PR E GE­NE­RAIS ACU­SA­DOS DE IM­PE­DIR RE­CA­DAS­TRA­DA­MEN­TO DE FUN­CI­O­NÁ­RIO PÚBLICO

Folha 8 - - DES­TA­QUE - TEX­TO DE PE­DROWS­KI TE­CA

Oche­fe do Estado An­go­la­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e dois dos seus ge­ne­rais, no­me­a­da­men­te: o ministro de Estado e chefe da Casa Mi­li­tar do pre­si­den­te, Ma­nu­el Hél­der Vi­ei­ra Di­as “Ko­pe­li­pa”, e o chefe do Ser­vi­ço de In­te­li­gên­cia e Se­gu­ran­ça Mi­li­tar (SISM), An­tó­nio Jo­sé Ma­ria “Zé Ma­ria”, são de­nun­ci­a­dos co­mo sen­do man­dan­tes do im­pe­di­men­to de re­ca­das­tra­men­to do ci­da­dão Be­ne­di­to Je­re­mi­as Da­lí, fun­ci­o­ná­rio público, na Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, na pro­vín­cia do Mo­xi­co. “Por or­dens da Casa Mi­li­tar da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, não se­rá pos­sí­vel ca­das­trar o Sr. Be­ne­di­to Je­re­mi­as Da­lí. Só po­de­mos fa­zer is­so com as or­dens do Sr. Ko­pe­li­pa, Zé Ma­ria e do pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Ca­so não, fi­ca de fo­ra!”, nar­rou Be­ne­di­to Da­li, a ex­pli­ca­ção que lhe foi con­ce­di­da pe­la De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças no Mo­xi­co. Se­gun­do o fun­ci­o­ná­rio, as ra­zões do seu afas­ta­men­to têm co­mo ba­se ques­tões po­lí­ti­cas e por fi­gu­rar no pro­ces­so conhecido por 15+2. Be­ne­di­to Je­re­mi­as Da­lí, conhecido por Di­to, ci­da­dão na­ci­o­nal de 31 anos de ida­de, es­te­ve ar­ro­la­do ao pro­ces­so dos 15+2 jo­vens ac­ti­vis­tas, acu­sa­dos, jul­ga­dos e con­de­na­dos por cri­mes contra a se­gu­ran­ça do Estado, de­sig­na­da­men­te: Ac­tos pre­pa­ra­tó­ri­os de re­be­lião e as­so­ci­a­ção de mal­fei­to­res. Ten­do si­do de­ti­do a 20 de Ju­nho de 2015, Be­ne­di­to Da­lí es­te­ve em pri­são pre­ven­ti­va, foi con­de­na­do a dois anos e três me­ses de pri­são efec­ti­va a 28 de Mar­ço de 2016, e pos­te­ri­or­men­te li­ber­ta­do pro­vi­so­ri­a­men­te a 29 de Ju­nho. Se­gun­do o ad­vo­ga­do Wal­ter Ton­de­la, os 15+2 jo­vens fo­ram am­nis­ti­a­dos a 16 de Tu­do co­me­çou no dia 29 de Se­tem­bro, quan­do o co­le­ga de ser­vi­ço de Be­ne­di­to Je­re­mi­as lhe te­le­fo­nou, a par­tir da Di­rec­ção Pro­vin­ci­al da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, no Lu­e­na, pro­vín­cia do Mo­xi­co, aler­tan­do-o que no dia se­guin­te, 30 de Se­tem­bro, uma equi­pa que es­tá a pro­ce­der ao re­ca­das­tra­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos pas­sa­ria no seu lo­cal de tra­ba­lho, no sen­ti­do de re­gis­tar to­dos fun­ci­o­ná­ri­os afec­tos àque­la Ins­ti­tui­ção. Na noite do mesmo dia, Be­ne­di­to vi­a­jou pa­ra Lu­e­na, a fim de par­ti­ci­par no ac­to de re­ca­das­tra­men­to. Sob a au­to­ri­za­ção do go­ver­na­dor da Pro­vín­cia do Mo­xi­co, o