É CLA­RO, MAS…

ECO­NO­MIA,

Africa21 - - Diplomacia -

A im­por­tân­cia e/ou a re­per­cus­são de te­mas co­mo o con­tro­lo dos flu­xos mi­gra­tó­ri­os ou o res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos (em es­pe­ci­al no Egi­to) não im­pe­diu a abor­da­gem dos dos­si­ês eco­nó­mi­cos, du­ran­te a vi­si­ta de An­ge­la Mer­kel ao Egi­to e à Tu­ní­sia no iní­cio des­te mês. As­sim, no pri­mei­ro país vi­si­ta­do, Mer­kel pre­fe­riu pas­sar de ras­pão so­bre as ques­tões po­lí­ti­cas mais de­li­ca­das, li­mi­tan­do-se a des­ta­car a im­por­tân­cia da so­ci­e­da­de ci­vil e das or­ga­ni­za­ções de di­rei­tos hu­ma­nos pa­ra o pro­gres­so de qual­quer país. Na ver­da­de, na­que­la que foi a sua pri­mei­ra vi­si­ta ao Egi­to de­pois da Re­vo­lu­ção de 2011, a chan­ce­ler ale­mã fez-se acom­pa­nhar de uma nu­tri­da co­mi­ti­va de em­pre­sá­ri­os in­te­res­sa­dos em in­ves­tir no país. Du­ran­te a vi­si­ta, in­clu­si­ve, fo­ram inau­gu­ra­das três fá­bri­cas elé­tri­cas re­sul­tan­tes de uma par­ce­ria en­tre a com­pa­nhia ale­mã Si­e­mens e a egíp­cia Oras­com. A mul­ti­na­ci­o­nal ger­mâ­ni­ca es­tá a fa­zer uma am­bi­ci­o­sa apos­ta no de­sen­vol­vi­men­to do Egi­to, país com o qu­al as­si­nou acor­dos no va­lor de oi­to mil mi­lhões de eu­ros em 2015, du­ran­te uma vi­si­ta do Pre­si­den­te egíp­cio à Alemanha. De ob­ser­var que o in­te­res­se dos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros pe­lo Egi­to – o mai­or mer­ca­do do mun­do ára­be, com 90 mi­lhões de pes­so­as – tem cres­ci­do ul­ti­ma­men­te, de­pois da con­ces­são de um cré­di­to no va­lor de 11 mil mi­lhões de eu­ros. Já na Tu­ní­sia, uma fon­te lo­cal con­fi­den­ci­ou que, mais do que na ques­tão mi­gra­tó­ria, a chan­ce­ler ale­mã fo­cou-se nos dos­si­ês re­la­ci­o­na­dos com os in­ves­ti­men­tos. Sen­do ou não ri­go­ro­sa es­sa ava­li­a­ção, sa­be-se que An­ge­la Mer­kel anun­ci­ou em Tú­nis a con­ces­são de 250 mi­lhões de dólares adi­ci­o­nais pa­ra pro­je­tos de de­sen­vol­vi­men­to a re­a­li­zar por em­pre­sas ale­mãs. O in­te­res­se de Ber­lim pe­lo con­ti­nen­te afri­ca­no – no­te-se – co­me­çou no iní­cio de 2010, qu­an­do o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Mer­kel era o li­be­ral de­mo­cra­ta Gui­do Wes­terwel­le. Des­de es­sa al­tu­ra, Áfri­ca tor­nou-se uma pri­o­ri­da­de eco­nó­mi­ca pa­ra a Alemanha. A par­tir das «pri­ma­ve­ras ára­bes», o ati­vis­mo di­plo­má­ti­co jun­tou-se à eco­no­mia. Em 2013, por exem­plo, a Alemanha jo­gou um pa­pel im­por­tan­te pa­ra so­lu­ci­o­nar a cri­se en­tre is­la­mi­tas e an­ti-is­la­mi­tas na Tu­ní­sia. A co­o­pe­ra­ção com Mar­ro­cos é igual­men­te di­nâ­mi­ca. Es­te país é o se­gun­do be­ne­fi­ciá­rio na re­gião da aju­da ao de­sen­vol­vi­men­to con­ce­di­da pe­la Alemanha, de­pois do Egi­to. Por seu tur­no, as trocas com a Ar­gé­lia, em­bo­ra mo­des­tas, au­men­ta­ram des­de 2011. A cri­se dos re­fu­gi­a­dos em 2015, as­sim co­mo os acon­te­ci­men­tos da noi­te de São Sil­ves­tre na ci­da­de de Co­ló­nia, no mes­mo ano, qu­an­do emi­gran­tes ma­gre­bi­nos fo­ram acu­sa­dos de te­rem agre­di­do se­xu­al­men­te uma sé­rie de mu­lhe­res, fez ir­rom­per na ce­na o te­ma mi­gra­tó­rio. As au­to­ri­da­des ale­mãs co­me­ça­ram a olhar com ou­tros olhos os emi­gran­tes ir­re­gu­la­res. Em maio de 2016, o Par­la­men­to ale­mão apro­vou uma lei pa­ra de­cla­rar a Ar­gé­lia, a Tu­ní­sia e Mar­ro­cos co­mo «paí­ses de ori­gem se­gu­ros», o que tor­na mais di­fí­cil a con­ces­são de asi­lo ou re­si­dên­cia aos na­ci­o­nais des­ses paí­ses. Con­tu­do, a lei em ques­tão es­tá blo­que­a­da até ho­je, por ra­zões não ex­pli­ca­das. En­quan­to is­so, e de acor­do com a in­ves­ti­ga­ção da po­lí­cia, sou­be-se que a ale­ga­da «agres­são se­xu­al» su­pos­ta­men­te co­me­ti­da por emi­gran­tes ma­gre­bi­nos na úl­ti­ma noi­te de 2015 sim­ples­men­te não acon­te­ceu, is­to é, foi uma fa­ke news. É nes­te con­tex­to que as vi­si­tas ale­mãs ao con­ti­nen­te afri­ca­no se têm mul­ti­pli­ca­do des­de me­a­dos de 2016. An­tes do Egi­to e da Tu­ní­sia, a chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel es­te­ve no ano pas­sa­do no Ní­ger, Cha­de e Etió­pia. A men­sa­gem é a mes­ma: con­tri­buir pa­ra a es­ta­bi­li­za­ção re­gi­o­nal, co­mo for­ma de lu­tar con­tra o ter­ro­ris­mo e con­tro­lar a emi­gra­ção. Se is­so for fei­to, tal­vez os ale­mães abram os cor­dões à bol­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.