PAGUEM OS US $300 MI­LHÕES: CHE­VRON FAZ ULTIMATO à SO­NAN­GOL

Folha 8 - - DESTAQUE -

Odi­rec­tor-ge­ral da Che­vron em Angola, John Baltz, en­vi­ou há di­as um ultimato ao Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol. A mul­ti­na­ci­o­nal nor­te-ame­ri­ca­na re­cla­ma pa­ga­men­tos no va­lor de US $300 mi­lhões re­fe­ren­tes às obri­ga­ções da So­nan­gol re­la­ti­va­men­te aos cus­tos de pro­du­ção no Blo­co 0 em Ca­bin­da, ope­ra­do pe­la Che­vron (39,2 por cen­to) e on­de a So­nan­gol de­tém 40 por cen­to da quo­ta. Des­de a no­me­a­ção do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção, em Ju­nho pas­sa­do, a So­nan­gol dei­xou de hon­rar os seus com­pro­mis­sos con­tra­tu­ais com a Che­vron, no mais lu­cra­ti­vo blo­co em Angola. Fon­tes do Ma­ka Angola em Hous­ton, nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, in­di­cam que Isa­bel dos San­tos dis­põe de uma se­ma­na pa­ra ex­pli­car à Che­vron de que for­ma pa­ga­rá a dí­vi­da. Es­sa exi­gên­cia de­cor­re do fac­to de a Che­vron ter ten­ta­do al­can­çar uma so­lu­ção ami­gá­vel e não ter en­con­tra­do re­ci­pro­ci­da­de por par­te da ad­mi­nis­tra­ção de Isa­bel dos San­tos. A fi­lha do pre­si­den­te cer­ti­fi­ca­ra ini­ci­al­men­te a da­ta de 27 de Ju­nho pa­ra cum­pri­men­to das obri­ga­ções da So­nan­gol pa­ra com a Che­vron. Uma no­va pro­mes­sa foi fei­ta pa­ra 27 de Ju­lho, e tam­bém não foi cum­pri­da. A da­ta de 29 de Se­tem­bro foi igual­men­te ig­no­ra­da. O Acor­do de Ope­ra­ções Con­jun­tas do Blo­co 0 es- ti­pu­la que, em ca­so de in­cum­pri­men­to nos pa­ga­men­tos por mais de 21 di­as, o as­so­ci­a­do fal­to­so pas­sa a in­cor­rer na per­da dos seus di­rei­tos de par­ti­ci­pa­ção. A Che­vron fez sa­ber, sem ro­dei­os, que po­de­rá ac­ci­o­nar es­ta cláu­su­la do acor­do ca­so a So­nan­gol não ex­pli­que e se com­pro­me­ta no pra­zo de uma se­ma­na acer­ca de co­mo e quan­do li­qui­da­rá a sua dí­vi­da. Es­ta to­ma­da de po­si­ção sig­ni­fi­ca que a Che­vron po­de­rá ven­der a quo­ta de pe­tró­leo per­ten­cen­te à So­nan­gol, ao in­vés de a en­tre­gar. Ca­so a mul­ti­na­ci­o­nal nor­te-ame­ri­ca­na re­cor­ra a es­se di­rei­to, a So­nan­gol po­de­rá en­trar em de­fault jun­to de ou­tros par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais, no­me­a­da­men­te ban­cos, por ter con­traí­do em­prés­ti­mos que vi­ri­am a ser sal­da­dos com pe­tró­leo bru­to, de­sen­ca­de­an­do as­sim um bru­tal efei­to do­mi­nó de in­cum­pri­men­tos. Es­ta re­du­ção no aces­so aos di­rei­tos pe­tro­lí­fe­ros por par­te da So­nan­gol, além das re­la­ções mu­tuá­ri­as, po­de­rá afec­tar re­la­ções eco­nó­mi­cas, de­sig­na­da­men­te com a Chi­na, que, co­mo se sa­be, vê os seus em­prés­ti­mos pa­gos em pe­tró­leo. Não dei­xa de es­tar li­ga­do a es­te pro­ble­ma o ra­ting da Re­pú­bli­ca de Angola, que se­gun­do a Mo­ody’s (agên­cia de no­ta­ção fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal) es­tá em B1 com pers­pec­ti­va ne­ga­ti­va. Ou se­ja, o cré­di­to de Angola é ne­ga­ti­vo, con­si­de­ra­do de al­to ris­co e es­pe­cu­la­ti­vo. Sem pe­tró­leo pa­ra cum­prir os com­pro­mis­sos, e sem aces­so a cré­di­to, as fi­nan­ças an­go­la­nas po­de­rão es­tar à bei­ra do co­lap­so. Iro­ni­ca­men­te, o di­rec­tor da Che­vron, John Baltz, foi das pri­mei­ras vo­zes in­ter­na­ci­o­nais a con­fe­rir le­gi­ti­mi­da­de e cre­di­bi­li­da­de ao ne­po­tis­mo do pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos quan­do es­te no­me­ou a sua fi­lha pa­ra PCA da So­nan­gol. “O go­ver­no de­ci­diu. É cla­ra a di­rec­ção que eles [go­ver­no] que­rem se­guir. Sou sem­pre op­ti­mis­ta. Cer­ta­men­te apoio a di­rec­ção que a So­nan­gol es­tá a se­guir”, afir­mou John Baltz à Reu­ters após a no­me­a­ção de Isa­bel dos San­tos: Ago­ra, Baltz é o pri­mei­ro ges­tor in­ter­na­ci­o­nal a ame­a­çar a ges­tão da fi­lha do