jo­vem Be­ne­di­to Da­lí re­si­dia em Luanda, an­tes da sua de­ten­ção, on­de fre­quen­ta­va o cur­so su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as Po­lí­ti­cas no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as So­ci­ais e Relações In­ter­na­ci­o­nais (CIS), uma ins­ti­tui­ção an­go­la­na de En­si­no Su­pe­ri­or pri­va­da. “No dia 30 de Se­tem­bro, quan­do eram por vol­ta das 8 ho­ras da ma­nhã, já me en­con­tra­va no meu pos­to de ser­vi­ço, an­tes da che­ga­da da re­fe­ri­da equi­pa en­car­re­gue pa­ra o re­ca­das­tra­men­to do pes­so­al!” dis­se. Se­tem­bro des­te ano, aguar­dan­do ape­nas a for­ma­li­za­ção da no­ti­fi­ca­ção. O jo­vem fun­ci­o­ná­rio ex­pli­cou que no Lu­e­na, apre­sen­tou-se ao Di­rec­tor Pro­vin­ci­al da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, a quem anun­ci­ou a sua pre­sen­ça no tra­ba­lho, e foi “bem re­ce­bi­do e tra­ta­do” pe­lo mesmo. “Con­ver­sa­mos um pou­co so­bre as ra­zões que mo­ti­va­ram a pri­va­ção (pri­são) da mi­nha li­ber­da­de e de­mais com­pa­nhei­ros, se­gun­do ele, re­tor­quiu di­zen­do que acom­pa­nha­ram o an­dar do pro­ces­so mas que não ha­via mo­ti­vos su­fi­ci­en­tes pa­ra que fos­sem pre­sos”, ex­pli­cou. “Foi mal e caiu-nos a to­dos in­dig­na­dos, mas o im­por­tan­te é sa­ber que já es­tão em li­ber­da­de ape­sar de con­di­ci­o­nal”, res­pon­deu o di­rec­tor ao Be­ne­di­to Da­lí. No de­cor­rer da con­ver­sa com o di­rec­tor da sua sec­ção, apa­re­ceu a equi­pa do ca­das­tra­men­to, que pe­diu a to­dos os trabalhadores pa­ra se jun­ta­rem, de for­ma or­dei­ra, na me­sa on­de de­cor­reu o mesmo even­to. “To­dos fo­ram ca­das­tra­dos sem quais­quer ano­ma­li­as, ex­cep­to a mim. Cha­ma­ram-me à par­te a in­for­mar que ti­nham in­for­ma­ções de que en­con­tra­va-me a dar con­ti­nui­da­de aos meus es­tu­dos, de­pois es­ti­ve ar­ro- la­do no pro­ces­so dos 15+2,” ex­pli­cou. Ao ní­vel da Pro­vín­cia do Mo­xi­co, o re­ca­das­tra­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os es­tá sob co­or­de­na­ção de um Sr. Pedro As­sis dos San­tos, tra­ba­lhan­do a par­tir da De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças. Se­gun­do o jo­vem fun­ci­o­ná­rio, a equi­pa do re­ca­das­tra­men­to co­me­çou por lhe dar vol­tas, exi­gin­do o do­cu­men­to que o au­to­ri­zou a des­lo­car-se em Luanda pa­ra efei­to de es­tu­dos, pe­lo que o mesmo apre­sen­tou a do­cu­men­ta­ção pre­vi­a­men­te as­si­na­da e au­to­ri­za­da pe­lo go­ver­na­dor da Pro­vín­cia do Mo­xi­co. “De­pois pe­di­ram-me que apre­sen­tas­se as De­cla­ra­ções to­das das clas­ses de En­si­no que eu fre­quen­tei, res­pon­di que eu não sa­bia de que era ne­ces­sá­rio apre­sen­tar es­tes do­cu­men­tos no ac­to de re­ca­das­tra­men­to, pois não os ti­nha em mi­nha pos­se mas