PE­PE­TE­LA

Africa21 - - Aos Leitores -

Ar­tur Car­los Maurício Pes­ta­na dos San­tos nas­ceu a 29 de ou­tu­bro de 1941, em Ben­gue­la, on­de fez os es­tu­dos pri­má­ri­os. Con­cluiu os se­cun­dá­ri­os em Lu­ban­go, par­tin­do em 1958, pa­ra Lis­boa on­de fre­quen­tou o Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Téc­ni­co e par­ti­ci­pou em ati­vi­da­des li­te­rá­ri­as e po­lí­ti­cas na Ca­sa dos Es­tu­dan­tes do Im­pé­rio. Em 1962, saiu de Por­tu­gal pa­ra Pa­ris, on­de passou seis me­ses, se­guin­do pa­ra a Ar­gé­lia, on­de se li­cen­ci­ou em So­ci­o­lo­gia e tra­ba­lhou na re­pre­sen­ta­ção do MPLA e no cen­tro de Es­tu­dos An­go­la­nos, que aju­dou a cri­ar. Ado­tou o no­me Pe­pe­te­la, do Um­bun­du, a par­tir do seu so­bre­no­me Pes­ta­na. É as­sim que tem as­si­na­do a sua lon­ga obra li­te­rá­ria – com tí­tu­los co­mo Mayom­be, Lu­e­ji, Pre­da­do­res ou o mais re­cen­te Se o Pas­sa­do não Ti­ves­se Asas –, que lhe va­leu, en­tre ou­tros, o Pré­mio Ca­mões em 1997. O es­cri­tor, que foi do­cen­te da Fa­cul­da­de de Ar­qui­te­tu­ra da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Neto em Lu­an­da, tem si­do di­ri­gen­te de as­so­ci­a­ções cul­tu­rais. É o pre­si­den­te da As­sem­bleia-ge­ral da Aca­de­mia An­go­la­na de Le­tras, cri­a­da em se­tem­bro de 2016. Pe­pe­te­la é cro­nis­ta da des­de mar­ço de 2007. Em 2015, se­le­ci­o­nou e pu­bli­cou um con­jun­to de cró­ni­cas a que deu o tí­tu­lo Cró­ni­cas Mal­dis­pos­tas. Sus­pen­deu pro­vi­so­ri­a­men­te a sua co­la­bo­ra­ção com a re­vis­ta, pa­ra des­can­sar. Eu não fi­ca­da zan­ga­do, era ele quem fi­ca­va, por­que eu é que cri­ti­ca­va. Mas mui­tos ami­gos são do MPLA e nós dis­cu­ti­mos e ho­je em dia eles dão-me ra­zão. E há ca­da vez mais pes­so­as den­tro do MPLA que per­ce­bem que ha­via uns ger­mes e que dei­xou-se es­ses ger­mes cres­ce­rem e to­ma­ram con­ta de tu­do.

E o que acha do no­vo quadro que se es­tá a ge­rar com as elei­ções em 2017?

Po­de­mos dar o be­ne­fí­cio da dú­vi­da a es­sa mu­dan­ça. Ago­ra va­mos ver, se a coi­sa cor­rer mui­to bem… Mas a coi­sa tem de cor­rer mui­to bem e tem que ha­ver ain­da mais si­nais. O can­di­da­to prin­ci­pal do MPLA, João Lourenço, es­tá a dar alguns si­nais, a luta con­tra a cor­rup­ção, a in­sis­tên­cia na edu­ca­ção, uma cer­ta aber­tu­ra até pa­ra o diá­lo­go. Ele dis­se que es­tá dis­pos­to a de­ba­ter, a ha­ver de­ba­tes e coi­sa as­sim do gé­ne­ro. Por­tan­to, ha­ver uma cer­ta de­mo­cra­ti­za­ção, aque­la par­te de de­mo­cra­ti­za­ção que es­tá na cons­ti­tui­ção e que não foi cum­pri­da. Se se con­se­guir is­so e se o pro­ces­so elei­to­ral cor­rer bem... Um dos as­pe­tos que já es­tá a cor­rer mal é a opo­si­ção di­zer que vai ha­ver frau­de, que é a pi­or coi­sa que há. O Sa­vim­bi co­me­çou as­sim, por­tan­to, eu fi­co ar­re­pi­a­do qu­an­do co­me­çam a di­zer is­so. Uma pes­soa já sa­be que vai per­der e já es­tá a des­cul­par-se. Ago­ra co­mo é tu­do com com­pu­ta­do­res, pro­va­vel­men­te vai vir aqui a má­fia rus­sa a me­xer nos com­pu­ta­do­res e já es­ta­mos nós ou­tra vez na far­sa…

Qu­al o le­ga­do que, na sua opi­nião, o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos dei­xa ao país?

