O QUE SUA MA­JES­TA­DE QUE­RIA TER DI­TO Eis, na ín­te­gra, a ver­são re­al do dis­cur­so que sua ma­jes­ta­de es­cre­veu pa­ra ser li­do na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. No en­tan­to, a ver­são apre­sen­ta­da não coin­ci­de. Cons­ta que a prin­ce­sa her­dei­ra do tro­no su­ge­riu que o pai­zi­nho f

Folha 8 - - DESTAQUE -

“Saú­do cor­di­al­men­te to­dos os pre­sen­tes nes­te iní­cio de mais um ano a que sim­bo­li­ca­men­te cha­ma­mos de Par­la­men­tar. A Ca­sa da De­mo­cra­cia (is­to é co­mo quem diz!) abre ho­je as su­as por­tas pa­ra o iní­cio da úl­ti­ma Ses­são Le­gis­la­ti­va da presente Le­gis­la­tu­ra e agra­de­ço o pri­vi­lé­gio que vos obri­go a con­fe­ri­rem-me pa­ra pro­fe­rir a mi­nha úl­ti­ma (is­so que­ri­am vo­cês) Men­sa­gem so­bre o Es­ta­do da Na­ção, no man­da­to que de­cor­re até 2017. Co­me­ço por afir­mar que, gra­ças a mim, tan­to o cli­ma de paz co­mo o nor­mal fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções são já uma re­a­li­da­de que vos im­po­nho e que pas­sos im­por­tan­tes con­ti­nu­am a ser da­dos, sob as mi­nhas or­dens, pa­ra se ga­ran­tir o ple­no de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do MPLA e dos por mim elei­tos. Um ba­lan­ço su­má­rio so­bre a ac­ti­vi­da­de na­ci­o­nal põe em re­le­vo as gran­des mu­dan­ças que sob a mi­nha su­pe­ri­or ori­en­ta­ção ocor­rem no país, bem co­mo os si­nais po­si­ti­vos e al­gu­mas fa­lhas que sur­gem em vá­ri­os do­mí­ni­os da eco­no­mia e da so­ci­e­da­de de­vi­do, é cla­ro, aos par­ti­dos da opo­si­ção Tu­do is­to nos per­mi­te pers­pec­ti­var as me­di­das ne­ces­sá­ri­as pa­ra se cons­truir um fu­tu­ro me­lhor, sob o eter­no de­síg­nio de que o MPLA é An­go­la e An­go­la é o MPLA. An­go­la ( com ex­cep­ção do meu clã fa­mi­li­ar e res­tan­te cor­te) so­fre as con­sequên­ci­as da cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra in­ter­na­ci­o­nal des­de 2008. Mes­mo as­sim, con­se­gui­mos fin­gir que cum­pri­mos mais de me­ta­de das me­tas es­ta­be­le­ci­das pe­las Na­ções Uni­das nos Ob­jec­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to do Mi­lé­nio até 2015, no que diz res­pei­to a sec­to­res co­mo o de­sem­pre­go for­mal, o não abas­te­ci­men­to de ener­gia e água po­tá­vel, à fal­te saú­de e o sa­ne­a­men­to do meio, a edu­ca­ção e for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, en­tre ou­tros. To­das as conquistas se de­vem em pri­mei­ro lu­gar a mim e ao cli­ma de paz que ins­ta­lei de for­ma de­fi­ni­ti­va no nos­so país des­de 2002 e que, pa­ra ma­tum­bo ler, cos­tu­mo di­zer que é obra de to­dos os an­go­la­nos. Foi a paz que de­vol­veu ao po­vo do MPLA a es­pe­ran­ça num fu­tu­ro me­lhor, num qua­dro de li­ber­da­de, jus­ti­ça e in­clu­são so­ci­al. Cons­ci­en­tes dis­so, te­mos de con­ti­nu­ar a es­for­çar-nos pa­ra que a paz se ve- nha a tor­nar na prin­ci­pal for­ça iden­ti­tá­ria do rei­no, se­di­men­ta­do as con­vic­ções po­lí­ti­cas no MPLA e as cren­ças re­li­gi­o­sas em que o MPLA dis­ser, e pa­ra que se man­te­nha en­tre nós (do MPLA) o es­pí­ri­to de união, de to­le­rân­cia e de res­pei­to por to­dos os que pen­sem co­mo nós. Ape­sar do agra­va­men­to da si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca de mui­tos an­go­la­nos, pro­vo­ca­do pe­lo des­vio do di­nhei­ro pú­bli­co pa­ra in­ves­ti­men­tos do meu clã, o MPLA es­tá a li­dar com a cri­se me­lhor do que ou­tros paí­ses. Exem­plos dis­so são a bai­xa pro­gres­si­va dos pre­ços dos bens es­sen­ci­ais