Agri­cul­tu­ra afri­ca­na pe­de jus­ti­ça cli­má­ti­ca N

Africa21 - - Clima -

a Áfri­ca Aus­tral, a cri­se pro­vo­ca­da pe­la pi­or se­ca dos úl­ti­mos 35 anos es­tá lon­ge de es­tar de­be­la­da. A ONG Ca­re es­ti­ma­va, no pas­sa­do mês de ja­nei­ro, que o nú­me­ro de pes­so­as a pre­ci­sar de aju­da ali­men­tar era de 40 mi­lhões. Ma­da­gás­car, Ma­lawi e Mo­çam­bi­que são os paí­ses mais fla­ge­la­dos, mas Zimbabué, Botswa­na e An­go­la fo­ram tam­bém afe­ta­dos. A re­gião es­pe­ra­va que 2017 fos­se um ano de re­cu­pe­ra­ção, mas en­fren­ta des­de no­vem­bro uma no­va ca­la­mi­da­de: a la­gar­ta le­gi­o­ná­ria, que se pro­pa­ga co­mo fo­go no ca­pim e de­vas­ta os cam­pos de mi­lho e de­ze­nas de ou­tras cul­tu­ras, co­mo so­ja, ar­roz, al­go­dão e ca­na-de-açú­car. Reu­ni­dos de emer­gên­cia em Ha­ra­re a 14 de fe­ve­rei­ro, por ini­ci­a­ti­va da FAO, os res­pon­sá­veis das po­lí­ti­cas agrí­co­las da Zâm­bia, Zimbabué, Ma­lawi, Mo­çam­bi­que, Na­mí­bia e Áfri­ca do Sul re­fle­ti­ram so­bre um pla­no de emer­gên­cia pa­ra tra­var a praga que en­tre­tan­to alas­trou a An­go­la e à RDC. Im­por­ta­da das Amé­ri­cas, on­de se tor­nou re­sis­ten­te, es­ta la­gar­ta só po­de ser des­truí­da dei­tan­do-se fo­go aos cam­pos in­fe­ta­dos. A Zâm­bia, país mais afe­ta­do, te­ve de fa­zer in­ter­vir a tro­pa fa­ce ao de­ses­pe­ro dos cam­po­ne­ses. A Oes­te, a ba­cia do La­go Cha­de e o Sahel não es­tão em me­lhor po­si­ção, com mais de seis mi­lhões de pes­so­as em ris­co. O es­ta­do de emer­gên­cia con­tra a fo­me foi de­cre­ta­do no nor­des­te da Ni­gé­ria, e no Ma­li o Go­ver­no aler­tou em fe­ve­rei­ro pa­ra o es­ta­do de in­se­gu­ran­ça ali­men­tar que ame­a­ça três mi­lhões de pes­so­as, 16% da po­pu­la­ção.

Se­ca, fo­me e con­fli­tos ar­ma­dos

Des­de a gran­de se­ca do iní­cio dos anos 1970 na Etió­pia, que co­mo­veu a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, o fe­nó­me­no tor­nou-se re­pe­ti­ti­vo e as ima­gens de fo­me em Áfri­ca ba­na­li­za­ram-se. De Nor­te a Sul, as chu­vas são ca­da vez mais es­cas­sas e im­pre­vi­sí­veis, re­gis­tan­do-se uma al­ter­nân­cia de inun­da­ções ca­tas­tró­fi­cas com se­cas se­ve­ras e pro­lon­ga­das a in­ter­va­los ca­da vez mais cur­tos. Bas­si­a­ka Dao, pe­que­no cul­ti­va­dor de mi­lho do Bur­ki­na Fa­so, enu­me­ra com amar­gu­ra as con­sequên­ci­as des­ta «chu­va que não cai nun­ca qu­an­do é pre­ci­so»: ren­di­men­tos em bai­xa, fal­ta de se­men­tes pa­ra se­me­ar e vol­tar a se­me­ar, re­cru­des­ci­men­to das pra­gas e in­se­tos des­trui­do­res, es­go­ta­men­to dos so­los e con­fli­tos en­tre cam­po­ne­ses e pas­to­res se­mi­nó­ma­das. Es­tes úl­ti­mos são cer­ca de 100 mi­lhões e são os mais vul­ne­rá­veis en­tre os afri­ca­nos ví­ti­mas das se­cas e da de­ser­ti­fi­ca­ção. Pre­ci­sa­ri­am de mais es­pa­ços pa­ra ali­men­tar o ga­do, que cons­ti­tui o seu úni­co meio de sub­sis­tên­cia, mas, em vez dis­so, os seus pas­tos tra­di­ci­o­nais são re­ta­lha­dos por cam­po­ne­ses que ten­tam au­men­tar as su­as par­ce­las, ou são ofe­re­ci­dos pe­los go­ver­nos às gran­des so­ci­e­da­des do agro­ne­gó­cio. Em pe­río­dos de cri­se, os pre­ços al­te­ram-se em seu de­tri­men­to. A se­ca faz dis­pa­rar os pre­ços dos ce­re­ais que têm de com­prar pa­ra ali­men­tar o seu ga­do ao des­ba­ra­to, an­tes que mor­ra de se­de. Na So­má­lia, em ja­nei­ro de 2015, ven­der uma ca­bra per­mi­tia com­prar 130 kg de mi­lho, ho­je dá ape­nas pa­ra 30 kg. Em con­sequên­cia, mul­ti­pli­cam-se os in­ci­den­tes vi­o­len­tos pro­ta­go­ni­za­dos por es-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.