O

Africa21 - - Moçambique - CHAR­LES SCHO­RUNG­BE

Pre­si­den­te do Zimbabué co­me­mo­rou, no pas­sa­do dia 25 de fe­ve­rei­ro, 93 anos com um enor­me e fes­ti­vo almoço pú­bli­co. De­ze­nas de mi­lha­res de es­tu­dan­tes, trans­por­ta­dos de to­do o país em ma­chim­bom­bos es­ta­tais, par­ti­lha­vam as co­li­nas ver­de­jan­tes de Ma­to­pos com de­ze­nas de de­le­ga­ções es­tran­gei­ras. Ten­das de cam­pa­nha bran­cas, en­ga­la­na­das com ban­dei­ras, flâ­mu­las e car­ta­zes com o ros­to do «Ca­ma­ra­da Bob», ocu­pa­vam to­do o ce­ná­rio. Cen­to e cin­quen­ta va­cas fo­ram ser­vi­das aos co­men­sais. A fes­ta, en­tre ou­tros pro­pó­si­tos, era igual­men­te um pre­tex­to pa­ra de­mons­trar o bom es­ta­do de saú­de do his­tó­ri­co lí­der do país, que ti­nha si­do no­me­a­do em de­zem­bro de 2016 pa­ra dis­pu­tar mais um man­da­to pre­si­den­ci­al. O in­de­se­já­vel, con­tu­do, acon­te­ceu. Pou­cos di­as de­pois da «fes­tan­ça», Ro­bert Mu­ga­be te­ve de vi­a­jar pa­ra Sin­ga­pu­ra, on­de fez mais um check up mé­di­co, con­fir­man­do, por­tan­to, o que to­do o mun­do no Zimbabué «sa­be»: o Ma­no Mais-Ve­lho es­tá do­en­te e di­fi­cil­men­te se­rá can­di­da­to em 2018; se o for, não te­rá con­di­ções de go­ver­nar efe­ti­va­men­te o país. Com efei­to, o dé­bil es­ta­do de saú­de de Mu­ga­be é, pe­lo me­nos pa­ra os zim­ba­bu­e­a­nos, uma es­pé­cie de se­gre­do de Po­li­chi­ne­lo. Con­fir­man­do es­sa de­bi­li­da­de, o Pre­si­den­te já não cos­tu­ma mais fa­zer os seus vi­go­ro­sos dis­cur­sos an­te­ri­o­res, len­do-os, ago­ra, aos tro­pe­ções e com um fio de voz qua­se inau­dí­vel. As su­as cons­tan­tes per­das de me­mó­ria e o seu an­dar can­sa­do tam­bém não fa­zem pre­ver na­da de bom. Es­tes fac­tos vol­ta­ram a pôr na or­dem do dia a ques­tão da su­ces­são de Mu­ga­be. Com o par­ti­do no po­der às voltas com di­vi­sões in­ter­nas e a opo­si­ção dan­do mos­tras de es­go­ta­men­to e fal­ta de ca­pa­ci­da­de de re­no­va­ção, o no­me da atu­al mu­lher do Pre­si­den­te vol­ta a es­tar na bo­ca de to­da a gen­te co­mo a mais pro­vá­vel su­ces­so­ra do pró­prio ma­ri­do. Gra­ce Mu­ga­be tem des­men­ti­do rei­te­ra­da­men­te es­sa hi­pó­te­se, mas os si­nais de que se­ja re­al são mui­to con­sis­ten­tes. Ro­bert Mu­ga­be é o pri­mei­ro a dei­xar es­ca­par – o que, por cer­to, não se­rá nem in­vo­lun­tá­rio nem ino­cen­te – es­sa pos­si­bi­li­da­de. Há di­as, por exem­plo, o ve­lho re­vo­lu­ci­o­ná­rio qua­li­fi­cou a es­po­sa, mais co­nhe­ci­da pe­la sua vi­da de lu­xo e os seus ex­ces­sos do que pe­la sua ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca, de «for­mi­dá­vel for­ça po­lí­ti­ca». Por ou­tro la­do, e de acor­do com os mu­jim­bos [ru­mo­res] lo­cais, a pri­mei­ra-da­ma, de 51 anos de ida­de, já faz a ges­tão cor­ren­te dos as­sun­tos de Es­ta­do, ocu­pan­do-se, mes­mo, de cer­tas de­ci­sões. Nas­ci­da na Áfri­ca do Sul em 1965, ten­do, por­tan­to, me­nos 41 anos do que Mu­ga­be, e ca­sa­da an­te­ri­or­men­te com um pi­lo­to mi­li­tar, a sua in­fluên­cia co­me­çou qu­an­do foi no­me­a­da se­cre­tá­ria do Ma­no Mais-Ve­lho, con­ver­ten­do-se igual­men­te em sua aman­te. Des­de o res­pe­ti­vo ca­sa­men­to, em 1996, Gra­ce, que tem três fi­lhos com o lí­der zim­ba­bu­e­a­no, des­ta­cou-se so­bre­tu­do pe­la sua pre­fe­rên­cia pe­lo lu­xo. As su­as vi­a­gens fre­quen­tes a Pa­ris, Lon­dres e Hong Kong, de on­de re­gres­sa com a ba­ga­gem re­ple­ta, tor­na­ram-se fa-

Ape­sar de Ro­bert Mu­ga­be, no po­der há 37 anos, ser o can­di­da­to da ZANU-FP à sua pró­xi­ma re­e­lei­ção, em 2018, a do­en­ça po­de im­pe­di-lo de ir às ur­nas. A hi­pó­te­se de a sua atu­al mu­lher, Gra­ce Mu­ga­be, ser in­di­ca­da pa­ra o subs­ti­tuir es­tá a cres­cer no país nos úl­ti­mos tem­pos. A con­cre­ti­zar-se, is­so irá con­tra a cor­ren­te da his­tó­ria con­tem­po­râ­nea afri­ca­na. Ro­bert Mu­ga­be, no po­der des­de 1980, é can­di­da­to a mais um man­da­to em 2018, mas a do­en­ça po­de­rá im­pe­di-lo de ir às ur­nas

Ro­bert e Gra­ce Mu­ga­be. Pre­si­den­te e su­ces­so­ra?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.