PALHAÇADA RE­AL NUM PAÍS DE FAZ-DE-CON­TA

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE ORLANDO CAS­TRO

OP­re­si­den­te an­go­la­no (no po­der há 37 anos se nun­ca ter si­do no­mi­nal­men­te elei­to), Jo­sé Eduardo dos San­tos, pe­diu – se­gun­do a ve­lha má­xi­ma “olhai pa­ra o que di­go e não pa­ra o que eu fa­ço” – que que exis­ta “li­su­ra e trans­pa­rên­cia” no pro­ces­so de pre­pa­ra­ção das elei­ções ge­rais pre­vis­tas pa­ra 2017, pa­ra que es­tas “cor­res­pon­dam de fac­to à re­al von­ta­de dos elei­to­res”. Des­de lo­go fi­ca o re­gis­to da enor­me hi­po­cri­sia do tam­bém pre­si­den­te do MPLA e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo. Is­to por­que, ao lon­go dos 37 anos que le­va na li­de­ran­ça au­to­crá­ti­ca do país, nun­ca Jo­sé Eduardo dos San­tos se pre­o­cu­pou com a “re­al von­ta­de dos elei­to­res”. O che­fe de Es­ta­do, que em Mar­ço des­te ano pas­sou um ates­ta­do de ma­tum­bez a to­dos os an­go­la­nos (in­cluin­do, nes­te ca­so, os acó­li­tos do MPLA) anun­ci­ou que se re­ti­ra da vi­da po­lí­ti­ca em 2018, dis­cur­sa­va na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, em Lu­an­da, so­bre o Es­ta­do da (sua) Na­ção, du­ran­te a ses­são so­le­ne de aber­tu­ra da quin­ta ses­são le­gis­la­ti­va da III le­gis­la­tu­ra, mas sem co­men­tar o seu fu­tu­ro po­lí­ti­co. Na sua po­se de mo­nar­ca (até le­vou pa­ra o Par­la­men­to a sua ca­dei­ra re­al) li­mi­tou-se a re­cor­dar que se des­lo­ca­va à As­sem­bleia Na­ci­o­nal pa­ra pro­fe­rir a “úl­ti­ma men­sa­gem so­bre o Es­ta­do da Na­ção (obri­ga­ção da Cons­ti­tui­ção) no man­da­to, que de­cor­re até 2017. Tra­ta-se da úl­ti­ma ses­são le­gis­la­ti­va an­tes das elei­ções de 2017 e de­cor­reu pe­la pri­mei­ra vez no no­vo edi­fí­cio-se­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, inau­gu­ra­do em No­vem­bro de 2015 em Lu­an­da. Alu­din­do aos pro­ces­sos do re­gis­to elei­to­ral, que an­te­ce­de as elei­ções ge­rais e que é con­tes­ta­do – cer­ta­men­te (ci­tan­do Eduardo dos San­tos) res­pei­tan­do a “re­al von­ta­de dos elei­to­res” – pe­la opo­si­ção por se­rem con­du­zi­dos pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio e não pe­la Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral, Jo­sé Eduardo do San­tos ape­lou a que “se pau­tem pe­la li­su­ra e pe­la trans­pa­rên­cia”. Que me­lhor exem­plo de trans­pa­rên­cia se po­de­ria ter? Pôr o Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio a con­du­zir o pro­ces­so é, di­ga­mos, a trans­pa­rên­cia ele­va­do ao seu mais al­to ex­po­en­te. Ou não? Fa­zen­do us­so do seu ele­va­do pres­tí­gio lo­cal, re­gi­o­nal, con­ti­nen­tal e mun­di­al, Eduardo dos San­tos re­cor­dou que al­guns pro­ces­sos elei­to­rais em Áfri­ca es­tão a ser “con­ver­ti­dos” em “vi­vei­ros de