ga­ran­ti apre­sen­tar nos pró­xi­mos di­as, tão lo­go so­li­ci­tas­se junto da mi­nha uni­ver­si­da­de”, dis­se Be­ne­di­to. En­con­tran­do es­te sub­ter­fú­gio, a equi­pa de re­ca­das­tra­men­to in­vi­a­bi­li­zou o re­gis­to de Be­ne­di­to Da­lí, ori­en­tan­do que o mesmo fos­se so­li­ci­tar tais do­cu­men­tos na uni­ver­si­da­de em Luanda. No en­tan­to, o jo­vem pe­diu a um fa­mi­li­ar que fez as di­li­gên­ci­as em Luanda, ten­do-lhe en­vi­a­do a do­cu­men­ta­ção re­que­ri­da. “Quan­do re­ce­bi a pa­pe­la­da to­da, des­lo­quei-me até junto da De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças pa­ra con­tac­tar o Co­or­de­na­dor que che­fi­a­va a equi­pa do re­ca­das­tra­men­to a ní­vel da Pro­vín­cia do Mo­xi­co, o Sr. Pedro As­sis dos San­tos, pa­ra lhe apre­sen­tar a do­cu­men­ta­ção e pos­te­ri­or­men­te ser ca­das­tra­do, es­te por sua vez te­rá di­to que, com­pe­te ao meu di­rec­tor es­cre­ver pa­ra a de­le­ga­da das Fi­nan­ças a di­zer que o nos­so fun­ci­o­ná­rio já reú­ne con­di­ções pa­ra ser ca­das­tra­do”, ex­pli­cou. In­can­sá­vel, Be­ne­di­to Da­lí so­li­ci­tou a car­ta do seu di­rec­tor, se­gun­do a exi­gên­cia do co­or­de­na­dor Pedro As­sis dos San­tos. “Acon­te­ce que uma co­le­ga mi­nha de ser­vi­ço, es­te­ve a go­zar a sua li­cen­ça dis­ci­pli­nar (fé­ri­as) na Pro­vín­cia do Uí­ge, e não te­rá si­do re­ca­das­tra­da no dia que ocor­reu o re­ca­das­tra­men­to de­vi­do à sua au­sên­cia no tra­ba­lho. Quan­do ela che­gou, apre­sen­tou a pre­o­cu­pa­ção ao Sr. Di­rec­tor, que to­man­do co­nhe­ci­men­to, en­ten­deu ar­ro­lar o ca­so da co­le­ga num úni­co do­cu­men­to, que foi pro­du­zi­do pa­ra a re­cla­ma­ção do nos­so ca­so”, dis­se Be­ne­di­to. Pro­du­ziu-se o do­cu­men­to, que foi re­me­ti­do à equi­pa de re­ca­das­tra­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos na De­le­ga­ção Pro­vin­ci­al das Fi­nan­ças do Mo­xi­co. “Por cu­ri­o­si­da­de, o ca­so da co­le­ga foi aten­di­do e ca­das­tra­do ho­je (14 de Ou­tu­bro de 2016) ex­cep­to o meu. As ra­zões do meu afas­ta­men­to de­veu-se a ques­tões po­lí­ti­cas e por fi­gu­rar no pro­ces­so conhecido por 15+2”, ex­pli­cou. “Des­de o dia 11 de Ou­tu­bro que se pro­du­ziu o do­cu­men­to ape­nas ho­je, dia 14 de Ou­tu­bro, foi cha­ma­do o mesmo Chefe de re­cur­sos Hu­ma­nos pa­ra in­for­mar que por or­dens da Casa Mi­li­tar da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, não se­rá pos­sí­vel ca­das­trar o Sr. Be­ne­di­to Je­re­mi­as Da­lí “Di­to”. Só po­de­mos fa­zer is­so com as or­dens do Sr. Ko­pe­li­pa, Zé Ma­ria e do pró­prio Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ca­so não, fi­ca de fo­ra!!!”, ex­pli­cou o jo­vem fun­ci­o­ná­rio, as pa­la­vras que lhe fo­ram da­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.