CORRUPTOS UNI­DOS JA­MAIS (DI­ZEM ELES) SE­RÃO VENCIDOS

Folha 8 - - ACTUALIDADE - A IMA­GEM DE GUI­LHER­ME TAVEIRA PINTO CAPTADA PE­LO ‘EL MUN­DO’ | EL MUN­DO/TWIT­TER

Odiá­rio es­pa­nhol El Mun­do fez man­che­te com o ca­so de um fu­gi­ti­vo por­tu­guês, Gui­lher­me Taveira Pinto, à jus­ti­ça es­pa­nho­la, pro­cu­ra­do pe­la In­ter­pol, acu­sa­do de um des­fal­que de de­ze­nas de mi­lhões de eu­ros, e que o jor­nal des­co­briu em Lu­an­da, pro­te­gi­do pe­las au­to­ri­da­des an­go­la­nas. Gui­lher­me Taveira Pinto te­rá in­ter­me­di­a­do a ven­da de ar­mas de Es­pa­nha a Angola, num va­lor de 153 mi­lhões de eu­ros. Mas 100 mi­lhões de­sa­pa­re­ce­ram e ao des­ti­no só chegou me­ta­de da mer­ca­do­ria. Re­cor­de-se que a Po­lí­cia es­pa­nho­la re­ve­lou no fi­nal do ano pas­sa­do que – so­bre o mes­mo as­sun­to – o co­man­dan­te da Po­lí­cia an­go­la­na, Am­bró­sio de Le­mos, te­ve vi­si­ta pa­ga a Ma­drid e po­de­rá ter re­ce­bi­do três mi­lhões de dó­la­res de “lu­vas”. Ar­man­do da Cruz Ne­to tam­bém es­ta­ria en­vol­vi­do. Em 2008, du­as em­pre­sas es­pa­nho­las, a De­fex e a Co­mer­ci­al Cu­e­to 92, for­ma­ram o que na le­gis­la­ção co­mer­ci­al es­pa­nho­la é co­nhe­ci­do co­mo uma “Uni­on Tem­po­ral de Em­pre­sas” (UTE), que nes­se mes­mo ano fir­mou um con­tra­to com Angola pa­ra o for­ne­ci­men­to de equi­pa­men­to po­li­ci­al no va­lor in­fla­ci­o­na­do de cer­ca de 153 mi­lhões de eu­ros. Pou­co mais de 41 mi­lhões fo­ram trans­fe­ri­dos pa­ra um ban­co do Lu­xem­bur­go sem ra­zão co­mer­ci­al ou ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al jus­ti­fi­ca­ti­va e foi is­so que des­po­le­tou a in­ves­ti­ga­ção que le­vou à pri­são vá­ri­as per­so­na­li­da­des es­pa­nho­las. Os acu­sa­dos pe­la jus­ti­ça es­pa­nho­la te­rão fal­si­fi­ca­do fac­tu­ras e ou­tros do­cu­men­tos pa­ra ten­tar “la­var” os fun­dos. As au­to­ri­da­des es­pa­nho­las dis­se­ram ini­ci­al­men­te que co­mo be­ne­fi­ciá­ri­os des­ses fun­dos fi­gu­ram os acu­sa­dos es­pa­nhóis e o que cha­ma­ram de “fa­mi­li­a­res de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos da Re­pú­bli­ca de Angola”. Em tri­bu­nal, foi di­to que uma das pes­so­as que te­rá ale­ga­da­men­te re­ce­bi­do fun­dos des­se ne­gó­cio é o ge­ne­ral Ar­man­do da Cruz Ne­to, que foi Em­bai­xa­dor de Angola em Es­pa­nha, en­tre 2003 e 2008, e mais tar­de go­ver­na­dor de Ben­gue­la. De­pois, a Uni­da­de Cen­tral Ope­ra­ci­o­nal da Guar­da Ci­vil es­pa­nho­la diz que aque­las du­as em­pre­sas co­bri­ram as des­pe­sas mé­di­cas e de alo­ja­men­to em Ma­drid de Am­bró­sio de