E

Africa21 - - Moçambique -

na areia li­sa, re­vol­te­an­do-a em si­nais va­ga­men­te eso­té­ri­cos, can­sa­dos os olhos de tan­to pers­cru­tar o ho­ri­zon­te – diz-se – e as su­as linhas cur­vas, on­du­lan­tes. Já não sa­bía­mos na­da, ex­ce­to que pi­sá­va­mos um chão e que o sol o aque­cia e nos quei­ma­va os pés des­cal­ços e nem ti­ve­mos tem­po de pen­sar so­bre o porquê dos ris­cos, o im­pul­so do la­bi­rin­to… e sem nos aper­ce­ber­mos, co­me­çá­va­mos a es­que­cer­mo-nos dos no­mes… so­bre­tu­do a que… era on­de es­tá­va­mos, ape­sar de ser tu­do mui­to pla­no, fac­to que nos en­ton­te­cia a ca­be­ça já pe­sa­da e nos aco­me­tia de uma sen­sa­ção de inu­ti­li­da­de, de ab­sur­do, uma es­pé­cie de na­da sem per­gun­tas nem res­pos­tas, não obs­tan­te o ven­to ras­tei­ro por on­de ser­pen­te­a­vam ful­gu­ra­ções e tim­bres de vo­zes an­ti­gas, já inin­te­li­gí­veis… Ah, sim… es­tá­va­mos num país, ocor­reu a al­guém de cu­jo no­me já me não re­cor­do. Sim, era is­so, um lu­gar mai­or do que só aque­le chão que es­ca­ri­fi­cá­mos com os ris­cos e de que vía­mos o ho­ri­zon­te adi­an­te e cur­vo mas não ha­via mais na­da até à tal li­nha do ho­ri­zon­te e ao al­to, in­cli­na­da a ca­be­ça pa­ra trás num pas­mo de mui­to que­rer in­da­gar, era a ilu­são da abó­ba­da, ora azul ou ca­ma­le­o­nan­do-se das co­res que a re­ver­be­ra­ção da luz no tem­po – já não re­cor­do quan­tos di­as ou anos nis­to – ia apon­do às sen­sa­ções do­lo­ren­tras a ins­ti­la­rem-se-nos no cor­po. Al­guém, um ou­tro de cu­jo no­me me não lem­bro tam­bém, ain­da tar­ta­mu­de­ou uns va­gos es­pas­mos de me­mó­ri­as, iní­ci­os ou in­ter­mez­zos ou fi­nais de es­tó­ri­as on­de ha­via gen­te e acon­te­ci­men­tos mas sem ser ca­paz de lhes dar um sen­ti­do, os pou­cos ou os mui­tos, e era qu­an­do nos sen­tá­va­mos, nem ca­bis­bai­xos, an­tes mi­ran­do com pa­vor o pa­vor no olhar dos ou­tros, um pa­vor de não ha­ver na­da ape­sar de sa­ber­mos – dis­so tí­nha­mos cons­ci­ên­cia –, de que es­tá­va­mos ali e que os ris­cos no chão eram só is­so, ris­cos no chão, in­tri­ga­dos já por que os tí­nha­mos fei­to e se no ato de os es­cre­ver, por as­sim di­zer, nos im­pe­li­ra al­gu­ma ideia, um con­cei­to gran­de e ge­ne­ro­so ou só o me­do ou uma es­pé­cie de au­to­ma­tis­mo de uma si­na­lé­ti­ca ou de uma sim­bó­li­ca já per­di­da. Bre­ve, era, fe­liz­men­te, o so­bres­sal­to, ain­da as­sim ex­te­nu­an­do-nos e lo­go en­vol­ven­do-nos nu­ma le­ve­za sem de­fi­ni­ção, pu­ra sen­sa­ção de­la, sem mais na­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.