Ca­bo Ver­de: um so­bre a re­gi­o­na­li­za­ção da­va jei­to C

Águas Cor­ren­tes

Africa21 - - Moçambique -

an­di­da­tos úni­cos elei­tos no pas­sa­do mês de fe­ve­rei­ro com mais de 95% dos vo­tos ex­pres­sos em elei­ções di­re­tas, e re­a­li­za­dos o con­gres­so e a con­ven­ção, Ja­ni­ra Hopf­fer Al­ma­da, pre­si­den­te do PAICV, na opo­si­ção, e Ulis­ses Cor­reia e Sil­va, pre­si­den­te do MpD e pri­mei­ro-mi­nis­tro, têm uma opor­tu­ni­da­de úni­ca de pen­sa­rem no quão di­fí­cil é ar­ru­mar as no­ve ilhas ha­bi­ta­das, dis­per­sas e aci­den­ta­das num Es­ta­do efi­ci­en­te, no sen­ti­do de fun­ci­o­nar bem e exi­gir pou­cos re­cur­sos fi­nan­cei­ros. Águas Cor­ren­tes vol­tam a fa­lar do as­sun­to, por­que atra­vés de di­ver­sos sen­ti­men­tos ex­pres­sos e de con­ver­sas ha­vi­das e li­das, a ma­té­ria an­da na bo­ca do mun­do, ma­ni­fes­tan­do-se atra­vés do mu­ni­ci­pa­lis­mo ou da re­gião-ilha, ad­mi­nis­tra­ti­va, po­lí­ti­ca e até do pla­no. Ul­ti­ma­men­te, es­ta ter­ra de 4 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos e 500 mil ha­bi­tan­tes re­ce­beu a no­vi­da­de de um pro­je­to de lei do go­ver­no que, an­tes de co­me­çar a dis­cus­são, avi­sa que a di­ta lei nun­ca de­ve­rá im­pli­car a re­vi­são da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca. Es­se avi­so cha­mou a aten­ção por vá­ri­os mo­ti­vos. Não é jus­ti­fi­cá­vel num quadro em que pe­la pri­mei­ra vez a ilha pa­re­ce im­por-se co­mo re­a­li­da­de ori­gi­nal, ou se­ja, po­des dar as voltas que qui­se­res e as ilhas es­ta­rão sem­pre lá. Fi­cou tam­bém cla­ro que nin­guém go­ver­na­rá Ca­bo Ver­de efi­caz­men­te sem ter em con­ta es­ses no­ve pe­da­ços dis­per­sos, com eco­no­mi­as, tra­di­ções, len­das, me­mó­ri­as e lín­guas di­fe­ren­ci­a­das até ao li­mi­te da iden­ti­da­de na­ci­o­nal. Es­tou ci­en­te de que nun­ca se po­de­rá or­de­nar o ter­ri­tó­rio de Ca­bo Ver­de a pen­sar nas fi­nan­ças que não tem ou te­rá qua­se sem­pre em pe­que­na quan­ti­da­de, com­pa­ra­da com as am­bi­ções hu­ma­nas do po­vo. Tam­bém o diá­lo­go ge­nuí­no sur­ge co­mo im­pe­ra­ti­vo éti­co na me­di­da em que da­rá a ca­da ci­da­dão e a ca­da par­ti­do po­lí­ti­co a opor­tu­ni­da­de de con­tri­buir. Na ver­da­de, es­te é um dos pri­mei­ros te­mas cu­jo de­ba­te cla­ma pe­lo en­ten­di­men­to pa­trió­ti­co de uns e de ou­tros. Pen­san­do as­sim, dei­xo qua­tro idei­as: Cri­ar uma co­mis­são de pe­ri­tos na­ci­o­nais as­ses­so­ra­dos por um es­pe­ci­a­lis­ta in­ter­na­ci­o­nal de re­co­nhe­ci­da com­pe­tên­cia, pa­ra uma mis­são de até cin­co anos, du­ran­te os quais não se me­xe­ria na es­tru­tu­ra au­tár­qui­ca. A mis­são se­ria acom­pa­nhar mi­nu­ci­o­sa­men­te o pro­ces­so. Le­van­tar to­da e qual­quer bar­rei­ra nes­ta fa­se de dis­cus­são, no­me­a­da­men­te a ques­tão da re­vi­são da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca. Por mim, dis­cu­te-se com o fi­to de re­co­nhe­cer a ilha e as­se­gu­rar a me­lhor ar­ti­cu­la­ção das su­as po­pu­la­ções com as das ou­tras ilhas. Se des­se pro­je­to re­sul­tar a ne­ces­si­da­de de re­vi­são cons­ti­tu­ci­o­nal, ela se fa­rá. Es­tou ci­en­te de que nun­ca se po­de­rá or­de­nar o ter­ri­tó­rio de Ca­bo Ver­de a pen­sar nas fi­nan­ças que não tem ou te­rá qua­se sem­pre em pe­que­na quan­ti­da­de. Pu­bli­car um livro bran­co so­bre a re­gi­o­na­li­za­ção. É um do­cu­men­to ofi­ci­al de gran­de di­fu­são e te­rá de con­ter, en­tre ou­tros ele­men­tos: a fi­na­li­da­de do pro­ces­so, pro­pos­tas de au­tar­qui­as mu­ni­ci­pais, in­fra­mu­ni­ci­pais e su­pra­mu­ni­ci­pais, com a ne­ces­sá­ria ar­gu­men­ta­ção, li­mi­tes de cus­tos e a sua re­la­ção com a eco­no­mia na­ci­o­nal, as prin­ci­pais com­pe­tên­ci­as dos ór­gãos au­tár­qui­cos. A mi­nha con­vic­ção é de que há mui­to ruí­do so­bre a ma­té­ria e pou­ca dis­cus­são ar­gu­men­ta­da. É pro­vá­vel que, co­mo vá­ri­as vo­zes já su­ge­ri­ram, o or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal ba­se­a­do na ilha, im­pli­que, co­mo com­ple­men­to, a trans­for­ma­ção, com cus­tos si­mi­la­res aos atu­ais e ga­nhos de efi­ci­ên­cia, do par­la­men­to uni­ca­me­ral num par­la­men­to bi­ca­me­ral, que se­ria com­pos­to por uma As­sem­bleia Na­ci­o­nal, elei­ta pro­por­ci­o­nal­men­te, e a Câ­ma­ra das Ilhas, elei­ta na ba­se de dois elei­tos por ilha. O par­la­men­to bi­ca­me­ral de Ca­bo Ver­de te­ria apro­xi­ma­da­men­te 50 De­pu­ta­dos + 18 Re­pre­sen­tan­tes. O livro bran­co fa­ci­li­ta­rá a or­ga­ni­za­ção do de­ba­te, a re­co­lha dos con­tri­bu­tos e a cre­di­bi­li­da­de da con­sul­ta pú­bli­ca ilha a ilha.

Es­tou ci­en­te de que nun­ca se po­de­rá or­de­nar o ter­ri­tó­rio de Ca­bo Ver­de a pen­sar nas fi­nan­ças que não tem ou te­rá qua­se sem­pre em pe­que­na quan­ti­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.