FUBÚ CONSOME ÁGUA IMPRÓPRIA

Folha 8 - - ACTUALIDADE - TEX­TO DEANTUNES ZONGO

Os au­tóc­to­nes re­si­den­tes na zo­na da Fubú, bair­ro Mbon­de Cha­pé, mu­ni­cí­pio de Be­las, Pro­vín­cia de Lu­an­da, di­zem con­su­mir água imprópria pa­ra o con­su­mo hu­ma­no, há mais de dez anos. Pa­ra lá da ale­ga­da fal­ta de água ca­na­li­za­da, que ob­vi­a­men­te se tor­nou num ve­lho e co­nhe­ci­do pro­ble­ma de di­fe­ren­tes pon­tos de Lu­an­da, os mo­ra­do­res da zo­na da Fubú – si­ta a su­do­es­te da ca­pi­tal – tam­bém se quei­xam da fal­ta de luz eléc­tri­ca, au­men­to da cri­mi­na­li­da­de, fal­ta de es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no pú­bli­co, de re­creio, hos­pi­tais, etc.. Se­gun­do do­na Ana, re­si­den­te na­que­la lo­ca­li­da­de há mais de 20 anos, a cres­cen­te on­da de cri­mi­na­li­da­de de­ve-se à au­sên­cia de pos­tes de ilu­mi­na­ção, as­so­ci­a­da às fa­lhas cons­tan­tes de luz eléc­tri­ca e à pou­ca ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção pa­ra aca­bar com os de­li­tos, re­ve­la­da pe­los ope­ra­ci­o­nais da es­qua­dra po­li­ci­al lo­cal. “Aqui é proi­bi­do an­dar à noi­te por­que os mar­gi­nais apro­vei­tam-se da es­cu- ri­dão que to­ma con­ta de to­do o bair­ro – as­sal­tam, vi­o­lam, até já ma­ta­ram gen­te, e mes­mo quan­do há ener­gia que ob­vi­a­men­te nos tem cus­ta­do os olhos da ca­ra, as pes­so­as são igual­men­te proi­bi­das de pal­mi­lhar o bair­ro após o pôr-do-sol, por não ha­ver pos­tes de ilu­mi­na­ção na zo­na, da­do que os me­li­an­tes ac­tu­am sem quais­quer im­pe­di­men­tos”, la­men­tou do­na Ana, acres­cen­tan­do, que, “quan­do es­tou a di­zer que a ener­gia eléc­tri­ca tem-nos cus­ta­do os olhos da ca­ra, fa­lo sé­rio, por is­so mes­mo é que al­guns vi­zi­nhos não têm ener­gia, por­que só o con­tra­to de luz com a em­pre­sa ENAI, uma das fir­mas que de­tém um dos PTS no bair­ro, cus­ta KZ100.000,00 (Cem Mil Kz) e a men­sa­li­da­de são cin­co mil Kz”, dis­se. Quan­to à ques­tão da água, ob­vi­a­men­te o mais pre­ci­o­so lí­qui­do pla­ne­tá­rio, os mo­ra­do­res di­zem ha­ver al­guns fon­te­ná­ri­os que de for­ma in­ter­mi­ten­te vão for­ne­cen­do água à co­mu­ni­da­de. “Pa­ra ser sin­ce­ro, a água do cha­fa­riz é imprópria, mais imprópria ain­da pa­ra o con­su­mo hu­ma­no, é a água que com­pra­mos das cis­ter­nas e a que ad- qui­ri­mos em bi­dões ven­di­dos pe­los ku­pa­pa­tas”, de­sa­ba­fou Má­rio Car­do­so, adi­ci­o­nan­do, “há uns que pen­sam que a água for­ne­ci­da pe­los cha­fa­ri­zes é ade­qua­da pa­ra as pes­so­as, não é! Sou ca­na­li­za­dor e fa­ço ma­nu­ten­ção em pis­ci­nas, um dos meus cli­en­tes fez tes­te de qua­li­da­de à água for­ne­ci­da pe­la EPAL, o re­sul­ta­do foi que o re­fe­ri­do lí­qui­do era im­pró­prio até pa­ra o ba­nho. Mas, in­fe­liz­men­te, é a água que con­su­mi­mos pa­ra co­zi­nha, la­var, ba­nhar e be­ber, se não mor­re­mos é por gra­ças a Deus”, re­fe­riu.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.