LIDERAMOS A FO­ME NOS PALOP

Folha 8 - - DESTAQUE -

Angola es­tá na lis­ta dos 50 paí­ses com as ta­xas mais alar­man­tes no Ín­di­ce Glo­bal da Fo­me 2016, ela­bo­ra­do pe­lo Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal de In­ves­ti­ga­ção so­bre Po­lí­ti­cas Ali­men­ta­res (IFPRI). O es­tu­do diz que é pre­ci­so ace­le­rar o com­ba­te à fo­me, ca­so con­trá­rio a me­ta de Fo­me Ze­ro até 2030 não se­rá atin­gi­da. Angola é o País Afri­ca­no de Lín­gua Ofi­ci­al Por­tu­gue­sa ( PALOP) on­de a po­pu­la­ção mais so­fre por cau­sa da fo­me. Até aqui na­da de no­vo, ou não fos­se co­nhe­ci­do que Angola é um dos paí­ses mais corruptos do mun­do, é um dos paí­ses com pi­o­res prá­ti­cas de­mo­crá­ti­cas, é um país com enor­mes as­si­me­tri­as so­ci­ais e é igual­men­te o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til do mun­do. É cla­ro que Angola não é ca­so úni­co. Tam­bém Mo­çam­bi­que e Gui­né-Bis­sau re­gis­tam al­tos ín­di­ces de fo­me. Pa­ra atin­gir a me­ta de Fo­me Ze­ro até o ano de 2030 em to­do o mun­do, es­ti­pu­la­da pe­los Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to do Mi­lé­nio das Na­ções Uni­das, o re­la­tó­rio apon­ta que é pre­ci­so cri­ar es­tra­té­gi­as de ac­ção pa­ra ace­le­rar o com­ba­te à fo­me nas re­giões mais afec­ta­das por es­te mal, no­me­a­da­men­te Áfri­ca Aus­tral e sul da Ásia. Em ter­mos ge­rais, o re­la­tó­rio apon­tou uma re­du­ção de 29% da fo­me no mun­do des­de o ano 2000. De acor­do com a pre­si­den­te da ONG ale­mã Welthun­gerhil­fe, Bär­bel Di­eck­mann, es­ta re­du­ção tem a ver com o tra­ba­lho re­a­li­za­do pe­los Go­ver­nos e seus par­cei­ros nos úl­ti­mos anos. “Há Go­ver­nos que as­su­mem as res­pon­sa­bi­li­da­des dos pro­ble­mas que os seus po­vos en­fren­tam. E há paí­ses que in­ves­tem em edu­ca­ção, e tra­ba­lham jun­tos com ou­tros par­cei­ros pa­ra, de fa­to, fa­zer al­gu­ma di­fe­ren­ça”, re­fe­riu Di­eck­mann. Ape­sar da re­du­ção de 29%, pe­lo me­nos 795 mi­lhões de pes­so­as ain­da so­frem com a fal­ta de ali­men­tos no pla­ne­ta. Se­gun­do a pre­si­den­te da Welthun­gerhil­fe, é pre­ci­so in­ves­tir, prin­ci­pal­men­te, na agri­cul­tu­ra. “A nos­sa rei­vin­di­ca­ção prin­ci­pal é o in­ves­ti­men­to em agri­cul­tu­ra, pois as­sim as pes­so­as con­se­guem pro­du­zir o su­fi­ci­en­te pa­ra elas e su­as fa­mí­li­as”, des­ta­ca Di­eck­mann.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.