João Me­lo

Africa21 - - Aos Leitores - jo­a­o­me­lo55@hot­mail.com JOÃO ME­LO

Há um te­ma que me in­co­mo­da de há uns tem­pos a es­ta par­te: o com­ple­xo de su­pe­ri­o­ri­da­de mo­ral por par­te de cer­tos in­te­lec­tu­ais eu­ro­peus e ou­tros mem­bros das eli­tes do ve­lho con­ti­nen­te, com des­ta­que pa­ra de­ter­mi­na­dos «jor­na­lis­tas». As as­pas são de­li­be­ra­das, pois mui­tos de­les es­que­cem-se que são sim­ples co­mu­ni­ca­do­res, o mes­mo é di­zer, in­ter­me­diá­ri­os – cu­ja fun­ção, por­tan­to, é me­di­ar os di­fe­ren­tes ato­res so­ci­ais, dar-lhes voz, pô-los a fa­lar en­tre si –, ar­vo­ran­do-se, em vez dis­so, em po­lí­ci­as, acu­sa­do­res e juí­zes, em al­guns ca­sos, e, nou­tros, em «estrelas» (mui­tas ve­zes, a ten­dên­cia pa­ra a «es­pe­ta­cu­la­ri­za­ção» mis­tu­ra-se com o afã po­li­ci­a­les­co e pi­des­co). Por ve­zes, tais «jor­na­lis­tas» li­mi­tam-se a ser ma­ni­pu­la­dos e ins­tru­men­ta­li­za­dos pe­las fon­tes, nor­mal­men­te li­ga­das a po­de­ro­sos in­te­res­ses po­lí­ti­cos, eco­nó­mi­cos, di­plo­má­ti­cos, cul­tu­rais e so­ci­ais, mas, pre­sos ao seu pró­prio um­bi­go, nem se dão con­ta. A ten­dên­cia pa­ra os «jor­na­lis­tas» dei­xa­rem de cul­ti­var fon­tes re­al­men­te pró­pri­as, li­mi­tan­do-se a aguar­dar que os dos­si­ês or­ga­ni­za­dos ex­ter­na­men­te lhes cai­am em ci­ma da me­sa é ca­da vez mais o dia a dia das re­da­ções. Cha­mar, pois, «jor­na­lis­mo in­ves­ti­ga­ti­vo» (?) à me­ra reprodução de fu­gas de in­for­ma­ção mas­si­vas é, pa­ra ser sim­pá­ti­co, um exem­plo de até on­de po­de ir a li­ber­da­de cri­a­ti­va. O qua­se «es­cân­da­lo» que fez re­cen­te­men­te um jor­nal por­tu­guês bem pen­san­te acer­ca do exí­lio do ex-Pre­si­den­te gam­bi­a­no, Yahya Jam­meh, na Gui­né Equa­to­ri­al, é um en­tre mui­tos exem­plos des­se com­ple­xo de su­pe­ri­o­ri­da­de mo­ral das eli­tes oci­den­tais em ge­ral e eu­ro­pei­as em par­ti­cu­lar. Jam­meh, um lí­der au­to­crá­ti­co que go­ver­nou a Gâm­bia du­ran­te 22 anos, foi for­ça­do pe­los paí­ses da CEDEAO a dei­xar o po­der, o que ele se re­cu­sa­va a fa­zer mes­mo de­pois de der­ro­ta­do nas ur­nas no dia 1 de de­zem­bro do ano pas­sa­do. O iné­di­to acon­te­ci­men­to va­le por si só, pois é a pri­mei­ra vez que is­so acon­te­ce em Áfri­ca. No res­to do mun­do, tam­bém não é mui­to fre­quen­te. Acon­te­ce que, no âm­bi­to do acor­do que per­mi­tiu que o an­te­ri­or Pre­si­den­te en­tre­gas­se pa­ci­fi­ca­men­te o po­der ao seu su­ces­sor, Jam­meh foi au­to­ri­za­do a exi­lar-se na Gui­né Equa­to­ri­al. O fac­to foi