Áfri­ca no ca­mi­nho cer­to pa­ra a in­dus­tri­a­li­za­ção

Africa21 - - A Opinião De Carlos Lopes -

Uma abor­da­gem con­ser­va­do­ra à ques­tão da in­dus­tri­a­li­za­ção é dis­pen­di­o­sa e pre­ju­di­ci­al, a al­ter­na­ti­va exis­ten­te é bem mais pro­fí­cua

re­la­tó­rio re­cen­te da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca pa­ra Áfri­ca das Nações Uni­das ex­pli­ca a con­sis­tên­cia dos ar­gu­men­tos a fa­vor de um in­ves­ti­men­to em pro­je­tos de bai­xo ní­vel de car­bo­no. As con­di­ções le­gais, as opor­tu­ni­da­des de com­pen­sa­ções eco­nó­mi­cas e a sus­ten­ta­bi­li­da­de a lon­go-pra­zo ga­ran­tem que o se­tor pri­va­do de­ve vi­rar-se ra­pi­da­men­te pa­ra es­te ni­cho. O re­la­tó­rio adi­ci­o­na ain­da in­ves­ti­ga­ção so­bre a in­dus­tri­a­li­za­ção, em par­ti­cu­lar, so­bre as ex­pe­ri­ên­ci­as do su­do­es­te asiá­ti­co, opor­tu­ni­da­de pa­ra a apren­di­za­gem e pa­ra a ré­pli­ca de bo­as prá­ti­cas, ofe­re­cen­do uma abor­da­gem sis­té­mi­ca à in­dus­tri­a­li­za­ção ver­de, sus­ten­ta­da por pe­ri­tos em se­to­res-cha­ve co­mo os da agri­cul­tu­ra, ener­gia, ex­tra­ti­vos, pro­du­tos ma­nu­fa­tu­ra­dos e água. É ver­da­de que a abor­da­gem con­ser­va­do­ra à ques­tão da in­dus­tri­a­li­za­ção im­pli­ca cus­tos ina­cei­ta­vel­men­te ele­va­dos; em al­ter­na­ti­va, a me­lhor op­ção se­rá a de um uso efi­ci­en­te dos re­cur­sos não re­no­vá­veis, ali­a­do a uma mai­or pro­te­ção am­bi­en­tal. Uma es­co­lha que au­men­ta a com­pe­ti­ti­vi­da­de a ní­vel glo­bal, as­se­gu­ran­do sus­ten­ta­bi­li­da­de a lon­go-pra­zo. Mu­dan­ças pa­ra­le­las não trans­for­mam as eco­no­mi­as afri­ca­nas, nem tra­zem o tão al­me­ja­do cres­ci­men­to, aque­le que em­po­de­ra e trans­mi­te con­fi­an­ça às co­mu­ni­da­des que têm per­ma­ne­ci­do na pe­ri­fe­ria do de­sen­vol­vi­men­to. Por is­so, há que re­a­li­zar mu­dan­ças per­ti­nen­tes nes­se sen­ti­do, ci­en­tes de que a trans­for­ma­ção não se ope­ra es­pon­ta­ne­a­men­te. Es­ta tran­si­ção im­pli­ca me­di­das co­e­ren­tes aco­pla­das a uma es­tra­té­gia de de­sen­vol­vi­men­to tam­bém ela co­e­ren­te, ilu­mi­na­da por li­de­ran­ças trans­for­ma­ti­vas ca­pa­zes de me­di­das au­da­zes.

Ago­ra, porquê?

O ano pas­sa­do trou­xe con­si­go no­tá­veis acor­dos mun­di­ais – a Agen­da de Ação de Adis Abe­ba, os no­vos Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel e o Acor­do de Pa­ris so­bre o cli­ma –, acor­dos que se ali­nham na per­fei­ção com as pri­o­ri­da­des afri­ca­nas. Ve­ja-se o exem­plo da ener­gia: o con­ti­nen­te é do­ta­do de abun-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.