ISA­BEL DOS SAN­TOS GASTA FORTUNAS EM LONDRES

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DERUI VER­DE (*)

Tal­vez o te­ma se­ja do do­mí­nio da psi­qui­a­tria, mas por al­gu­ma ra­zão es­tra­nha Isa­bel dos San­tos in­sis­te em gas­tar pe­que­nas fortunas em even­tos des­ne­ces­sá­ri­os em Londres. Ago­ra te­mos a con­fe­rên­cia Oil and Mo­ney (Pe­tró­leo e Di­nhei­ro), que se re­a­li­za na ca­pi­tal lon­dri­na a 18 e 19 de Ou­tu­bro, num lu­xu­o­so ho­tel e que é pa­tro­ci­na­da pe­la So­nan­gol, en­tre ou­tros. So­nan­gol, a mes­ma em­pre­sa que não tem di­nhei­ro, que en­fren­ta di­fi­cul­da­des de cré­di­to, e que te­ve de ven­der com pre­juí­zo a sua par­ti­ci­pa­ção na Galp por­tu­gue­sa, fi­nan­cia uma con­fe­rên­cia em Londres. Es­sa con­fe­rên­cia reú­ne vá­ri­os ora­do­res in­flu­en­tes, des­de o mi­nis­tro da Ener­gia e lí­der da Aram­co na Ará­bia Sau­di­ta, a Bob Du­dley da BP ou Wat­son da Che­vron, mais os CEO da Ex­xon­mo­bil, Co­no­co, To­tal, etc. Cu­ri­o­sa­men­te, não sur­ge ninguém de Angola a fa­lar… e tam­bém nos pa­tro­cí­ni­os a So­nan­gol é acom­pa­nha­da de ou­tras em­pre­sas, pas­san­do des- per­ce­bi­da. A não ser que Isa­bel vá re­ce­ber o Pré­mio de Exe­cu­ti­va do Pe­tró­leo do ano 2016, em mais um jan­tar de ga­la. A per­gun­ta é ine­vi­tá­vel e per­ti­nen­te: pa­ra quê gas­tar di­nhei­ro nes­tes even­tos? Ou se es­tá nu­ma fase de re­es­tru­tu­ra­ção, ou não. Pa­tro­ci­nar even­tos de paí­ses ri­cos é no mí­ni­mo dis­cu­tí­vel, e é so­bre­tu­do ri­dí­cu­lo e per­du­lá­rio. Há al­guns me­ses re­por­tá­mos que Isa­bel an­da­va ocu­pa­da a pa­gar uns jan­ta­res chi­ques e a ga­nhar uns pré­mi­os da Bri­tish Ex­per­ti­se In­ter­na­ti­o­nal, em­pre­sa pri­va­da de con­sul­to­ria e acon­se­lha­men­to, es­pe­ci­a­li­za­da em cri­ar re­des de ne­gó­ci­os, e que or­ga­ni­za fi­nos jan­ta­res em Ken­sing­ton, Londres, pa­gos a 200,00 por ca­be­ça e re­ga­dos a cham­pa­nhe, no de­cor­rer dos quais são en­tre­gues pré­mi­os dis­tri­buí­dos por 12 ca­te­go­ri­as. Es­ta é uma le­gí­ti­ma em­pre­sa de ne­gó­ci­os que cria pré­mi­os co­mo exer­cí­cio de re­la­ções pú­bli­cas, mas não tem o es­ta­tu­to de qual­quer aca­de­mia ou ins­ti­tu­to ci­en­tí­fi­co ou téc­ni­co. En­tre­tan­to, Isa­bel com­prou pa­ra a sua em­pre­sa de jói­as De Gri- so­go­no umas ins­ta­la­ções opu­len­tas na Bond Stre­et, a rua mais ca­ra de Londres, ten­do fi­ca­do a ar­qui­tec­tu­ra de in­te­ri­o­res a car­go do Da­vid Col­lins Stu­dio; tu­do – aqui­si­ção, de­co­ra­ção, aber­tu­ra – de­cor­reu de for­ma mui­to rá­pi­da. O jor­nal in­glês The Te­le­graph co­men­tou: “In ty­pi­cally fast-pa­ced De Gri­so­go­no sty­le, the bou­ti­que has ope­ned just 12 months af­ter the ini­ti­al bri­e­fing.” (“No ha­bi­tu­al rit­mo ace­le­ra­do bem ao es­ti­lo De Gri­so­go­no, a bou­ti­que abriu ape­nas 12 me­ses após o bri­e­fing ini­ci­al.”) To­dos es­tes even­tos ser­vem ape­nas pa­ra su­gar di­nhei­ro. Não re­pre­sen­tam qual­quer mais-va­lia, a não ser umas bre­ves no­tí­ci­as jor­na­lís­ti­cas, em que aliás se po­dem mis­tu­rar “bo­as no­tí­ci­as” com da­nos re­pu­ta­ci­o­nais. Na con­fe­rên­cia Oil and Mo­ney um dos ora­do­res é Igor Se­chin. Se­chin viu o seu pa­tri­mó­nio con­ge­la­do pe­los Es­ta­dos Uni­dos e fi­cou proi­bi­do de vi­a­jar pa­ra aque­le país em 2014. Qual a van­ta­gem da So­nan­gol em se as­so­ci­ar a Se­chin quan­do os ban­cos ame­ri­ca­nos já es­tão com re­lu­tân­cia em tra­ba­lhar com Isa­bel dos San­tos de­vi­do às su­as li­ga­ções pe­ri­go­sas, co­mo se viu com a apa­ren­te re­cu­sa do Bank of Ame­ri­ca em par­ti­ci­par na ven­da da par­ti­ci­pa­ção da Galp. Qual­quer pro­mo­ção, quer por par­te de Isa­bel dos San­tos, quer por par­te da So­nan­gol, se­ria bem mais útil a apoi­ar as cri­an­ças e os do­en­tes dos su­búr­bi­os de Lu­an­da, os es­fo­me­a­dos do Cu­ne­ne, a cons­truir es­co­las, a pa­gar a pro­fes­so­res pa­ra irem es­tu­dar em Londres, e por aí adi­an­te. A fi­lha de JES é pre­si­den­te da Cruz Ver­me­lha de Angola. Se con­sul­tar­mos o si­te des­ta ins­ti­tui­ção, ve­ri­fi­ca­mos com es­pan­to que a sua úni­ca ac­ti­vi­da­de re­fe­ri­da é um cur­so de pri­mei­ros-so­cor­ros re­a­li­za­do em 2 de Ju­nho de 2012… Há qual­quer coi­sa mui­to er­ra­da nes­ta es­tra­té­gia, nes­ta po­lí­ti­ca. Isa­bel dos San­tos pa­tro­ci­na o even­to do New York Ti­mes e da Energy In­ter­na­ti­o­nal, a tal con­fe­rên­cia Oil and Mo­ney em Londres, mas na Cruz Ver­me­lha em Angola nem se­quer o Pla­no Es­tra­té­gi­co é de­sen­vol­vi­do des­de 2009. (*) Ma­ka Angola

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.