S

Africa21 - - Livro Do Mês -

enhor Pri­mei­ro-Mi­nis­tro, Es­cre­vo-lhe es­ta car­ta co­mo ci­da­dão, mi­li­tan­te po­lí­ti­co e in­te­lec­tu­al an­go­la­no que des­de sem­pre tem pro­cu­ra­do va­lo­ri­zar as re­la­ções en­tre An­go­la e Por­tu­gal, em to­dos os ní­veis e di­men­sões. A his­tó­ria dos nos­sos dois po­vos ex­pli­ca e fun­da­men­ta a ne­ces­si­da­de de com­pre­en­der tais re­la­ções e, so­bre­tu­do, de, uma vez en­ten­di­das cor­re­ta e mu­tu­a­men­te, fa­zer de­las o ci­men­to de uma au­tên­ti­ca par­ce­ria es­tra­té­gi­ca en­tre os nos­sos dois paí­ses, já acor­da­da no pa­pel, mas que de­mo­ra a ser efe­ti­va­da. Co­mo sa­be, os la­ços en­tre An­go­la e Por­tu­gal, que co­me­ça­ram com um en­con­tro que de­ve­ria ter si­do pa­cí­fi­co e cor­di­al en­tre os pri­mei­ros na­ve­ga­do­res lu­si­ta­nos che­ga­dos à cos­ta an­go­la­na e os ha­bi­tan­tes do en­tão rei­no do Con­go, trans­for­ma­ram-se ra­pi­da­men­te num re­la­ci­o­na­men­to fun­da­do na do­mi­na­ção e na in­jus­ti­ça. En­tre­tan­to, o fac­to de, sé­cu­los mais tar­de, an­go­la­nos e por­tu­gue­ses se te­rem ali­a­do pa­ra lu­tar con­tra o mes­mo re­gi­me co­lo­ni­al-fas­cis­ta que os opri­mia si­mul­ta­ne­a­men­te po­de­ria ter si­do de­ci­si­vo pa­ra «re­sol­ver» es­se trau­ma ini­ci­al que até ho­je, quei­ra-se ou não, pai­ra so­bre as nos­sas re­la­ções, não fo­ra a de­ci­são da en­tão cor­ren­te he­ge­mó­ni­ca do Par­ti­do So­ci­a­lis­ta Por­tu­guês de pôr-se ao ser­vi­ço da es­tra­té­gia da CIA pa­ra An­go­la, pas­san­do a apoi­ar as for­ças re­tró­gra­das da UNITA, li­de­ra­das por Jo­nas Sa­vim­bi. As re­la­ções An­go­la-Por­tu­gal pas­sam nes­te mo­men­to por mais um da­que­les mo­men­tos de ten­são e re­cri­mi­na­ções mú­tu­as a que não é alheio, cer­ta­men­te, o trau­ma ini­ci­al que as mar­ca des­de o sé­cu­lo XV, ali­a­do às con­di­ções em que ocor­reu a independência de An­go­la, as­sim co­mo às es­co­lhas que o no­vo país foi for­ça­do a fa­zer por cau­sa da Guer­ra Fria. Te­nho pou­cas dú­vi­das de que nu­me­ro­sos se­to­res da so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa têm uma pro­fun­da di­fi­cul­da­de em en­ten­der os re­fe­ri­dos epi­só­di­os, tal­vez (es­tou a ser sim­pá­ti­co) de­vi­do ao seu des­co­nhe­ci­men­to do que é a his­tó­ria. Por is­so, acre­di­tam pi­a­men­te nas su­as con­clu­sões, mui­tas ve­zes apres­sa­das, pa­ra não di­zer abu­si­vas, acer­ca de qual­quer di­fe­ren­do lu­so-an­go­la­no. O mais re­cen­te exem­plo des­ses juí­zos apres­sa­dos e apri­o­rís­ti­cos po­de ser en­con­tra­do nu­ma re­cen­te afir­ma­ção do se­nhor pri­mei­ro-mi­nis­tro à te­le­vi­são por­tu­gue­sa acer­ca da in­ves­ti­ga­ção do mi­nis­té­rio pú­bli­co por­tu­guês ao vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca