bém se mo­ve e con­tra­põe, afir­man­do-se ple­na e au­to­ral, inequí­vo­ca.

-se vi­da na lei­tu­ra), só lhe en­con­tro pa­ra­le­lo em Pe­dro Pá­ra­mo, do me­xi­ca­no Ju­an Rul­fo (1917-1986), e na Ba­la­da da Praia dos Cães, do por­tu­guês e mes­tre mai­or da pro­sa, Jo­sé Car­do­so Pires (1925-1998) – o que não é di­zer pou­co. JPBC é um au­tor que se não coí­be de cor­rer ris­cos, que faz da es­cri­ta um ato de cri­a­ção on­de o di­zer se não res­trin­ge ao ar­ru­mar bo­ni­ti­nho e co­pi­a­do ou imi­ta­do com tre­jei­tos de ta­len­to, do já vis­to e fei­to por me­di­da ao bem-ca­lhar do pa­la­to lei­tor. JPBC não cai nun­ca na fa­ci­li­da­de fol­cló­ri­ca e/ou na­que­le exo­tis­mo afri­ca­no, tão do gos­to eu­ro­peu e su­as ad­ja­cên­ci­as mer­can­tis. A con­tra­pe­lo do

Água. Uma No­ve­la Ru­ral é in­ques­ti­o­na­vel­men­te um dos me­lho­res ro­man­ces em lín­gua por­tu­gue­sa pu­bli­ca­dos em 2016

vi­gen­te gos­to e ca­nó­ni­co aplau­so, vai o au­tor con­tra­pon­do as pes­qui­sas e lei­tu­ras do uni­ver­so de dois áu­gu­res, Ryo e La­a­ma, que «pas­sam me­ta­de do tem­po a son­dar as en­tra­nhas da na­tu­re­za, a ou­tra me­ta­de a dis­cu­tir a in­ter­pre­ta­ção dos re­sul­ta­dos», com as mais mo­der­nas tec­no­lo­gi­as com­pu­ta­ci­o­nais de pre­vi­são meteorológica, sur­gin­do co­mo es­pa­ço de in­ter­sec­ção nar­ra­ti­vo um te­le­fo­ne ce­lu­lar – tam­bém ele per­so­na­gem ro­ma­nes­ca, aqui, não des­pi­ci­en­da. Me­tá­fo­ra das re­la­ções en­tre o hu­ma­no e a Na­tu­re­za, su­as res­pi­ra­ções, mo­du­la­ções e cam­bi­an­tes, e en­tre o hu­ma­no e a sua me­di­da bre­ve de vi­da so­bre a Vi­da e o mun­do, A Água. Uma No­ve­la Ru­ral é per­cor­ri­da, tam­bém, pe­lo cres­cen­do de pai­xões que es­po­le­tam so­bre­tu­do da par­te do en­ge­nhei­ro Wa­as­ser − o es­tran­gei­ro que che­ga pa­ra col­ma­tar as fal­tas de água nos ri­os com a aber­tu­ra de fu­ros de cap­ta­ção ou atra­vés do seu trans­por­te em ca­miões-cis­ter­nas −, em re­la­ção a Ma­a­ra, a prin­ci­pal per­so­na­gem, e que trans­for­mam len­ta­men­te to­do o cur­so dos acon­te­ci­men­tos, mo­di­fi­can­do por com­ple­to o quo­ti­di­a­no do lu­gar e su­as gen­tes. Ryo e La­a­ma, as per­so­na­gens que per­so­ni­fi­cam aqui a an­ces­tra­li­da­de cul­tu­ral e a mais res­pei­tá­vel sa­be­do­ria co­le­ti­va her­da­da dos seus mais-ve­lhos, são co­mo que o al­ter-ego do au­tor, por quem faz dis­cor­rer, em diá­lo­gos e con­fron­tos en­tre si e tu­do qu­an­to os en­vol­ve, a pró­pria enun­ci­a­ção do seu ma­ra­vi­lho­so di­zer fic­ci­o­nal, da sua tra­ma, co­mo que se subs­ti­tuin­do à pró­pria voz do nar­ra­dor, por­que, «pi­or que não sa­ber ler le­tras es­cri­tas é não sa­ber ler as le­tras da vi­da!» E o fac­to é que re­si­de em Ryo e La­a­ma, nas su­as di­a­tri­bes cons­tan­tes, o cen­tro ir­ra­di­an­te des­ta obra de JPBC, on­de o ques­ti­o­nar da mo­der­ni­da­de pe­ran­te a cul­tu­ra an­ces­tral e vi­ce-ver­sa são uma cons­tan­te de con­fron­to e de ilu­mi­na­ção de uma e de ou­tra nu­ma apre­en­são mul­tí­mo­da, e não ra­ro con­tra­di­tó­ria, por e pa­ra ca­da uma das per­so­na­gens. A ca­rac­te­ri­za­ção e cons­tru­ção das per­so­na­gens fe­mi­ni­nas, com Ma­a­ra rei­nan­do so­be­ra­na, He­e­ra, Flo­or e a ve­lha Ca­a­na, é de uma con­sis­tên­cia in­ques­ti­o­ná­vel, e uma lou­va­ção à sua co­ra­gem e de­ter­mi­na­ção con­tra as ad­ver­si­da­des inu­me­rá­veis que se lhes im­põem, mas tam­bém ao seu po­der e lu­gar na so­ci­e­da­de em es­ta­do de des­mo­ro­na­men­to – a qual cul­mi­na­rá, no ro­man­ce, com uma tem­pes­ta­de di­lu­vi­a­na ter­rí­vel, pro­vo­can­do chei­as, des­trui­ção e mor­tes, nar­ra­das em dis­tin­tos re­gis­tos e rit­mos nar­ra­ti­vos, nu­ma lin­gua­gem ver­ti­gi­no­sa, cru­el, vi­o­len­ta, acu­ti­lan­te.

BI­BLI­O­GRA­FIA: Ro­man­ce e no­ve­la: As Du­as Som­bras do Rio, 2003; As Vi­si­tas do Dr. Val­dez, 2004; Ín­di­cos In­dí­ci­os I. Se­ten­trião, 2005; Ín­di­cos In­dí­ci­os II. Me­ri­dião, 2005; Cró­ni­ca da Rua 513.2, 2006; Cam­po de Trân­si­to, 2007; Hinyam­ba­an, 2008; O Olho de Hert­zog, 2010; Ci­da­de dos Es­pe­lhos, 2011; Rai­nhas da Noi­te, 2013; Água. Uma No­ve­la Ru­ral, 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.