pa­ra quem tem di­nhei­ro, da in­fla­ção e da ta­xa de ju­ros; a re­cu­pe­ra­ção da ac­ti­vi­da­de das em­pre­sas dos di­ri­gen­tes do MPLA e dos ní­veis de em­pre­go, pa­ra os nos­sos fi­li­a­dos. São tam­bém exem­plo dis­so a re­to­ma­da dos ga­nhos da paz que im­plan­tei no rei­no, que co­me­ça­vam a ser afec­ta­dos, no do­mí­nio da edu­ca­ção, da saú­de, da as­sis­tên­cia so­ci­al, da des­mi­na­gem, etc. por ac­ção dos par­ti­dos da opo­si­ção. Um dos ca­mi­nhos que es­co­lhi pa­ra o MPA sair des­sa cri­se é a di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia, que por si­nal não é uma ideia do par­ti­do que, aliás, o MPLA sem­pre de­fen­deu até mes­mo an­tes de exis­tir o MPLA. Mui­tos ques­ti­o­nam por que ra­zão não co­me­cei es­te pro­ces­so mui­to an­tes, mas na ver­da­de ele co­me­çou há mui­to tem­po, na al­tu­ra em que Di­o­go Cão por cá pas­sou, só que não ha­via con­di­ções ob­jec­ti­vas no meu rei­no pa­ra avan­çar mais de­pres­sa. Qu­an­do ter­mi­nou a gu­er­ra em 2002, An­go­la e o Cam­bod­ja eram os paí­ses do mun­do que ti­nham mais mi­nas an­ti­pes­so­ais e an­ti-tan­que, to­das co­lo­ca­das por es­ses ter­ro­ris­tas de Jo­nas Sa­vim­bi. Fa­lou-se na al­tu­ra em cer­ca de dois mi­lhões de mi­nas im­plan­ta­das. Es­ta­vam mi­na­dos os aces­sos aos cam­pos agrí­co­las, as três prin­ci­pais li­nhas de ca­mi­nho-de-fer­ro e res­pec­ti­vas pon­tes, as zo­nas ad­ja­cen­tes às tor­res de trans­por­te de ener­gia eléc­tri­ca e às cen­trais e con­du­tas de água. Mes­mo em Lu­an­da foi ne­ces­sá­rio cons­truir uma pro­tec­ção ao lon­go de to­da a con­du­ta de água po­tá­vel, pa­tru­lha­da dia e noi­te. Foi tam­bém er­gui­da uma ve­da­ção no tra­ça­do da ac­tu­al Via Ex­pres­so, que ain­da não exis­tia, pa­ra pro­te­ger a ci­da­de de ope­ra­ções de mi­na­gem e ata­ques bom­bis­tas. Não era as­sim sur­pre­sa que Lu­an­da con­ti­nu­as­se ilu- mi­na­da, ape­sar das cen­te­nas de pos­tes der­ru­ba­dos, pois ti­nha si­do pos­sí­vel im­plan­tar gru­pos ge­ra­do­res em to­dos os mu­ni­cí­pi­os. Tu­do gra­ças a mim. Qu­an­do co­me­çou a re­cons­tru­ção, ti­ve que man­dar des­mi­nar em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal pa­ra po­der­mos avan­çar. Não po­día­mos cons­truir sem des­mi­nar pri­mei­ro. Nos pri­mei­ros anos ti­ve­mos que fa­zer em to­do o país o le­van­ta­men­to e a si­na­li­za­ção das zo­nas mi­na­das, pa­ra se evi­ta­rem aci­den­tes. Co­mo é que nes­tas con­di­ções po­día­mos ace­le­rar o de­sen­vol­vi­men­to da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar ou da agri­cul­tu­ra co­mer­ci­al? Quem an­das­se pe­lo país en­con­tra­va em gran­des quan­ti­da­des trac­to­res e má­qui­nas pe­sa­das de cons­tru­ção ci­vil, aban­do­na­das ou des­truí­das! Foi ne­ces­sá­rio fa­zer qua­se tu­do de no­vo. Des­mi­nar, re­cons­truir, re­e­qui­par e re­or­ga­ni­zar. Não po­de­mos fa­lar do nos­so país co­mo se es­ti­vés­se­mos a fa­lar de Por­tu­gal, de Ca­bo Ver­de ou do Se­ne­gal. A nos­sa his­tó­ria não é igual nem pa­re­ci­da com a dos ou­tros. O meu po­vo, es­cra­vos de­di­ca­dos, es­tá cons­ci­en­te des­se fac­to e sa­be o que quer e co­mo cons­truir o seu fu­tu­ro, des­de que eu lhe in­di­que o tra­jec­to. Por es­sa ra­zão – sob a mi­nha su­pe­ri­or ori­en­ta­ção – es­co­lheu o ca­mi­nho que man­dei, ou se­ja o da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e es­tá, com re­a­lis­mo, a dar pas­sos se­gu­ros pa­ra con­se­guir es­te ob­jec­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.