DE­PU­TA­DOS ROTULADOS DE CRIMINOSOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

OPre­si­den­te do MPLA pro­fe­re o anu­al dis­cur­so so­bre o Es­ta­do da (sua) Na­ção no dia 17 de Ou­tu­bro, na se­de da As­sem­bleia que de­ve­ria ser, mas não é, Na­ci­o­nal. As­sim co­me­ça­rá a quin­ta ses­são le­gis­la­ti­va da III le­gis­la­tu­ra rei­nan­te. Des­ta vez exis­te mais uma das ino­va­ções tí­pi­cas do re­gi­me, não ten­do si­do pos­sí­vel ao F8, até ao fe­cho des­ta edi­ção, des­co­brir se a pers­pi­cá­cia dos acó­li­tos do MPLA é ori­gi­nal ou uma me­ra có­pia do que é pra­ti­ca­do nas mais avan­ça­das de­mo­cra­ci­as do mun­do e que, co­mo se sa­be, são uma bús­so­la pa­ra Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos: Co­reia do Nor­te e Gui­né-Equa­to­ri­al. A ver­da­de é que, des­ta fei­ta, os de­pu­ta­dos (elei­tos pe­los vo­tos des­sa es­pé­cie que o re­gi­me con­si­de­ra me­nor – os an­go­la­nos) não po­de­rão en­trar na (mal) di­ta Casa da De­mo­cra­cia – a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, com te­le­mó­veis, com­pu­ta­do­res, blo­cos de no­tas, fo­lhas de pa­pel. Já se­rá uma es­pe­ci­al con­des­cen­dên­cia de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos per­mi­tir que os de­pu­ta­dos, so­bre­tu­do os da Opo­si­ção, en­trem ves­ti­dos. É cla­ro que, por ques­tões de se­gu­ran­ça, se­rão mi­nu­ci­o­sa­men­te re­vis­ta­dos. Sa­ben­do-se que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos até te­me que a sua pró­pria som­bra li­de­re uma ten­ta­ti­va de gol­pe de Es­ta­do, to­das as me­di­das de se­gu­ran­ça são com­pre­en­sí­veis. De acor­do com o seu staff, as no­vas tec­no­lo­gi­as per­mi­tem que – por exem­plo – uma es­fe­ro­grá­fi­ca BIC (so­bre­tu­do se for azul) se trans­for­me fa­cil­men­te num mís­sil de enor­me ca­pa­ci­da­de des­tru­ti­va e de efei­tos co­la­te­rais as­sus­ta­do­ra­men­te le­tais. A Opo­si­ção es­tá, en­tre­tan­to, a pro­cu­rar con­sen­so so­bre a re­ac­ção a to­mar em re­la­ção a es­te im­pe­di­men­to (au­sên­cia to­tal e inequí­vo­ca de qual­quer ma­te­ri­al de apoio) que, de fac­to, os con­si­de­ra “ter­ro­ris­tas” ou ”mal­fei­to­res” que po­de­rão aten­tar con­tra a vi­da do “que­ri­do lí­der”. À ho­ra do fe­cho des­ta edi­ção, a pos­si­bi­li­da­de de pu­ra e sim­ples­men­te não com­pa­re­ce­rem à ce­ri­mó­nia so­le­ne é a mais con­sen­su­al. Ou­tra apon­ta pa­ra que es­te­jam pre­sen­tes na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, mas fo­ra da “zo­na de guer­ra” on­de fa­la­rá Sua Ex­ce­lên­cia o Pre­si­den­te (nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to e há 37 anos no po­der). As­sim es­ta se­rá, pre­vi­si­vel­men­te, a úl­ti­ma ses­são le­gis­la­ti­va an­tes das elei­ções ge­rais de 2017, que se de­ve­rão re­a­li­zar em Agos­to pró­xi­mo. E, co­mo mar­co his­tó­ri­co, na­da co­mo fi­car re­gis­ta­do que os de­pu­ta­dos fo­ram tratados co­mo de­lin­quen­tes e, por is­so, im­pe­di­dos de ter em seu po­der os mais co­me­zi­nhos ins­tru­men­tos de tra­ba­lho: te­le­mó­veis, com­pu­ta­do­res etc. De acor­do com a Cons­ti­tui­ção do MPLA, art.