“A fór­mu­la da ati­vi­da­de po­lí­ti­ca fei­ta por par­ti­dos não re­sul­ta no mun­do de ho­je”

Africa21 - - Aos Leitores - JOãO BELISARIO

Mi­li­tan­te do MPLA, lu­ta­dor pe­la independência de An­go­la, go­ver­nan­te no pós-independência, aban­do­nou a vi­da po­lí­ti­ca or­gâ­ni­ca e ab­di­cou de quais­quer car­gos ofi­ci­ais pa­ra se de­di­car em tem­po in­tei­ro à es­cri­ta. Mas con­ti­nua aten­to ao fun­ci­o­na­men­to da so­ci­e­da­de, em An­go­la e no mun­do. Em An­go­la, diz que po­de ser da­do o be­ne­fí­cio da dú­vi­da à mu­dan­ça anun­ci­a­da pe­lo MPLA, com a in­di­ca­ção de João Lourenço pa­ra su­ce­der a Jo­sé Edu­ar­do. No mun­do, con­si­de­ra a elei­ção de Donald Trump uma far­sa e acha que é pre­ci­so en­con­trar no­vos mo­de­los pa­ra a ati­vi­da­de po­lí­ti­ca.

Fa­cul­da­de de Ar­qui­te­tu­ra. Nos anos 1980, qu­an­do co­me­cei a dar au­las, eu sem­pre per­gun­ta­va «quem é que já leu um livro que não se­ja re­la­ci­o­na­do com o cur­so?». Ha­via mui­ta gen­te que di­zia «eu li As Aven­tu­ras de Ngun­ga, eu li o Mayom­be», fa­la­vam dos meus li­vros ou, por exem­plo, do Ma­nu­el Rui Monteiro, Quem me de­ra ser on­da. Até que, nos úl­ti­mos tem­pos, era ra­rís­si­mo ver al­guém que ti­ves­se li­do al­gu­ma coi­sa. Is­so por­que não são es­ti­mu­la­dos des­de o en­si­no mé­dio ou do en­si­no de ba­se. Por­tan­to, há uma di­mi­nui­ção de lei­to­res mais no­vos. Há os mais ve­lhos, gen­te de 50, 60 anos e tal. Es­ses se man­têm e vão apa­re­cen­do uns ou ou­tros no­vos, an­go­la­nos, mas é so­bre­tu­do pes­so­as que es­tu­da­ram fo­ra.

Co­mo vê a li­te­ra­tu­ra an­go­la­na atu­al­men­te? Além dos mais ve­lhos e dos que sur­gi­ram mais tar­de com as bri­ga­das jo­vens de li­te­ra­tu­ra, há no­vi­da­des no pa­no­ra­ma li­te­rá­rio an­go­la­no?

As­sim coi­sa que se­ja di­fe­ren­te, não. É um pou­co a con­ti­nu­a­ção, com te­mas de atu­a­li­da­de ou de in­fluên­cia do es­tran­gei­ro ou uma es­pé­cie de li­te­ra­tu­ra do rap ou o rap da li­te­ra­tu­ra. Uma ten­ta­ti­va de mo­der­ni­za­ção ao la­do da des­cons­tru­ção de coi­sas. Mas is­so é mais de gen­te que an­da por fo­ra. Na ver­da­de, eu já não con­si­go ler tu­do, sai mui­ta coi­sa cons­tan­te­men­te. Têm apa­re­ci­do pes­so­as que eu con­si­de­ro, mas só qu­an­do têm 40 anos é que a pes­soa co­me­ça a che­gar, já não co­mo an­tes que aos 30, e até mais ce­do, já se era co­nhe­ci­do. Há o ca­so do Ond­ja­ki, que ir­rom­peu aos vin­te e pou­cos, o Agua­lu­sa an­tes, mas são ex­ce­ções. Há uma sé­rie de es­cri­to­res bons, o pro­ble­ma é que não são

Não há ne­nhum in­cen­ti­vo nas es­co­las pa­ra que os alu­nos lei­am

co­nhe­ci­dos. O pú­bli­co é pe­que­no, mui­to pe­que­no, mes­mo pa­ra An­go­la. Es­cri­to­res que nun­ca saí­ram de An­go­la se­quer e es­cre­vem so­bre a atu­a­li­da­de an­go­la­na que po­dia in­te­res­sar às ge­ra­ções mais jo­vens.

A que se de­ve is­so?

O pro­ble­ma é mes­mo do en­si­no que não in­cen­ti­va mi­ni­ma­men­te os jo­vens pa­ra a lei­tu-

Opinions

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.