Sem qual­quer dú­vi­da, o de ter ten­ta­do pro­mo­ver a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, re­fre­an­do al­gu­mas ca­be­ças mais quen­tes, qu­an­do se che­gou ao triunfo mi­li­tar. O tí­tu­lo de Ho­mem de Paz cai-lhe bem. Não cha­mo Prín­ci­pe, co­mo alguns, por­que não sou mo­nár­qui­co.

E co­mo es­tá a ver es­sa ten­dên­cia, es­sa on­da con­ser­va­do­ra que co­me­ça a to­mar con­ta das Amé­ri­cas de uma for­ma ge­ral e tam­bém da Eu­ro­pa?

Há uma ques­tão que eu cos­tu­mo pôr e que ser­ve pa­ra to­dos os la­dos. Eu te­nho mui­tas dú­vi­das. Ti­nha qu­an­do era mui­to jo­vem, de­pois dei­xei-me con­ven­cer e, pou­co tem­po de­pois vol­tei a ter a mes­ma dú­vi­da. É so­bre a fór­mu­la de par­ti­do. A fór­mu­la da ati­vi­da­de po­lí­ti­ca fei­ta por par­ti­dos que obri­gam o mi­li­tan­te a fa­zer mui­tas ve­zes con­tra aqui­lo que ele es­tá a pen­sar. Is­so não re­sul­ta no mun­do de ho­je, não fun­ci­o­na. Te­mos de in­ven­tar ou­tras fór­mu­las de or­ga­ni­za­ção e com os mei­os que há ho­je tam­bém é mui­to di­fí­cil. Mas o ti­po de atu­a­ção de co­mu­ni­da­de, o re­a­vi­var do sen­ti­do de co­mu­ni­da­de já co­me­ça a ser for­te em alguns paí­ses, que tam­bém é uma via que se li­ga com o res­to. Não di­go que se­ja is­to, mas tam­bém é uma via. Vai ha­ver mui­tos fa­to­res que têm que se pôr em jo­go, mas por aí, sim, eu co­me­ço a ver que vai ha­ver mais par­ti­ci­pa­ção.

Ha­ver um Trump nos Es­ta­dos Uni­dos é uma far­sa. Uma pes­soa só se po­de rir

Co­mo se po­de fa­zer is­so em Áfri­ca e, es­pe­ci­fi­ca­men­te, em An­go­la?

Nós te­mos de in­ven­tar o nos­so mo­de­lo. A ideia fun­da­men­tal é a cul­tu­ra do jan­go. O jan­go que fi­ca no meio da al­deia e que ao fim da tar­de to­da a gen­te se reú­ne, con­ver­sa. Es­sa coi­sa do jan­go, da con­ver­sa, é exa­ta­men­te o con­trá­rio do que se pas­sa, por exem­plo, em Lu­an­da. Não há pra­ças, não há sí­ti­os on­de as pes­so­as se en­con­tram, só mes­mo se re­sol­vem ir jan­tar fo­ra juntos, num res­tau­ran­te. De res­to, as­sim, ao fim da tar­de, en­con­tra­rem-se, no bair­ro, na vi­zi­nhan­ça… Re­al­men­te é fun­da­men­tal. É is­so que eu fa­la­va de ir bus­car as coi­sas lá, na­que­las cul­tu­ras an­ti­gas. Mas não se tra­ta de nu­ma ci­da­de mo­der­na, fa­zer aí uns jan­gos. São os va­lo­res, o mo­de­lo, a con­vi­vi­a­li­da­de, a hos­pi­ta­li­da­de, que eram prin­cí­pi­os pró­pri­os das so­ci­e­da­des an­go­la­nas. Na al­tu­ra da independência, as pes­so­as iam sem­pre a ca­sa uns dos ou­tros, jun­ta­vam-se de­pois do tra­ba­lho pa­ra con­ver­sar e ha­via gen­te com idei­as mui­to di­fe­ren­tes e con­ver­sa­va-se. Ho­je as pes­so­as es­tão ca­da vez mais iguais, jun­tam-se a ca­da vez mais iguais, en­tão, a con­ver­sa é qua­se sem­pre pra­ti­ca­men­te a mes­ma e com o mes­mo tom.

Opinions

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.