Mu­niz So­dré

Africa21 - - Aos Leitores -

Jja­nei­ro dá no­me ao pri­mei­ro mês do ano por ho­me­na­gem a um deus bi­fron­te, Ja­no, que sim­bo­li­za­va pa­ra os ro­ma­nos as tran­si­ções e as mu­dan­ças, com no­tá­vel po­der so­bre os co­me­ços: uma fa­ce olha pa­ra a fren­te, a ou­tra pa­ra trás. Pois bem, ago­ra de­pen­du­ra­da nu­ma ban­ca de jor­nais, des­ta­ca-se aos olhos dos pas­san­tes a ca­pa de ja­nei­ro de uma ex­ce­len­te re­vis­ta men­sal bra­si­lei­ra, em que de­zoi­to per­so­na­gens da vi­da pú­bli­ca na­ci­o­nal, ves­ti­dos de pre­si­diá­ri­os, exe­cu­tam um pas­so de dan­ça com ta­ças de cham­pa­nhe nas mãos, cha­péus fes­ti­vos nas ca­be­ças, no­tas de di­nhei­ro es­vo­a­çan­tes e bar­ras de pri­são ao fun­do. São po­lí­ti­cos, bu­ro­cra­tas e em­pre­sá­ri­os po­de­ro­sos – to­dos na ca­deia. A fa­ce de Ja­no vol­ta­da pa­ra trás avis­ta for­ço­sa­men­te o ano de 2016, quan­do o Po­der Ju­di­ciá­rio, mo­vi­men­ta­do prin­ci­pal­men­te por agen­tes do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de­sen­ca­de­ou uma das ope­ra­ções mais in­qui­e­tan­tes da his­tó­ria na­ci­o­nal, a La­va-Ja­to. Por que in­qui­e­tan­tes? É que, apa­ren­te­men­te, des­faz-se pou­co a pou­co uma ima­gem de po­vo na­ci­o­nal cul­ti­va­da há cer­ca de um sé­cu­lo por mi­to­lo­gi­as – for­mas nar­ra­ti­vas, len­das, re­la­tos his­tó­ri­cos, obras li­te­rá­ri­as, te­le­no­ve­las – pro­du­zi­das pa­ra uso in­ter­no e ex­ter­no. Que ima­gem? Que po­vo? Sem dú­vi­da, o le­ga­do da es­tru­tu­ra lu­so-pa­tri­mo­ni­al, de on­de pro­vém uma his­tó­ria so­bre a na­ção bra­si­lei­ra, em que es­ta apa­re­ce ca­rac­te­ri­za­da por tra­ços de uma mes­ma for­ma so­ci­al. Ne­la tu­do con­cor­re­ria pa­ra a mes­ti­ça­gem de ele­men­tos he­te­ro­gê­ne­os. E na va­ri­e­da­de dos re­la­tos, a so­lu­ção de com­pro­mis­so e a tran­si­gên­cia, cons­ti­tui­ri­am um po­lo de cris­ta­li­za­ção de iden­ti­da­de na­ci­o­nal. O pa­tri­mo­ni­a­lis­mo bra­si­lei­ro é de fa­to a rein­ter­pre­ta­ção só­cio-po­lí­ti­co-cul­tu­ral des­se ethos lu­so de tran­si­gên­cia e per­me­a­ção, trans­mi­ti­do por tra­ços ma­ni­fes­tos e la­ten­tes na di­nâ­mi­ca per­pe­tu­a­da pe­lo po­der de Es­ta­do co­mo se es­te fos­se uma ca­pi­ta­nia he­re­di­tá­ria. O «jei­ti­nho», as fá­bu­las do «ho­mem cor­di­al», do «ca­rá­ter pa­cí­fi­co», da «cons­ci­ên­cia não-ra­cis­ta» são fi­gu­ras sen­sí­veis des­se jo­go de po­der. «Ora, to­da es­sa for­ma ma­cia de do­mi­na­ção co­briu-se sem­pre de um en­vol­tó­rio «éti­co», por­tan­to, da su­po­si­ção de uma «so­ci­e­da­de de se­res mo­rais». Ain­da que sem­pre se sou­bes­se da cor­rup­ção e da pi­lha­gem, o ar­gu­men­to da éti­ca to­ma co­mo ques­tão úl­ti­ma o re­la­ci­o­na­men­to en­tre cons­ci­ên­cia mo­ral e so­ci­e­da­de. Em­bo­ra di­fí­cil de ser for­mu­la­da, a éti­ca é, no en­tan­to, al­go de con­cre­to, pos­to em re­la­ção com a co­mu­ni­da­de, en­ten­di­da co­mo o lu­gar da re­ci­pro­ci­da­de en­tre os ato­res da vi­da so­ci­al. Ago­ra pa­re­ce acon­te­cer o fim de quais­quer com­pro­mis­sos mo­rais das clas­ses di­ri­gen­tes pa­ra com a vi­da so­ci­al. Não se tra­ta ape­nas de po­lí­ti­cos pro­fis­si­o­nais, mas tam­bém de li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as, ins­ti­tu­ci­o­nais e em­pre­sa­ri­ais. O nos­so ana­crô­ni­co Es­ta­do-Na­ção, sem­pre inep­to na for­mu­la­ção de um pro­je­to na­ci­o­nal autô­no­mo, con­ti­nua a ser re­fém dos her­dei­ros pa­tri­mo­ni­ais, se­jam eles os do­nos do sis­te­ma fi­nan­cei­ro ou dos la­ti­fún­di­os pro­du­ti­vos ou en­tão os gran­des em­pre­sá­ri­os. A atu­al am­pli­a­ção da inép­cia aca­bou ca­van­do es­pa­ço pa­ra aqui­lo que gre­gos cha­ma­vam de hy­bris, is­to é, o des­con­tro­le ou a des­me­di­da da cor­rup­ção. Co­mo foi pos­sí­vel in­ter­vir nes­se es­cân­da­lo de es­tru­tu­ra? Co­mo foi pos­sí­vel me­ter «her­dei­ros» na ca­deia? A res­pos­ta de­man­da uma aná­li­se mais lon­ga, mas é viá­vel co­me­çar le­van­do em con­ta que o Es­ta­do li­be­ral dis­põe de su­fi­ci­en­te ma­le­a­bi­li­da­de pa­ra des­lo­car, em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos, o ei­xo da for­ça de­ci­só­ria. No vá­cuo po­lí­ti­co e mo­ral, tan­to do Exe­cu­ti­vo qu­an­to do Le­gis­la­ti­vo, o Ju­di­ciá­rio com to­das as su­as ex­ten­sões de in­ves­ti­ga­ção e de­nún­cia vem-se eri­gin­do em «Po­der Cor­re­tor». Não con­se­gue cer­ta­men­te che­gar ao país «re­al», on­de a vi­o­lên­cia já se tor­nou pan­dê­mi­ca. Ja­no não pre­ci­sou olhar pa­ra trás a fim de ver a des­me­di­da da vi­o­lên­cia nas ru­as e nas pri­sões: ja­nei­ro foi um mês pre­o­cu­pan­te. E a ou­tra fa­ce da di­vin­da­de tal­vez não quei­ra se­quer abrir os olhos pa­ra ver o que es­tá à fren­te.

O pa­tri­mo­ni­a­lis­mo bra­si­lei­ro é de fa­to a rein­ter­pre­ta­ção só­cio-po­lí­ti­co-cul­tu­ral des­se ethos lu­so de tran­si­gên­cia e per­me­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.