º 118.º “o Pre­si­den­te da re­pú­bli­ca di­ri­ge ao país, na aber­tu­ra do ano par­la­men­tar, na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, uma men­sa­gem so­bre o Es­ta­do da Na­ção e as po­lí­ti­cas pre­co­ni­za­das pa­ra a re­so­lu­ção dos prin­ci­pais as­sun­tos, pro­mo­ção do bem-es­tar dos an­go­la­nos e de­sen­vol­vi­men­to do País” (nes­te ca­so 2016-2017). In­ge­nu­a­men­te ad­mi­te-se que pos­sa fa­lar do país re­al e não ape­nas da Na­ção que Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ima­gi­na que exis­te. A con­vo­ca­tó­ria pa­ra a ses­são so­le­ne de 17 de Ou­tu­bro pre­vê igual­men­te a in­ter­ven­ção do pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Dia dos San­tos. Re­cor­de-se que o ano pas­sa­do, uma “in­dis­po­si­ção mo­men­tâ­nea” im­pe­diu o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, de se des­lo­car à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ten­do o vi­ce-pre­si­den­te, Ma­nu­el Vi­cen­te, di­ri­gi­do em seu lu­gar a re­fe­ri­da men­sa­gem. Aqui po­de, aliás, re­si­dir a ma­té­ria de fac­to que le­va ao im­pe­di­men­to de os de­pu­ta­dos usa­rem os seus ha­bi­tu­ais mei­os tec­no­ló- gi­cos de apoio. É que, tal co­mo a de­mo­cra­cia, os te­le­mó­veis e os com­pu­ta­do­res cau­sam “in­dis­po­si­ção” ao Pre­si­den­te. Em 2013, no mes­mo dis­cur­so, o Pre­si­den­te afas­tou a con­cre­ti­za­ção de uma par­ce­ria es­tra­té­gi­ca com Por­tu­gal e no ano se­guin­te a re­a­li­za­ção, pa­ra já, das pri­mei­ras elei­ções au­tár­qui­cas no país. A si­tu­a­ção de cri­se em Angola, de­vi­do à que­bra nas re­cei­tas da ex­por­ta­ção de pe­tró­leo, bem co­mo o qua­dro elei­to­ral do país, são te­mas aguar­da­dos no dis­cur­so de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, cer­ta­men­te mais uma vez vo­ca­ci­o­na­do pa­ra pas­sar um ates­ta­do de me­no­ri­da­de in­te­lec­tu­al aos an­go­la­nos, des­ta vez co­me­çan­do pe­los pró­pri­os de­pu­ta­dos. Em Mar­ço, na aber­tu­ra da 11.ª reu­nião or­di­ná­ria do Co­mi­té Cen­tral do MPLA (par­ti­do no po­der des­de a in­de­pen­dên­cia) MPLA), Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos anun­ci­ou a in­ten­ção de aban­do­nar a vi­da po­lí­ti­ca ac­ti­va. “Em 2012, em elei­ções ge­rais, fui elei­to Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e em­pos­sa­do pa­ra cum­prir um man­da­to que nos ter­mos da Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca ter­mi­na em 2017. As­sim, eu to­mei a de­ci­são de dei­xar a vi­da po­lí­ti­ca ac­ti­va em 2018”, anun­ci­ou Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Con­tu­do, já em Agos­to, aca­ba­ria por ser re­e­lei­to pre­si­den­te do par­ti­do, até 2021, não sen­do ain­da co­nhe­ci­do em que mol­des se­rá fei­ta a anun­ci­a­da tran­si­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.