con­si­de­ra­do pe­lo jor­nal em ques­tão uma «pro­va» da au­sên­cia de de­mo­cra­cia em Áfri­ca, da cul­tu­ra au­to­ri­tá­ria e di­ta­to­ri­al que, su­pos­ta­men­te, pre­do­mi­na no con­ti­nen­te, is­to é, da in­fe­ri­o­ri­da­de ci­vi­li­za­ci­o­nal dos afri­ca­nos. Uma con­clu­são que não é ape­nas al­ta­men­te abu­si­va: é bur­ra. Com efei­to, sa­be­rá a au­to­ra des­se ar­ti­go o que acon­te­ceu, por exem­plo, com o an­ti­go di­ta­dor por­tu­guês Mar­ce­lo Ca­e­ta­no, der­ru­ba­do pe­lo Mo­vi­men­to das For­ças Ar­ma­das (MFA) a 25 de Abril de 1974? Foi pre­so, jul­ga­do e con­de­na­do? Foi mor­to? Não. Os mi­li­ta­res re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os que to­ma­ram o po­der na­que­la his­tó­ri­ca da­ta au­to­ri­za­ram a sua saí­da de Por­tu­gal pa­ra o Bra­sil, on­de vi­veu exi­la­do até ao fim dos seus di­as. O mes­mo, pre­ci­sa­men­te, que aca­bam de fa­zer as no­vas li­de­ran­ças da Gâm­bia, apoi­a­das pe­los paí­ses mem­bros da CEDEAO. A pre­ten­sa li­ção de mo­ral aos afri­ca­nos en­sai­a­da pe­lo jor­nal por­tu­guês, a pro­pó­si­to do exí­lio de Yahya Jam­meh na Gui­né Equa­to­ri­al, é ape­nas mais uma con­fir­ma­ção da po­lí­ti­ca de dois pe­sos e du­as me­di­das pra­ti­ca­da pe­las eli­tes eu­ro­pei­as em ge­ral, se­jam elas po­lí­ti­cas, in­te­lec­tu­ais, eco­nó­mi­cas ou quais­quer ou­tras. En­tre­tan­to, bas­ta re­cor­dar a his­tó­ria eu­ro­peia – as guer­ras in­ter­mi­ná­veis, a intolerância re­li­gi­o­sa, as cru­za­das, o co­lo­ni­a­lis­mo, a es­cra­va­tu­ra, o ge­no­cí­dio, o na­zis­mo – pa­ra di­zer na ca­ra des­sas eli­tes que não têm li­ções de mo­ral a dar a nin­guém. E não se di­ga que is­so é pas­sa­do, pois os ve­lhos de­mó­ni­os eu­ro­peus pa­re­cem es­tar de vol­ta. Os que nos acon­se­lha­ram a nós, an­go­la­nos, em 2002, a não apro­var a lei de am­nis­tia que per­do­a­va os cri­mes de gu­er­ra co­me­ti­dos pe­la UNITA de­pois da ins­tau­ra­ção da de­mo­cra­cia dez anos an­tes; os man­dan­tes do as­sas­si­na­to de Mu­am­mar Kadha­fi, mor­to co­mo um cão nas ru­as de Trí­po­li; ou aque­les que, ho­je, fe­cham as fron­tei­ras da Eu­ro­pa aos mi­gran­tes es­tran­gei­ros, de­pois de mi­lhões dos seus an­ces­trais te­rem si­do aco­lhi­dos, so­bre­tu­do, em Áfri­ca e nas Amé­ri­cas – to­dos es­ses «su­pre­ma­cis­tas mo­rais» não pas­sam de me­ros fa­ri­seus, que de­vem ser al­ta­nei­ra­men­te ig­no­ra­dos.

An­tes de da­rem li­ções aos ou­tros po­vos, as eli­tes eu­ro­pei­as de­vem olhar pa­ra a sua pró­pria his­tó­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.