Le­mos, co­mis­sá­rio da Po­lí­cia Na­ci­o­nal an­go­la­na, da sua es­po­sa Ana Frei­re e de um pa­ren­te não iden­ti­fi­ca­do. Ci­ta­da pe­la im­pren­sa es­pa­nho­la, a guar­da ci­vil afir­mou que es­ses gas­tos fo­ram pa­gos com fun­dos que ha­vi­am si­do des­vi­a­dos, pois em­bo­ra o con­tra­to de ven­da fos­se de cer­ca de 153 mi­lhões de eu­ros, o ma­te­ri­al va­lia ape­nas 50 mi­lhões. Se­gun­do a im­pren­sa es­pa­nho­la, as au­to­ri­da­des po­li­ci­ais do país di­zem que Am­bró­sio de Le­mos em­bol­sou três mi­lhões de eu­ros por es­se con­tra­to e a sua es­po­sa re­ce­beu 15 mil eu­ros. As au­to­ri­da­des do Lu­xem­bur­go, que de­tec­ta­ram as trans­fe­rên­ci­as de mi­lhões de eu­ros des­po­le­tan­do o es­cân­da­lo, dis­se­ram que hou­ve uma trans­fe­rên­cia de três mi­lhões de eu­ros pa­ra uma com­pa­nhia de­no­mi­na­da Aban­gol. Mas o ca­so com­pli­ca-se por­que an­te­ri­or­men­te no­tí­ci­as na im­pren­sa es­pa­nho­la in­di­ca­vam que a Aban­gol era pro­va­vel­men­te um em­pre­sa fic­tí­cia e que es­ta­va li­ga­da ao ge­ne­ral Ar­man­do da Cruz Ne­to. Por ou­tro la­do, a po­lí­cia es­pa­nho­la diz que co­mo par­te da operação de ali­ci­a­men­to de en­ti­da­des an­go­la­nas, as com­pa­nhi­as en­vol­vi­das gas­ta­ram um mi­lhão e meio de Eu­ros em ca­ba­zes de na­tal pa­ra di­ver­sas en­ti­da­des an­go­la­nas. As com­pa­nhi­as ale­ga­ram que se tra­ta­va ape­nas de me­ra aten­ção pro­to­co­lar. O en­tão mi­nis­tro do In­te­ri­or es­pa­nhol, Jor­ge Fer­nan­dez Di­az, re­cu­sou-se a res­pon­der a per­gun­tas de de­pu­ta­dos da Es­quer­da Uni­da so­bre o ca­so, por­que os da­dos tri­bu­tá­ri­os da com­pa­nhia (De­fex) es­tão pro­te­gi­dos pe­la lei e que as in­ves­ti­ga­ções à ale­ga­da cor­rup­ção es­tão sob si­gi­lo da jus­ti­ça. Sa­be-se, no en­tan­to, que as au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais de­ci­di­ram alar­gar as in­ves­ti­ga­ções que re­sul­ta­ram na pri­são de vá­ri­as per­so­na­li­da­des li­ga­das à com­pa­nhia e ain­da de uma ad­vo­ga­da, Be­a­triz Gar­cia, que a par­tir do Lu­xem­bur­go cri­ou ale­ga­da­men­te com­pa­nhi­as e abriu con­tas em di­ver­sas par­tes do mun­do pa­ra re­ce­ber os fun­dos des­vi­a­dos. A acu­sa­ção afir­ma que os de­ti­dos “se con­cer­ta­ram com fun­ci­o­ná­ri­os an­go­la­nos pa­ra atra­vés do con­tra­to de en­tre­ga de ma­te­ri­al à po­lí­cia le­var a ca­bo uma apro­pri­a­ção pa­tri­mo­ni­al ocul­ta­da des­vi­a­da pa­ra o es­tran­gei­ro me­di­an­te um com­ple­xo es­que­ma de so­ci­e­da­des em pa­raí­sos fis­cais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.