S

Africa21 - - Livro Do Mês -

er­vin­do-se da His­tó­ria mui­to à ma­nei­ra do seu co­e­tâ­neo Pe­pe­te­la, que de­la se so­cor­re amiú­de pa­ra re­con­tar ou­tras es­tó­ri­as mais re­cen­tes, Jo­nu­el Gon­çal­ves evo­ca de­sen­can­ta­da­men­te os ca­di­nhos da diás­po­ra an­go­la­na num mun­do que no sé­cu­lo XV dei­xou de ser pa­ro­qui­al pa­ra se pre­nun­ci­ar co­mo a atu­al al­deia glo­bal, anun­ci­an­do igual­men­te a uni­ver­sa­li­da­de do que se vi­ria a tor­nar o Ho­mem An­go­la­no, su­jei­to e ví­ti­ma, ao mes­mo tem­po, de um pro­ta­go­nis­mo que o vi­ria a de­fi­nir pa­ra o me­lhor e pa­ra o pi­or. E, de cer­to mo­do, ten­ta fa­zer nes­te livro uma es­pé­cie de tes­ta­men­to pes­so­al on­de des­fia a sua po­si­ção so­bre o Mun­do em ge­ral e An­go­la em par­ti­cu­lar. «O com­ba­te clan­des­ti­no tem si­do uma for­ma de re­sis­tên­cia hu­ma­na des­de tem­pos mui­to re­cu­a­dos e de­sem­pe­nha um pa­pel cen­tral na His­tó­ria ina­ca­ba­da da luta con­tra as opres­sões. A Ilha de Mar­tim Vaz re­tra­ta-o atra­vés de qua­tro ou cin­co gran­des pai­xões amo­ro­sas em três sé­cu­los dis­tin­tos: XV, XVIII e XXI, sem­pre em ci­ma de mu­dan­ças so­ci­ais de­ci­si­vas e sob pe­ri­gos e ame­a­ças cons­tan­tes», lê-se na si­nop­se do livro. Às di­fe­ren­ças de épo­ca o ro­tei­ro des­te livro acres­cen­ta lo­cais dis­tan­tes en­tre si mas pró­xi­mos nos en­con­tros e con­fron­tos: de Ceu­ta a Tom­buc­tu, do Rio a Ben­gue­la, de Lu­an­da a Cai­e­na, pas­san­do por Car­ta­go, La­gos, São Jorge da Mi­na, Lis­boa e Bor­déus, con­cluin­do no Sahel de ho­je, num ema­ra­nha­do in­ten­ci­o­nal pa­ra de­mons­trar, co­mo re­fe­ri­mos, que o mun­do es­ta­va a tor­nar-se re­al­men­te uma al­deia glo­bal. Mar­tim Vaz, que ins­pi­ra o tí­tu­lo, é uma pe­que­nís­si­ma ilha que, com Trin­da­de, for­ma um ar­qui­pé­la­go bra­si­lei­ro lo­ca­li­za­do no Oce­a­no Atlân­ti­co, a cer­ca de 1200 km a les­te da se­de do mu­ni­cí­pio de Vi­tó­ria, do qu­al faz par­te, no es­ta­do do Es­pí­ri­to San­to, co­nhe­ci­da por ser o pon­to ex­tre­mo les­te de to­do o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro. É um tí­tu­lo me­ra­men­te um pre­tex­to, pos­si­vel­men­te pa­ra sig­ni­fi­car re­al­men­te a nos­sa pe­que­nez. A tra­ma par­te do en­con­tro de pre­ten­sos ma­nus­cri­tos dos sé­cu­los XV e XVIII – acha­dos no Rio de Ja­nei­ro du­ran­te as obras pa­ra os Jo­gos Olím­pi­cos de 2016 – que re­ve­lam his­tó­ri­as mui­to fo­ra da ver­são ha­bi­tu­al, aliás, co­mo o pró­prio ca­sal de pes­qui­sa­do­res que tra­ba­lhou os do­cu­men­tos, cu­jo percurso es­tá ta­tu­a­do pe­las gran­des tur­bu­lên­ci­as do sé­cu­lo XX e des­te pe­da­ço do XXI. Na so­ma, is­to aqui cru­za três épo­cas e atra­ves­sa três con­ti­nen­tes, mas não é um livro de vi­a­gens. Por aqui an­dam ho­mens e mu­lhe­res a ca­mu-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.