Espanha con­ce­de

Africa21 - - Insumos -

Uma li­nha de cré­di­to de 75 mi­lhões de eu­ros se­rá con­ce­di­da por Espanha a An­go­la pa­ra apoi­ar par­ce­ri­as en­tre as em­pre­sas dos dois paí­ses, re­ve­lou em Lu­an­da, a pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do Ins­ti­tu­to de Fo­men­to Em­pre­sa­ri­al (IFE) an­go­la­no, Dal­va Rin­go­te. A li­nha foi ins­ti­tuí­da pe­la Com­pa­nhia Es­pa­nho­la de Fi­nan­ci­a­men­to do De­sen­vol­vi­men­to (Co­fi­des) e be­ne­fi­ci­a­rá pro­je­tos nos sec­to­res da agri­cul­tu­ra, trans­por­tes e lo­gís­ti­ca, ex­plo­ra­ção mi­nei­ra, ma­te­ri­ais de cons­tru­ção, cal­ça­do, pe­troquí­mi­ca e pro­ces­sa­men­to de ali­men­tos. A pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do IFE, de­pois de ob­ser­var que o fi­nan­ci­a­men­to re­sul­ta de um acor­do de co­o­pe­ra­ção ce­le­bra­do en­tre o ins­ti­tu­to e a Co­fi­des, acres­cen­tou que a li­nha de cré­di­to se­rá ope­ra­ci­o­na­li­za­da por qua­tro ban­cos es­pa­nhóis, em par­ce­ria com ban­cos an­go­la­nos. Ne­nhum de­les foi men­ci­o­na­do. A Co­fi­des fa­rá a ava­li­a­ção de ris­co dos pro­je­tos. O acor­do de co­o­pe­ra­ção en­tre o IFE e a Co­fi­des vi­go­ra­rá até 2019. Os pro­je­tos se­le­ci­o­na­dos be­ne­fi­ci­am de cré­di­tos que vão de 750 mil eu­ros a três mi­lhões de eu­ros, po­den­do ser fi­nan­ci­a­dos iso­la­da­men­te ou em re­gi­me de co­fi­nan­ci­a­men­to. Se­rão pri­vi­le­gi­a­dos pro­je­tos que, além de per­mi­ti­rem a ab­sor­ção de tec­no­lo­gi­as, con­cor­ram pa­ra ace­le­ra­ção e con­so­li­da­ção do pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia an­go­la­na. O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção In­dus­tri­al de An­go­la (AIA), Jo­sé Se­ve­ri­no, ape­lou às ins­ti­tui­ções que de­têm linhas de cré­di­to a de­sen­vol­ve­rem ati­vi­da­des no in­te­ri­or do país, «por­que é lá on­de es­tão as van­ta­gens com­pe­ti­ti­vas pa­ra sus­ten­ta­bi­li­da­de da nos­sa eco­no­mia». A li­nha de cré­di­to aber­ta pe­la Co­fi­des junta-se a uma ou­tra li­nha aber­ta pe­lo go­ver­no es­pa­nhol, no va­lor de dois mil mi­lhões de eu­ros, que des­de 2008 es­tá a fi­nan­ci­ar pro­je­tos em vá­ri­os se­to­res de ati­vi­da­de em An­go­la. O ano de 2017 pa­re­ce que se­rá di­fí­cil pa­ra os egíp­ci­os mais po­bres, de­vi­do à re­du­ção do seu po­der aqui­si­ti­vo cau­sa­do pe­la su­bi­da da in­fla­ção. Com efei­to, uma das pri­mei­ras me­di­das eco­nó­mi­cas to­ma­das es­te ano pe­las au­to­ri­da­des do Cai­ro foi a des­va­lo­ri­za­ção da li­bra egíp­cia em mais de 50%. Ape­sar dis­so, ale­gam os eco­no­mis­tas, co­me­çam a sur­gir alguns si­nais pro­mis­so­res, pois, no pas­sa­do mês de fe­ve­rei­ro, a li­bra re­for­çou-se de ma­nei­ra sig­ni­fi­ca­ti­va, ao mes­mo tem­po que o Ban­co Cen­tral au­men­tou as su­as re­ser­vas.

Uma das mais co­nhe­ci­das mar­cas de cer­ve­ja de An­go­la, a EKA es­tá a co­me­mo­rar o seu 45.º ani­ver­sá­rio. Com uma ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção ins­ta­la­da de cin­co mi­lhões de li­tros por mês e pos­suin­do cer­ca de 170 pos­tos de tra­ba­lho, a EKA tem co­mo desafio pa­ra es­te ano con­quis­tar no­vos con­su­mi­do­res, atra­vés do no­vo for­ma­to lata sle­ek. É uma cer­ve­ja pa­ra aque­les con­su­mi­do­res que pro­cu­ram uma al­ter­na­ti­va de qua­li­da­de e sa­bor. Pre­ten­de re­for­çar o seu po­si­ci­o­na­men­to de cer­ve­ja mais tra­di­ci­o­nal do mer­ca­do, com raí­zes na­ci­o­nais, e de sa­bor úni­co. É tam­bém pri­o­ri­da­de da mar­ca con­ti­nu­ar a trans­for­mar a co­mu­ni­da­de em que se in­se­re co­mo um dos mai­o­res ge­ra­do­res de em­pre­go da pro­vín­cia do Kwan­za Nor­te.

O país as­si­nou um acor­do de co­o­pe­ra­ção de cin­co anos com a No­va Ze­lân­dia cu­jo ob­je­ti­vo é a di­ver­si­fi­ca­ção e for­ta­le­ci­men­to da eco­no­mia ti­mo­ren­se, di­mi­nuin­do a sua de­pen­dên­cia re­la­ti­va­men­te ao pe­tró­leo e gás na­tu­ral. As­si­na­do du­ran­te uma vi­si­ta à No­va Ze­lân­dia do pri­mei­ro-mi­nis­tro ti­mo­ren­se, Rui Maria de Araú­jo, o acor­do irá, por exem­plo, im­pul­si­o­nar a pro­du­ção de ca­fé or­gâ­ni­co em Ti­mor-Les­te. «Na área da agri­cul­tu­ra, a No­va Ze­lân­dia es­tá a apoi­ar pe­que­nos agri­cul­to­res pa­ra re­a­bi­li­tar as su­as plan­ta­ções de ca­fé, na área de for­ta­le­ci­men­to ins­ti­tu­ci­o­nal apoia o se­tor de jus­ti­ça pa­ra for­ta­le­cer a sua ca­pa­ci­da­de», dis­se o go­ver­nan­te.

Dois po­ços de pe­tró­leo mo­çam­bi­ca­nos de­ve­rão co­me­çar a ser ex­plo­ra­dos den­tro de dois a três anos pe­lo gru­po sul-afri­ca­no Sa­sol, ao lar­go da cos­ta da pro­vín­cia de Inham­ba­ne. De acor­do com Stephen Cor­nell, di­re­tor exe­cu­ti­vo da Sa­sol, o gru­po fez prospeção em qua­tro fu­ros e ob­te­ve re­sul­ta­dos po­si­ti­vos em to­dos, in­cluin­do uma área on­de se es­pe­ra­va en­con­trar gás na­tu­ral, mas aca­bou por se en­con­trar pe­tró­leo. O gru­po sul-afri­ca­no ex­plo­ra de­pó­si­tos de gás na­tu­ral nes­ta pro­vín­cia mo­çam­bi­ca­na e ini­ci­ou a prospeção de pe­tró­leo no país em 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.