PRE­SI­DÊN­CIA DA ISA­BEL DOS SAN­TOS SE­RÁ CONTESTADA NAS RU­AS DE LU­AN­DA

Folha 8 - - POLÍTICA - TEX­TO DE PEDROWSKI TECA ISA­BEL DOS SAN­TOS PCA DA SO­NAN­GOL GESTORA SI­ZAL­TI­NA CU­TAIA

Cin­co fi­gu­ras pro­e­mi­nen­tes da so­ci­e­da­de an­go­la­na con­vo­ca­ram, na se­gun­da-fei­ra, 10, uma ma­ni­fes­ta­ção pú­bli­ca, a ter lu­gar no pró­xi­mo dia 26 de No­vem­bro, a fim de pro­tes­ta­rem “pa­cí­fi­ca e pu­bli­ca­men­te con­tra a de­ne­ga­ção de jus­ti­ça pe­lo Tri­bu­nal Su­pre­mo de Angola em re­la­ção à Pro­vi­dên­cia Cau­te­lar in­ten­ta­da jun­to des­te mes­mo tri­bu­nal por cau­sa da no­me­a­ção in­cons­ti­tu­ci­o­nal e ile­gal de Isa­bel dos San­tos pa­ra o car­go de PCA (Pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção) da So­nan­gol pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Angola”. O pro­tes­to tem co­mo sig­na­tá­ri­os, a gestora Si­zal­ti­na Cu­taia, o aca­dé­mi­co Fer­nan­do Ma­ce­do, o jor­na­lis­ta Wil­li­am To­net, o ac­ti­vis­ta Hen­ri­ques Lu­aty Bei­rão, e o ad­vo­ga­do e ex-pri­mei­ro mi­nis­tro an­go­la­no, Mar­co­li­no Mo­co. O ac­to vi­sa, igual­men­te, pro­tes­tar “con­tra a omis­são da Pro­cu­ra­do­ria-ge­ral da Re­pú­bli­ca de­pois de ter re­ce­bi­do no­tí­cia, por via dos ad­vo­ga­dos da cau­sa, da in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de e ile­ga­li­da­de des­se ac­to ad­mi­nis­tra­ti­vo pra­ti­ca­do pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Angola”. So­bre o as­sun­to, a gestora Si­zal­ti­na Cu­taia, ac­ti­vis­ta li­ga­da à or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal, Open So­ci­ety Angola, de­fen­deu que “quan­do o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca no­me­ou por de­cre­to pre­si­den­ci­al, a sua pri­mo­gé­ni­ta pa­ra o car­go de PCA da So­nan­gol,” ela cri­ou e par­ti­lhou na re­de so­ci­al Fa­ce­bo­ok, uma pe­ti­ção de ac­ção popular pa­ra jun­to do Tri­bu­nal Su­pre­mo so­li­ci­tar a im­pug­na­ção do re­fe­ri­do de­cre­to. “O mo­ti­vo é a ile­ga­li­da­de do ac­to pois na qua­li­da­de de ser­vi­dor pú­bli­co, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­tá im­pe­di­do pe­la Lei da Pro­bi­da­de de pro­ce­der des­ta for­ma. O Tri­bu­nal Su­pre­mo re­cu­sou-se a re­ce­ber a re­fe­ri­da pe­ti­ção (que foi as­si­na­da por du­as cen­te­nas de ci­da­dãos)”, dis­se. Cu­taia re­lem­brou que na mes­ma al­tu­ra, um gru­po de ju­ris­tas deu en­tra­da de um pe­di­do de pro­vi­dên­cia cau­te­lar no Tri­bu­nal Su­pre­mo (TS), so­bre o mes­mo as­sun­to. “Por cau­sa da pos­tu­ra do Tri­bu­nal, de de­ne­ga­ção de jus­ti­ça, so­bre a ma­té- ria em ques­tão, eu jun­tei-me a qua­tro ou­tros ci­da­dãos an­go­la­nos pa­ra em pro­tes­to nos ma­ni­fes­tar­mos so­bre a po­si­ção do Tri­bu­nal Su­pre­mo. A ma­ni­fes­ta­ção es­tá mar­ca­da pa­ra o dia 26 de No­vem­bro de 2016 (e é li­vre ok? Quem qui­ser po­de jun­tar-se). Is­so cha­ma-se exer­cí­cio ple­no da ci­da­da­nia e tem res­pal­do tan­to na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca de Angola, co­mo na le­gis­la­ção que re­gu­la o di­rei­to de reu­nião e as­so­ci­a­ção”, de­fen­deu. Num co­mu­ni­ca­do re­ce­bi­do pe­lo go­ver­na­dor de Lu­an­da, ge­ne­ral Hi­gi­no Car­nei­ro, os pro­mo­to­res da “ma­ni­fes­ta­ção (con­cen­tra­ção) e reu­nião” ex­pli­cam que a mes­ma de­cor­re­rá en­tre às 15 e 20 ho­ras, e não se­rá “um des­fi­le nem uma mar­cha” mas cir­cuns­cre­ver-se-á em ter­mos de es­pa­ço fí­si­co ao Lar­go da In­de­pen­dên­cia, em Lu­an­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.