ins­ta­bi­li­da­de” pa­ra o con­ti­nen­te, se­ja “atra­vés da con­tes­ta­ção di­rec­ta dos seus re­sul­ta­dos, quer atra­vés da ten­ta­ti­va de al­te­ra­ção da or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal”, com “con­sequên­ci­as im­pre­vi­sí­veis”. Tem ra­zão. Fe­liz­men­te que a avan­ça­da de­mo­cra­cia an­go­la­na, evo­lu­ti­va­men­te ba­se­a­da no que há de me­lhor no mun­do nes­ta ma­té­ria (Co­reia do Nor­te e Gui­né Equa­to­ri­al), tem co­mo pon­to úni­co que, por uma ques­tão de es­ta­bi­li­da­de, to­dos são li­vres pa­ra vo­tar quem qui­se­rem, sen­do cer­to que quem ga­nha é o MPLA. É por is­so que An­go­la é um país es­tá­vel. Al­gu­mas ten­ta­ti­vas de ins­ta­bi­li­da­de são, in con­ti­nen­te, des­lo­ca­das pa­ra a re­ser­va na­ci­o­nal do Ben­go, on­de os ja­ca­rés põem or­dem na cri­se. “Que ca­da um, com o seu vo­to, fa­ça li­vre­men­te a es- co­lha dos di­ri­gen­tes que en­ten­dem que de­vem con­ti­nu­ar a go­ver­nar o país, e que não só o Es­ta­do mas tam­bém os par­ti­dos po­lí­ti­cos, a so­ci­e­da­de ci­vil, as igre­jas e to­dos os ci­da­dãos as­su­mam com res­pon­sa­bi­li­da­de o seu pa­pel, pa­ra que o pro­ces­so se­ja re­al­men­te de­mo­crá­ti­co, li­vre e de­cor­ra com nor­ma­li­da­de e de mo­do exem­plar”, su­bli­nhou o Pre­si­den­te. Por ou­tras pa­la­vras, vo­te­mos li­vre­men­te. De­pois os vo­tos se­rão con­ta­dos e ca­na­li­za­dos con­so­an­te as ne­ces­si­da­des. Is­to por­que, ob­vi­a­men­te, o MPLA é An­go­la e An­go­la é o MPLA. Sem apon­tar qual­quer pis­ta so­bre o seu fu­tu­ro, Jo­sé Eduardo dos San­tos li­mi­tou-se a re­cor­dar que com a re­a­li­za­ção de no­vas elei­ções “no­vas pro­pos­tas de can­di­da­tos aos mais al­tos car­gos do país vão sur­gir”, per­mi­tin­do con­so­li­dar um pro­ces­so de­mo­crá­ti­co “que já é ir­re­ver­sí­vel” em An­go­la. Ir­re­ver­si­bi­li­da­de, di­ga-se, não de­pen­de da von­ta­de dos an­go­la­nos. De­pen­de ex­clu­si­va­men­te do seu “guia su­pre­mo”, “que­ri­do lí­der” e “es­co­lhi­do de Deus”. So­bre a eco­no­mia fa­mi­li­ar e uni­pes­so­al de Jo­sé Eduardo dos San­tos, afir­mou que o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co do país não es­tag­nou e que ape­nas “per­deu a pu­jan­ça” de­vi­do à cri­se ao mes­mo tem­po que re­jei­tou com­pa­ra­ções com ou­tros paí­ses, co­mo Por­tu­gal. “Foi pre­ci­so fa­zer qua­se tu­do de no­vo. Des­mi­nar, re­cons­truir, re­e­qui­par e re­or­ga­ni­zar. Nós não po­de­mos fa­lar do nos­so país co­mo se es­ti­vés­se­mos a fa­lar de Por­tu­gal, de Ca­bo Ver­de, do Se­ne­gal ou de ou­tro país qual­quer. A nos­sa his­tó­ria não é igual nem pa­re­ci­da com a dos ou­tros. O nos­so po­vo es­tá cons­ci­en­te des­se fac­to e sa­be o porquê e co­mo cons­truir o fu­tu­ro”, afir­mou Jo­sé

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.