COR­RUP­ÇÃO, FO­ME E MOR­TE

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DERUI VER­DE (*)

AWelthun­gerhil­fe (Au­xí­lio à fo­me no mun­do), pres­ti­gi­a­da or­ga­ni­za­ção ale­mã, anun­ci­ou no pas­sa­do dia 11 de Ou­tu­bro, em Ber­lim, o seu Ín­di­ce Glo­bal da Fo­me 2016. A boa no­tí­cia é que o Ín­di­ce da Fo­me de­cres­ceu 29 por cen­to des­de 2000, e a or­ga­ni­za­ção ad­mi­te ser pos­sí­vel er­ra­di­car a fo­me no mun­do no ano 2030. A má no­tí­cia é que An­go­la é o país em pi­or si­tu­a­ção, no con­tex­to dos paí­ses afri­ca­nos de lín­gua por­tu­gue­sa: pi­or que a Gui­né-bis­sau (ver no­tí­cia do Fo­lha 8: “Li­de­ra­mos a fo­me nos PALOP” de 12 de Ou­tu­bro). No mun­do lu­só­fo- no, ape­nas fi­ca aci­ma de Ti­mor-les­te. E na es­ca­la mun­di­al si­tua-se en­tre a Etió­pia e o Dji­bou­ti, e bas­tan­te abai­xo de paí­ses des­go­ver­na­dos, co­mo o Zim­ba­bué ou a Gui­né-bis­sau. Da aná­li­se da evo­lu­ção do ín­di­ce em An­go­la, ve­ri­fi­ca-se que te­ve uma evo­lu­ção ra­zoá­vel en­tre 2000 e 2008, mas a par­tir des­se ano as me­lho­ri­as fo­ram mui­to pou­co sig­ni­fi­ca­ti­vas. Uma com­pa­ra­ção in­te­res­san­te é com a evo­lu­ção do PIB an­go­la­no no mes­mo in­ter­va­lo tem­po­ral. En­tre 2008 e 2015, o PIB au­men­tou de 84 bi­liões de dó­la­res pa­ra 102 bi­liões de dó­la­res, uma su­bi­da de 22 por cen­to, e o PIB per ca­pi­ta su­biu de 3,020 dó­la­res pa­ra 4,180 dó­la­res, um acrés­ci­mo de 39 por cen­to. Fa­ce a es­tes nú­me­ros, fa­cil­men­te se per­ce­be que a ra­zão da exis­tên­cia de um pro­ble­ma gra­vís­si­mo de fo­me em An­go­la não é eco­nó­mi­co, nem na­tu­ral. É po­lí­ti­co e ins­ti­tu­ci­o­nal. Há fo­me em An­go­la de­vi­do à na­tu­re­za do sis­te­ma po­lí­ti­co e, so­bre­tu­do, pe­lo fac­to de o seu fun­ci­o­na­men­to as­sen­tar mas­si­va­men­te na cor­rup­ção. Mui­tos in­te­lec­tu­ais não têm pu­dor em ale­gar que a cor­rup­ção é um fe­nó­me­no cul­tu­ral e co­mum em Áfri­ca, e que a cor­rup­ção fa­ci­li­ta as tro­cas e o de­sen­vol­vi­men­to de uma bur­gue­sia na­ci­o­nal po­de­ro­sa. Por exem­plo, Ha-jo­on Chang, da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, que por ve­zes tem umas po­si­ções mui­to in­te­res­san­tes nou­tros assuntos, de­fen­de que a cor­rup­ção é mo­ral­men­te cen­su­rá­vel mas que por ve­zes po­de ter efei­tos po­si­ti­vos, cri­an­do em­pre­go e ren­di­men­to, e que ou­tras ve­zes tem efei­tos ne­ga­ti­vos, qu­an­do os seus fru­tos são co­lo­ca­dos a ren­der num banco suí­ço. Ha-jo­on con­clui que as con­sequên­ci­as eco­nó­mi­cas da cor­rup­ção de­pen­dem das de­ci­sões que o pró­prio ac­to de cor­rup­ção afec­ta. Co­mo exem­plo de cor­rup­ção be­né­vo­la, Ha-jo­on re­fe­re a In­do­né­sia; pa­ra o im­pac­to ne­ga­ti­vo, re­fe­re o Zai­re. Es­tas te­o­ri­as re­la­ti­vis­tas da cor­rup­ção boa e má tam­bém são de­fen­di­das por al­guns teó­ri­cos mar­xis­tas do ne­o­co­lo­ni­a­lis­mo, que vêem no com­ba­te à cor­rup­ção ape­nas uma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.