A

Africa21 - - Aos Leitores -

pre­ten­são de Mar­ro­cos de afir­mar-se co­mo uma no­va po­tên­cia afri­ca­na pas­sa tam­bém pe­la expulsão da Re­pú­bli­ca Ára­be Sa­rauí De­mo­crá­ti­ca (RASD) da União Afri­ca­na o mais ce­do pos­sí­vel. A car­ta do rei Moha­med VI, em ju­lho de 2016, so­li­ci­tan­do o re­gres­so do país à or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal afri­ca­na era cla­ra: «É di­fí­cil acei­tar que uma na­ção pe­re­ne e an­ces­tral se­ja com­pa­ra­da com uma en­ti­da­de que não dis­põe de ne­nhum atri­bu­to de so­be­ra­nia». «Qu­an­do um cor­po es­tá do­en­te, o me­lhor é cu­rá-lo a par­tir de den­tro», acres­cen­tou o mo­nar­ca, não dei­xan­do quais­quer dú­vi­das acer­ca da po­si­ção mar­ro­qui­na em re­la­ção à an­ti­ga pos­ses­são es­pa­nho­la ane­xa­da por Ra­bat em 1976. Moha­med VI, de­pois de ob­ser­var que a RASD não é re­co­nhe­ci­da nem pe­la ONU, nem pe­la Or­ga­ni­za­ção de Co­o­pe­ra­ção Is­lâ­mi­ca, nem pe­la Li­ga Ára­be ou qual­quer ou­tra ins­ti­tui­ção re­gi­o­nal ou in­ter­na­ci­o­nal, ex­ce­to a União Afri­ca­na, per­gun­tou-se igual­men­te, nes­sa car­ta, se a or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal afri­ca­na não es­ta­va «em con­tra­di­ção evi­den­te com a le­ga­li­da­de in­ter­na­ci­o­nal». A ver­da­de é que o tra­ba­lho de­sem­pe­nha­do pe­la União Afri­ca­na nos úl­ti­mos anos pa­ra de­fen­der os in­te­res­ses da Fren­te Po­li­sá­rio – or­ga­ni­za­ção que luta pe­la au­to­de­ter­mi­na­ção e independência do Sa­ra Oci­den­tal – jun­to do Con­se­lho de Se­gu­ran­ça das Nações Uni­das tem si­do fun­da­men­tal. Co­mo ma­nei­ra de re­sol­ver o con­fli­to en­tre o Go­ver­no de Ra­bat e a Fren­te Po­li­sá­rio, a ONU de­fen­de a re­a­li­za­ção de um re­fe­ren­do de au­to­de­ter­mi­na­ção, ten­do cri­a­do uma mis­são es­pe­ci­al – a MINURSO – pa­ra o or­ga­ni­zar, em co­la­bo­ra­ção com as au­to­ri­da­des mar­ro­qui­nas. Con­tu­do, es­tas úl­ti­mas não se têm mos­tra­do mui­to co­la­bo­ra­ti­vas, pe­lo que o pra­zo ini­ci­al pa­ra le­var a ca­bo es­se re­fe­ren­do há mui­to foi ul­tra­pas­sa­do. Por is­so, em abril de 2016, o Con­se­lho de Se­gu­ran­ça vol­tou a apro­var uma re­so­lu­ção, pror­ro­gan­do a MINURSO por mais um ano, mas, a ape­nas um mês do ter­mo des­se no­vo pra­zo, na­da in­di­ca que o re­fe­ren­do se­ja efe­tu­a­do. De no­tar que a re­fe­ri­da re­so­lu­ção foi re­di­gi­da pe­los Es­ta­dos Uni­dos, o que, há qua­se um ano, des­gos­tou pro­fun­da­men­te as au­to­ri­da­des mar­ro­qui­nas. Com a no­va ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na em fun­ções há me­nos de dois me­ses, não é fá­cil pre­ver qu­al se­rá a sua po­si­ção re­la­ti­va­men­te à ques­tão do Sa­ra Oci­den­tal, is­to é, se con­ti­nu­a­rá a apoi­ar a re­a­li­za­ção do re­fe­ren­do de au­to­de­ter­mi­na­ção ou se sim­ples­men­te dei­xa­rá o as­sun­to cair. Até ago­ra, os paí­ses oci­den­tais mais be­ne­vo­len­tes com Mar­ro­cos a res­pei­to da ques­tão da RASD têm si­do Espanha, Fran­ça e Por­tu­gal.

Nu­an­ces, dú­vi­das e ris­cos

A in­ten­ção de Mar­ro­cos de expulsar a RASD, pro­cla­ma­da pe­la Fren­te Po­li­sá­rio, da União Afri­ca­na po­de ser um pro­ces­so lon­go, ár­duo e de des­fe­cho im­pre­vi­sí­vel. Moha­med VI pa­re­ce cons­ci­en­te dis­so. As­sim, a 31 de ja­nei­ro, qu­an­do Mar­ro­cos foi re­ad­mi­ti­do na UA, pro­nun­ci­ou um dis­cur­so con­ci­li­a­dor. «Não pre­ten­de­mos, de mo­do ne­nhum, sus­ci­tar um de­ba­te es­té­ril [so­bre o Sa­ra Oci­den­tal]», afir­mou ele, an­tes de acres­cen­tar: «Não qu­e­re­mos pro­vo­car di­vi­sões, co­mo alguns in­si­nu­a­vam». O lí­der da Fren­te Po­li­sá­rio e pre­si­den­te da au­to­pro­cla­ma­da RASD, Brahim Ga­li, es­ta­va en­tre os lí­de­res afri­ca­nos pre­sen­tes na sa­la. Em Mar­ro­cos, a mai­o­ria dos ana­lis­tas con­si­de­ra que ago­ra, após o seu re­gres­so à União Afri­ca­na, o país po­de­rá re­ba­ter aber­ta­men­te os ar­gu­men­tos usa­dos pe­los ali­a­dos da Fren­te Po­li­sá­rio, com des­ta­que pa­ra a Ar­gé­lia, pa­ra de­fen­de­rem a Re­pú­bli­ca Ára­be Sa­rauí De­mo­crá­ti­ca. Pa­ra eles, o dis­cur­so con­ci­li­a­dor do mo­nar­ca foi ape­nas de or­dem «tá­ti­ca», sen­do pro­vá­vel que, uma vez for­ma­li­za­do o seu re­gres­so à or­ga­ni­za­ção con­ti­nen­tal, Mar­ro­cos ten­te con­se­guir apoi­os pa­ra mu­dar a ata cons­ti­tu­ti­va des­ta úl­ti­ma, a fim de expulsar a RASD. Nes­te mo­men­to, um mem­bro só po­de ser ex­pul­so da UA se o res­pe­ti­vo go­ver­no ace­der ao po­der por mei­os an­ti­cons­ti­tu­ci­o­nais, sen­do pre­ci­so, pa­ra is­so, que a de­ci­são se­ja to­ma­da por dois ter­ços dos paí­ses-mem­bros da or­ga­ni­za­ção, ou se­ja, 36. Ra­bat con­ta nes­te mo­men­to com 28

RASD não tem quais­quer atri­bu­tos de so­be­ra­nia, diz rei Moha­med VI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.