NÃO SE NASCE CORRUPTO ELES FA­ZEM-SE DI­RI­GEN­TES

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TO­NET kui­bao@hot­mail.com

Os par­ti­do­cra­tas, há mais de 40 anos, não têm so­lu­ções, não têm es­tra­té­gia, não têm um pro­gra­ma sé­rio pa­ra com­ba­ter a cri­se, que a sua pró­pria in­ca­pa­ci­da­de ge­rou. Não é ho­nes­to apon­tar a bai­xa do pre­ço do pe­tró­leo, co­mo a ex­clu­si­va res­pon­sá­vel pe­la ac­tu­al si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al dos an­go­la­nos, quan­do uns pou­cos se far­ta­ram de rou­bar. Rou­bar a gra­nel, pa­ra não fa­lar, ma­fi­o­sa e an­ti-pa­tri­o­ti­ca­men­te... Ho­nes­to é re­co­nhe­cer a for­ma de­pra­va­da, co­mo o erá­rio pú­bli­co foi, e es­tá a ser, ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te, de­la­pi­da­do, por um gru­po, cada vez mais am­bi­ci­o­so e in­sen­sí­vel, per­pe­tu­a­do, não pe­la for­ça da li­ber­da­de, da de­mo­cra­cia e do vo­to, mas pe­las ar­mas, por exér­ci­tos pri­va­dos, po­lí­cia par­ti­da­ri­za­da e Se­gu­ran­ça de Es­ta­do, nu­ma am­bi­ção sem li­mi­tes, ao pon­to de, pa­ra o cam­po co­ber­to, com o apoio di­a­bó­li­co de pa­dres e pas­to­res, ins­tru­men­ta­li­zam e cor­rom­pem gran­de par­te das igre­jas cris­tãs. Tal co­mo fa­zia o co­lo­no bran­co, ago­ra, o co­lo­no ne­gro, bes­ti­a­li­za os ci­da­dãos, pe­la fé, be­bi­da, mú­si­ca e fu­te­bol, con­tan­do com o con­cur­so dos peões, im­plan­tan­do mais igre­jas, por me­tro qua­dra­do, que es­co­las, pa­ra uma al­fa­be­ti­za­ção bes­ta, on­de a in­com­pe­tên­cia e rou­ba­lhei­ra go­ver­na­men­tal, são trans­for­ma­das co­mo fa­ta­li­da­de di­vi­na. Di­vi­na é a pa­ci­ên­cia dos au­tóc­to­nes, aguen­tan­do tan­to so­fri­men­to, dis­cri­mi­na­ção, má go­ver­na­ção, rou­ba­lhei­ra e cor­rup­ção, to­do es­te pa­co­te, sem in­dig­na­ção. A omis­são, o me­do e o co­mo­dis­mo, popular, no ca­so, cons­ti­tu­em o vi­a­gra, pa­ra es­ti­mu­lar a in­com­pe­tên­cia do re­gi­me, lo­go é pre­ci­so, uma sé­ria in­ver­são. O po­vo tem de fa­zer acon­te­cer, dan­do um BASTA NA COR­RUP­ÇÃO. Não po­de con­ti­nu­ar aco­bar­da­do, com me­do da mu­dan­ça, quan­do é de­ten­tor da so­be­ra­nia. As ar­mas e as bai­o­ne­tas do re­gi­me, um dia, não acei­ta­rão atra­ves­sar os cor­pos dos ci­da­dãos, di­a­ri­a­men­te des­po­ja­dos das su­as ter­ras, ati­ra­dos ao re­len­to, rou­ba­dos e as­sas­si­na­dos na zun­ga, por uma for­ça ar­ma­da cha­ma­da de fis­ca­li­za­ção, na ver­da­de, um exér­ci­to de ga­tu­nos do re­gi­me, que rou­ba, es­pan­ca e as­sas­si­na, des­ca­ra­da­men­te, à luz do dia, os am­bu­lan­tes, as zun­guei­ras e os co­mer­ci­an­tes, com a mai­or das im­pu­ni­da­des. Na es­qui­na de tu­do is­so, não se­rá pos­sí­vel uma al­ter­nân­cia pa­cí­fi­ca se não hou­ver ele­va­ção do pre­si­den­te Edu­ar­do dos San­tos, pa­ra uma so­lu­ção de diá­lo­go sé­rio, em pé de igual­da­de, com to­das as for­ças po­lí­ti­cas, vi­san­do es­ba­ter os re­cal­ca­men­tos e os ódi­os que cam­pei­am. Se na­da for fei­to, de subs­tan­ti­vo, não te­nha­mos dú­vi­das, es­ta­re­mos a adi­ar a ex­plo­são so­ci­al im­pre­vi­sí­vel, por­quan­to es­ta é, tam­bém, a ho­ra de to­dos os po­vos opri­mi­dos de Angola, uni­rem as vo­zes, nu­ma gran­de on­da de união, pa­ra re­flec­tir so­bre LI­BER­DA­DE, DE­MO­CRA­CIA, e quais as fer­ra­men­tas pa­ra se cor­rer com a COR­RUP­ÇÃO e os CORRUPTOS, in­sen­sí­veis ao so­fri­men­to dos ci­da­dãos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.