pre­si­den­te. A Che­vron sem­pre foi o co­ra­ção do pe­tró­leo em Angola, e a sua po­si­ção ac­tu­al re­ve­la o des­cré­di­to em que caiu a So­nan­gol. Até 2012, o Blo­co 0 pro­du­ziu mais de qua­tro bi­liões de pe­tró­leo. No ano pas­sa­do, re­gis­tou uma pro­du­ção mé­dia diá- ria de 85 mil bar­ris, con­for­me da­dos en­con­tra­dos no por­tal da Che­vron. Por sua vez, Jac­ques Azi­bert, di­rec­tor-ge­ral em Angola da mul­ti­na­ci­o­nal fran­ce­sa To­tal,, que tam­bém fez par­te do co­ro in­ter­na­ci­o­nal de le­gi­ti­ma­ção de Isa­bel do San­tos, es­tá nes­te mo­men­to a “ro­er as unhas”. A So­nan­gol de­ve mais de US $80 mi­lhões à To­tal, pe­la sua par­ti­ci­pa­ção no Blo­co 17 (Gi­ras­sol), ac­tu­al­men­te o mais pro­du­ti­vo de Angola. Lo­go após a sua no­me­a­ção, a fi­lha do di­ta­dor pro­me­teu que im­pri­mi­ria uma “cul­tu­ra de ex­ce­lên­cia” na So­nan­gol. “A ex­ce­lên­cia é a nos­sa me­lhor de­fe­sa e o nos­so me­lhor ata­que”, ex­pli­cou em de­cla­ra­ções pú­bli­cas. Nu­ma ava­li­a­ção dos 100 di­as de ges­tão de Isa­bel dos San­tos, mui­tas vo­zes se mul­ti­pli­ca­ram a des­ta­car quão po­si­ti­va tem si­do na me­lho­ria da pe­tro­lí­fe­ra na­ci­o­nal. “Le­van­ta­ram-se al­gu­mas vo­zes, mas acre­di­to que de­pois dos pri­mei­ros re­sul­ta­dos apre­sen­ta­dos pe­la sua ad­mi­nis­tra­ção – não por ela em par­ti­cu­lar, mas pe­la ad­mi­nis­tra­ção co­mo um to­do – acre­di­to que a opi­nião é di­fe­ren­te, por­que no­ta-se que exis­te um co­nhe­ci­men­to mui­to gran­de do que se es­tá a fa­zer”, afir­mou à Lu­sa a prin­ci­pal bo­ca de alu­guer de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o em­bai­xa­dor-iti­ne­ran­te Lu­vu­a­lu. No en­tan­to, a re­a­li­da­de é di­fe­ren­te. A So­nan­gol tem nes­te mo­men­to um ad­mi­nis­tra­dor fi­nan­cei­ro, o in­di­a­no Sar­ju Rai­kun­da­la, que nun­ca foi di­rec­tor fi­nan­cei­ro (as fun­ções que de­sem­pe­nhou fo­ram de au­di­to­ria, e co­mo ges­tor a sua ex­pe­ri­ên­cia re­su­me-se à di­rec­ção de um cen­tro de tra­ta­men­tos ho­lís­ti­cos ba­se­a­dos no des­per­tar es­pi­ri­tu­al…) e que não sa­be na­da so­bre a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra. A fi­lha do pre­si­den­te tem con­cen­tra­do a sua ac­ção na mi­cro­ges­tão en­quan­to an­da às apal­pa­de­las no que diz res­pei­to à ma­cro­ges­tão da em­pre­sa. Por sua vez, vá­ri­os for­ne­ce­do­res na­ci­o­nais re­cla­mam que, des­de a to­ma­da de pos­se de Isa­bel dos San­tos, es­tão sem re­ce­ber pa­ga­men­tos. En­quan­to es­ta ale­ga atra­sos de­vi­do ao pro­ces­so de re­es­tru­tu­ra­ção, al­guns par­cei­ros na­ci­o­nais que fa­la­ram com o Ma­ka Angola su­bli­nham que a So­nan­gol es­tá a re­ter cen­te­nas de mi­lhões de kwan­zas em pa­ga­men­tos nas su­as con­tas, cau­san­do es­cas­sez de mo­e­da na­ci­o­nal no mer­ca­do. Ac­tu­al­men­te, a So­nan­gol ape­nas es­tá a hon­rar os seus com­pro­mis­sos com o Gru­po DT, da mul­ti­na­ci­o­nal Tra­fi­gu­ra, que tem co­mo só­ci­os an­go­la­nos o triun­vi­ra­to pre­si­den­ci­al Ma­nu­el Vi­cen­te e os ge­ne­rais Ma­nu­el Hél­der Vi­ei­ra Di­as Jú­ni­or “Ko­pe­li­pa” e Le­o­pol­di­no Fra­go­so do Nas­ci­men­to “Di­no”, o tes­ta-de-fer­ro do pre­si­den­te. O Gru­po DT re­ce­be men­sal­men­te US $100 mi­lhões pe­la ven­da de com­bus­tí­veis à So­nan­gol. Por­tan­to, só fun­ci­o­na em cir­cui­to fe­cha­do, pa­ra ali­men­tar a fa­mí­lia pre­si­den­ci­al e o seu cír­cu­lo de ami­gos ne­go­ci­an­tes. O pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, com a sua tei­mo­sia em en­tre­gar num mo­men­to crí­ti­co a So­nan­gol, a jóia da so­be­ra­nia na­ci­o­nal, à sua inex­pe­ri­en­te fi­lha, tem es­ta­do a ace­le­rar o co­lap­so da em­pre­sa. Tu­do pe­la fa­mí­lia, na­da pe­lo país, pa­re­ce ser o seu úni­co pla­no de saí­da da cri­se em que o país se en­con­tra mer­gu­lha­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.