O mo­de­lo I

Africa21 - - Aos Leitores -

sla­mis­mo «mo­de­ra­do» e «mo­der­ni­da­de» ca­pi­ta­lis­ta, in­cluin­do um sis­te­ma po­lí­ti­co mais ou me­nos de­mo­crá­ti­co, com elei­ções pe­rió­di­cas e ou­tros ata­vi­os li­be­rais: a re­cei­ta fun­ci­o­na? Es­se é, em tra­ços ge­rais, aqui­lo a que alguns cha­mam o «mo­de­lo mar­ro­qui­no», o qu­al, de­pois de dé­ca­das de uma mo­nar­quia ab­so­lu­tis­ta, foi ca­paz de ins­tau­rar a de­mo­cra­cia no país sem ne­ces­si­da­de de uma re­vo­lu­ção, co­mo na Tu­ní­sia, e sem des­cam­bar com­ple­ta­men­te ou re­gres­sar ao au­to­ri­ta­ris­mo, co­mo acon­te­ceu na Líbia ou no Egi­to. Com efei­to, avi­sa­do pe­la «pri­ma­ve­ra ára­be» na Tu­ní­sia, Mar­ro­cos in­tro­du­ziu re­for­mas cons­ti­tu­ci­o­nais em 2011, per­mi­tin­do, en­tre ou­tras mu­dan­ças, a re­a­li­za­ção de elei­ções mul­ti­par­ti­dá­ri­as aber­tas. Des­de es­sa al­tu­ra, os is­la­mi­tas do Par­ti­do Jus­ti­ça e De­sen­vol­vi­men­to (PJD) têm go­ver­na­do o país, em co­li­ga­ção com as for­ças ofi­ci­a­lis­tas, pró­xi­mas do rei Moha­med VI. Es­te úl­ti­mo man­tém al­gu­mas prer­ro­ga­ti­vas im­por­tan­tes, por for­ça da Cons­ti­tui­ção mar­ro­qui­na. Mar­tín Or­te­ga Car­ce­lén, pro­fes­sor de Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal na Uni­ver­si­da­de Com­plu­ten­se de Ma­drid, sa­li­en­ta que, na úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra (2011-2016), o go­ver­no pre­si­di­do por Ab­de­li­lah Ben­ki­ra­ne, lí­der do PJD, man­te­ve um equi­lí­brio en­tre os mi­nis­té­ri­os atri­buí­dos aos is­la­mi­tas e as «pas­tas de so­be­ra­nia», que fo­ram exer­ci­das por per­so­na­li­da­des pró­xi­mas do pa­lá­cio re­al. Pa­ra o aca­dé­mi­co es­pa­nhol, «es­sa apos­ta no con­sen­so abo­na a fa­vor da ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca dos di­ri­gen­tes mar­ro­qui­nos, co­me­çan­do pe­lo pró­prio Moha­med VI, que es­tá cons­ci­en­te da ne­ces­si­da­de de re­for­mas, e pe­lo che­fe do go­ver­no, Abe­li­lá Ben­ki­ran». Se­gun­do ale­gam alguns ob­ser­va­do­res, es­te úl­ti­mo, ape­sar da sua enor­me po­pu­la­ri­da­de, evi­tou até ago­ra a to­ma­da de me­di­das ra­di­cais, ao con­trá­rio do que fez a Ir­man­da­de Mu­çul­ma­na, no Egi­to. Nes­sa li­nha, o Re­al Ins­ti­tu­to El­ca­no, em Espanha, país que acom­pa­nha com cui­da­do a situação no seu vi­zi­nho do sul, con­si­de­ra que a es­ta­bi­li­da­de mar­ro­qui­na as­sen­ta em par­ti­cu­lar na ha­bi­li­da­de de Ben­ki­ra­ne e dos seus co­la­bo­ra­do­res em man­ter o es­pí­ri­to is­la­mi­ta e re­a­li­zar uma po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca «sen­sa­ta». Es­sa ava­li­a­ção não é unâ­ni­me. Alguns ob­ser­va­do­res pro­gres­sis­tas da situação no Ma­gre­be re­cor­dam que em Mar­ro­cos tam­bém hou­ve, à se­me­lhan­ça do que acon­te­ceu na Tu­ní­sia e no Egi­to, uma mo­vi­men­to ju­ve­nil ins­pi­ra­do nas «pri­ma­ve­ras ára­bes», mas que es­ta foi evi­ta­da com ha­bi­li­da­de, gra­ças a uma ali­an­ça cir­cuns­tan­ci­al en­tre os in­te­res­ses do tro­no e a agen­da da Ir­man­da­de Mu­çul­ma­na. O país pro­mo­veu, na al­tu­ra, uma sé­rie de re­for­mas que in­vi­a­bi­li­za­ram o em­bri­o­ná­rio

Con­sen­so po­lí­ti­co in­ter­no em Mar­ro­cos pa­re­ce es­go­ta­do

Ape­sar da vi­tó­ria nas ur­nas, Ab­de­li­lah Ben­ki­ra­ne ain­da não for­mou go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.