an­go­la­na, por su­pos­ta «cor­rup­ção ati­va». Dis­se o se­nhor, a con­cluir a sua ar­gu­men­ta­ção, que «o Es­ta­do an­go­la­no e os an­go­la­nos têm de en­ten­der que em Por­tu­gal exis­te se­pa­ra­ção de po­de­res» (ci­to de cor). Te­nho de res­pon­der-lhe, pe­la par­te que me ca­be, que o Es­ta­do e os ci­da­dãos an­go­la­nos sa­bem per­fei­ta­men­te co­mo de­ve fun­ci­o­nar a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va e, por con­se­guin­te, o que é a se­pa­ra­ção de po­de­res. A mai­o­ria das nos­sas eli­tes e os nos­sos qua­dros es­tu­da­ram nos ma­nu­ais oci­den­tais e do­mi­nam os seus con­cei­tos. Por is­so, afir­ma­mos, sem me­do de er­rar, que a de­li­be­ra­da fu­ga de in­for­ma­ção pro­mo­vi­da pe­lo mi­nis­té­rio pú­bli­co por­tu­guês acer­ca do pro­ces­so que en­vol­ve o vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca an­go­la­no tem tu­do me­nos a ver com o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co. Além dis­so, e ao con­trá­rio do que pa­re­ce ter es­que­ci­do a es­quer­da eu­ro­peia, sa­be­mos tam­bém que o di­rei­to não é ape­nas téc­ni­ca, mas tam­bém ide­o­lo­gia e in­te­res­se de clas­se. Co­mo en­si­na o fi­ló­so­fo de di­rei­to bra­si­lei­ro Ally­son Mas­ca­ro, «o co­nhe­ci­men­to ju­rí­di­co au­tor­re­fe­ren­ci­a­do dos ju­ris­tas não é dis­tin­to de uma vi­são ge­ral de mun­do correspondente à sua clas­se. O cam­po ju­rí­di­co é es­tru­tu­ra­do por uma ga­ma de agen­tes qua­se sem­pre de clas­se mé­dia. Su­as ba­li­zas de mun­do são as mes­mas de seus con­vi­ven­tes – sta­tus, sím­bo­los, ní­veis e fo­cos de con­su­mo, va­lo­res e com­pre­en­sões». O co­mu­ni­ca­do do mi­nis­té­rio an­go­la­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res so­bre o ti­ming e a for­ma co­mo va­zou pa­ra a im­pren­sa o úl­ti­mo ca­so en­vol­ven­do o vi­ce-pre­si­den­te do país num ale­ga­do pro­ces­so de cor­rup­ção em Por­tu­gal é cla­ro, não au­to­ri­zan­do nin­guém a con­cluir que o Es­ta­do e as eli­tes an­go­la­nas des­co­nhe­cem co­mo fun­ci­o­na a de­mo­cra­cia. Re­me­to-o, se­nhor pri­mei­ro-mi­nis­tro, pa­ra o ana­lis­ta por­tu­guês Pedro Mar­ques Lo­pes, que re­cen­te­men­te con­si­de­rou «uma ver­go­nha» os pro­ces­sos de in­ves­ti­ga­ção fei­tos em Por­tu­gal «em co­la­bo­ra­ção com ta­bloi­des, com um des­pre­zo to­tal pe­lo se­gre­do de jus­ti­ça, se­le­ci­o­nan­do as in­for­ma­ções que sa­em pa­ra fa­zer cri­ar uma con­vic­ção de cul­pa». Apa­ren­te­men­te, por­tan­to, quem não sa­be co­mo fun­ci­o­na o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co é o Es­ta­do por­tu­guês ou pe­lo me­nos alguns dos seus agen­tes..

Mui­tos por­tu­gue­ses des­co­nhe­cem a in­fluên­cia da his­tó­ria nas re­la­ções An­go­la-Por­tu­gal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.