Afi­nal en­tra-se ou não na Zo­na de Li­vre Co­mér­cio da SADC?

Africa21 - - A Opinião De Alves Da Rocha -

Co­mo se sa­be, o pro­ces­so de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal tem di­fe­ren­tes fa­ses (na vi­são tra­di­ci­o­nal, até se che­gar à União Po­lí­ti­ca, con­tam-se cin­co) e a Te­o­ria do Co­mér­cio In­ter­na­ci­o­nal, ao equa­ci­o­nar van­ta­gens e des­van­ta­gens, apre­sen­ta aná­li­ses ten­den­tes a ava­li­ar qu­al de­las se en­con­tra mais pró­xi­ma do Óp­ti­mo de Pa­re­to, ou se­ja, de uma situação em que só exis­tem ga­nha­do­res, ou en­tão, a um es­tá­dio em que o ga­nho de um dos par­cei­ros não po­de ser con­se­gui­do com a per­da de um ou­tro.

Pa­ra que ocor­ra es­te má­xi­mo de sa­tis­fa­ção al­gu­mas hi­pó­te­ses de­vem ser con­si­de­ra­das, co­mo a aber­tu­ra das eco­no­mi­as, a con­cor­rên­cia per­fei­ta, a li­vre cir­cu­la­ção dos fac­to­res de pro­du­ção e o seu ple­no em­pre­go. Si­tu­a­ções di­fi­cil­men­te ve­ri­fi­cá­veis no fun­ci­o­na­men­to re­al das eco­no­mi­as de mer­ca­do. Por is­so, se fa­la nos Óp­ti­mos de Se­gun­do grau, com­pa­rá­veis a es­tá­di­os de me­nor per­da de bem-es­tar, ou de ou­tro mo­do, de mi­ni­mi­za­ção da per­da de bem-es­tar dos ci­da­dãos. No pro­ces­so de in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal, a Zo­na de Li­vre Co­mér­cio e a União Adu­a­nei­ra são con­si­de­ra­das Óp­ti­mos de Se­gun­do Grau se e ape­nas se in­te­gra­rem os paí­ses mais com­pe­ti­ti­vos e, no se­gun­do ca­so, em que ocor­rem ga­nhos de co­mér­cio e des­vi­os de co­mér­cio, a in­te­gra­ção só va­le­rá a pe­na se os pri­mei­ros su­plan­ta­rem os se­gun­dos. Mas, mes­mo as­sim, os paí­ses de uma União Adu­a­nei­ra per­dem um ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca co­mer­ci­al fun­da­men­tal fa­ce a paí­ses-ter­cei­ros e que é a pau­ta adu­a­nei­ra. Por­tan­to, a pas­sa­gem de uma pa­ra ou­tras fa­ses de­ve ser pre­ce­di­da de es­tu­dos apro­fun­da­dos dos efei­tos so­bre o bem-es­tar na­ci­o­nal. A in­te­gra­ção eco­nó­mi­ca re­gi­o­nal é um pro­ces­so de per­da su­ces­si­va de ins­tru­men­tos da po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca dos paí­ses, nor­mal­men­te não com­pen­sa­da com ga­nhos (fis­cais, de com­pe­ti­ti­vi­da­de, de ex­ce­den­te do pro­du­tor e do con­su­mi­dor) pro­ve­ni­en­tes da in­ser­ção dos paí­ses em es­pa­ços re­gi­o­nais con­tí­guos e te­o­ri­ca­men­te po­ten­ci­a­do­res de eco­no­mi­as de es­ca­la. En­tran­do pa­ra a Zo­na de Li­vre Co­mér­cio, An­go­la per­de a sua pau­ta adu­a­nei­ra que re­gu­la as trocas co­mer­ci­ais com os res­tan­tes par­cei­ros. O que po­de ga­nhar, den­tro dos pres­su­pos­tos an­te­ri­or­men­te apon­ta­dos? Pro­du­tos a pre­ços mais bai­xos e pro­va­vel­men­te de me­lhor qua­li­da­de, con­tro­lo da in­fla­ção (nos ca­sos em que as im­por­ta­ções de tran­sa­ci­o­ná­veis são ex­pres­si­vas), in­cen­ti­vos con­cor­ren­ci­ais à me­lho­ria da com­pe­ti­ti­vi­da­de, etc. Só que as ex­pe­ri­ên­ci­as co­nhe­ci­das, das quais a mais re­le­van­te é a da União Eu­ro­peia, não for­ne­cem in­di­ca­ções de que os paí­ses, ain­da que re­la­ti­va­men­te, se com­pa­rem em be­ne­fí­ci­os eco­nó­mi­cos e so­ci­ais de per­ten­ça de zo­nas alar­ga­das e de ge­ra­ção de eco­no­mi­as de es­ca­la. Na ver­da­de, • A in­te­gra­ção on­de exis­te não tem con­tri­buí­do pa­ra a con­ver­gên­cia re­al das eco­no­mi­as, pre­va­le­cen­do di­fe­ren­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas nos ín­di­ces de com­pe­ti­ti­vi­da­de, nas ta­xas de cres­ci­men­to do PIB e nas ta­xas de de­sem­pre­go. • On­de es­tá im­plan­ta­da, os ní­veis e con­di­ções de vi­da são mui­to dís­pa­res e as as­si­me­tri­as evi­den­tes e ca­da vez mais acen­tu­a­das. • On­de es­tá em fun­ci­o­na­men­to, a trans­mis­são dos efei­tos da pe­re­qua­ção dos be­ne­fí­ci­os do cres­ci­men­to be­ne­fi­cia as eco­no­mi­as mais es­tru­tu­ra­das e or­ga­ni­za­das. • As eco­no­mi­as de es­ca­la têm fa­vo­re­ci­do os paí­ses mais es­tru­tu­ra­dos e com um de­sen­vol­vi­men­to tec­no­ló­gi­co e ci­en­tí­fi­co mais acen­tu­a­do. Ade­rir à Zo­na de Li­vre Co­mér­cio da SADC cla­ro que sim, até por ra­zões de na­tu­re­za po­lí­ti­ca e his­tó­ri­ca,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.